Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

75 anos de um discurso de indelével memória

Paulo Roberto Campos

 Congresso EucarísticoO IV Congresso Eucarístico Nacional — de 4 a 7 de setembro de 1942 — foi um marco na história do Catolicismo no Brasil

 

No grandioso congresso Eucarístico Nacional de 1942, observou-se um entusiasmo religioso ímpar, fruto da vitalidade do Movimento Católico em cuja liderança estava Plinio Corrêa de Oliveira. E desse evento guardam saudosa recordação todos os que a ele assistiram presenciando manifestações como a da foto acima. Sobretudo de seu encerramento, realizado no centro da capital paulista, no Vale do Anhangabaú tomado por uma multidão — mais de 500.000 pessoas, vindas de todo o Estado e de diversas partes do Brasil. Este número, impressionante mesmo para nossos dias, o era incomparavelmente mais impactante para a pequena cidade de São Paulo do início da década de 40, cuja população não passava de 1.500.000 almas.

Nesse brilhante encerramento, coube a Plinio Corrêa de Oliveira, então com 34 anos, fazer o discurso de saudação oficial às autoridades civis e militares. O público entusiasmado ovacionou o orador, na ocasião Presidente da Junta Arquidiocesana da Ação Católica.

D. Bento Aloisi Masella, tendo em mãos o “Legionário”, jornal dirigido por Plinio Corrêa de Oliveira

D. Bento Aloisi Masella, tendo em mãos o “Legionário”, jornal dirigido por Plinio Corrêa de Oliveira [click nas imagens para ampliá-las]

Ocupava a presidência de honra desse evento o Núncio Apostólico e Legado Pontifício, D. Bento Aloisi Masella [foto ao lado], tendo à sua direita o Interventor Federal Dr. Fernando Costa, representando o Presidente da República. Presentes aproximadamente 60 Arcebispos e Bispos, numeroso clero, autoridades, representações de outros Estados e de alguns países da América do Sul.

Seguem tópicos desse memorável discurso, cuja íntegra se encontra no site: http://www.pliniocorreadeoliveira.info/Disc_Congr_Eucar_42.htm

 

 

 

AS AÇÕES DE DEUS PELOS BRASILEIROS

“Mais fácil vos seria arrancar de nosso céu o Cruzeiro do Sul, do que arrancar a soberania e a Fé a um povo fiel a Cristo”

Plinio Corrêa de Oliveira (*)

Plinio Corrêa de Oliveira discursa na sessão de encerramento do Congresso Eucarístico (aspectos parciais na foto acima e abaixo)

Plinio Corrêa de Oliveira discursa na sessão de encerramento do Congresso Eucarístico (aspectos parciais na foto acima e abaixo)

“No curso já quatro vezes secular da História do Brasil, jamais se reuniu assembleia mais solene e ilustre que esta. No momento em que a vida nacional caminha para rumos definitivos, quis a Divina Providência reunir em pleno coração de São Paulo os elementos representativos de tudo quanto fomos e somos, de todas as glórias de nosso passado e de nossas melhores esperanças para o futuro. […]

“Senhores, é hoje o dia 7 de setembro. A data é expressiva, e estou absolutamente certo de que um imenso clamor se levantará neste glorioso dia, transpondo os limites do Estado e do País, para notificar ao mundo inteiro que, como um só homem, o Brasil se ergue contra o imperialismo nazista pagão que trama sua ruína e parece ter chamado a si, exatamente como seu sósia vermelho de Moscou, a diabólica empreitada de destruir a Igreja em todo o mundo.

“Contra os inimigos da Pátria que estremecemos, e de Cristo que adoramos, os católicos brasileiros saberão mostrar sempre uma invencível resistência. Loucos e temerários! Mais fácil vos seria arrancar de nosso céu o Cruzeiro do Sul, do que arrancar a soberania e a Fé a um povo fiel a Cristo, e que colocará sempre seu mais alto título de ufania em uma adesão filialmente obediente e entusiasticamente vigorosa à Cátedra de São Pedro. […]

Plinio Corrêa de Oliveira discursa na sessão de encerramento do Congresso Eucarístico (aspectos parciais na foto acima e abaixo)

Um dos maiores povos da Terra

“Talvez não fosse ousado afirmar que Deus colocou os povos de sua eleição em panoramas adequados à realização dos grandes destinos a que os chama. E não há quem, viajando por nosso Brasil, não experimente a confusa impressão de que Deus destinou para teatro de grandes feitos este País, cujas montanhas trágicas e misteriosas penedias parecem convidar o homem às supremas afoitezas do heroísmo cristão, cujas verdejantes planícies parecem querer inspirar o surto de novas escolas artísticas e literárias, de novas formas e tipos de belezas, e na orla de cujo litoral os mares parecem cantar a glória futura de um dos maiores povos da Terra.

O grande celeiro da Igreja e da Civilização

“Os mares parecem cantar a glória futura de um dos maiores povos da Terra”

“Os mares parecem cantar a glória futura de um dos maiores povos da Terra”

“Quando nosso poeta cantava que “nossa terra tem palmeiras onde canta o sabiá, e as aves que aqui gorjeiam não gorjeiam como lá”, percebeu, talvez confusamente, que a Providência depositou na natureza brasileira a promessa de um porvir igual ao dos maiores povos da Terra.

“E hoje, que o Brasil emerge de sua adolescência para a maturidade, e titubeia nas mãos da velha Europa o cetro da cultura cristã que o totalitarismo quereria destruir, aos olhos de todos se patenteia que os países católicos da América são na realidade o grande celeiro da Igreja e da Civilização, o terreno fecundo onde poderão reflorir, com brilho maior do que nunca, as plantas que a barbárie devasta no velho mundo. A América inteira é uma constelação de povos irmãos. Nessa constelação, inútil é dizer que as dimensões materiais do Brasil são uma figura da magnitude de seu papel providencial.

Honra, glória e gáudio do mundo inteiro

“As montanhas trágicas e misteriosas penedias parecem convidar o homem às supremas afoitezas do heroísmo cristão”

“As montanhas trágicas e misteriosas penedias parecem convidar o homem às supremas afoitezas do heroísmo cristão”

“Tempo houve em que a História do mundo se pôde intitular “Gesta Dei per Francos”. Dia virá em que se escreverá “Gesta Dei per brasilienses” — as ações de Deus pelos brasileiros.

“A missão providencial do Brasil consiste em crescer dentro de suas próprias fronteiras, em desdobrar aqui os esplendores de uma civilização genuinamente católica, apostólica, romana, e em iluminar amorosamente todo o mundo com o facho desta grande luz, que será verdadeiramente o “lumen Christ” que a Igreja irradia. Nossa índole meiga e hospitaleira, a pluralidade das raças que aqui vivem em fraternal harmonia, o concurso providencial dos imigrantes que tão intimamente se inseriram na vida nacional, e mais do que tudo as normas do Santo Evangelho, jamais farão de nossos anseios de grandeza um pretexto para jacobinismos tacanhos, para racismos estultos, para imperialismos criminosos. Se algum dia o Brasil for grande, sê-lo-á para bem do mundo inteiro.

“Sejam entre vós os que governam como os que obedecem”, diz o Redentor. O Brasil não será grande pela conquista, mas pela Fé; não será rico pelo dinheiro tanto quanto pela generosidade. Realmente, se soubermos ser fiéis à Roma dos Papas, poderá nossa cidade ser uma nova Jerusalém, de beleza perfeita, honra, glória e gáudio do mundo inteiro. […]

Grandiosa vocação do povo brasileiro

Ostensório do Santíssimo Sacramento, cálice e patena (em platina, ouro, prata, brilhantes e diamantes), ofertados pelos católicos de São Paulo para o IV Congresso Eucarístico Nacional. Execução de Abramo Eberle & Cia. Procedência: Igreja de Santa Efigênia. Exposição temporária: Museu de Arte de São Paulo.  [Foto PRC]

Ostensório do Santíssimo Sacramento, cálice e patena (em platina, ouro, prata, brilhantes e diamantes), ofertados pelos católicos de São Paulo para o IV Congresso Eucarístico Nacional. Execução de Abramo Eberle & Cia. Procedência: Igreja de Santa Efigênia. Exposição temporária: Museu de Arte de São Paulo. [Foto PRC]

“Em um Brasil imensamente rico, vereis florescer um povo imensamente rico, vereis florescer um povo imensamente grande, porque dele se poderá dizer:

“Bem-aventurado este povo sóbrio e desapegado, no esplendor embora de sua riqueza, porque dele é o reino dos Céus.

“Bem-aventurado este povo generoso e acolhedor, que ama a paz mais do que as riquezas, porque ele possui a Terra.

“Bem-aventurado este povo de coração sensível ao amor e às dores do Homem-Deus, às dores e ao amor de seu próximo, porque nisto mesmo encontrará sua consolação.

“Bem-aventurado este povo varonil e forte, intrépido e corajoso, faminto e sedento das virtudes heroicas e totais, porque será saciado em seu apetite de santidade e grandeza sobrenatural.

“Bem-aventurado este povo misericordioso, porque ele alcançará misericórdia.

“Bem-aventurado este povo casto e limpo de coração, bem aventurada a inviolável pureza de suas famílias cristãs, porque verá a Deus.

“Bem-aventurado este povo pacífico, de idealismo limpo de jacobismos e racismos, porque será chamado filho de Deus.

“Bem-aventurado este povo que leva seu amor à Igreja a ponto de lutar e sofrer por ela, porque dele é o reino dos Céus”.

____________

(*) Transcrito de “O Legionário” de 7-9-1942 (Órgão oficioso da Arquidiocese de São Paulo). A íntegra encontra-se disponível no link:  http://www.pliniocorreadeoliveira.info/Disc_Congr_Eucar_42.htm

1 comentário para 75 anos de um discurso de indelével memória

  1. Guilherme Augusto Pelegrines de Souza Responder

    2 de junho de 2018 à 1:29

    Obrigado pelo texto, é esse exemplo de Brasil latente que me enche de esperança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *