Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

A China made in USA

A respeito do desenvolvimento da China comunista: uma análise, uma previsão, uma confirmação.

  • Marcos Machado

A recente viagem do general Hamilton Mourão à China foi precedida pela ampla divulgação do conceito — à maneira de um slogan talismânico — de que “a China é o nosso maior parceiro comercial”. Vão na mesma linha as declarações do presidente chinês Xi Jinping: “Os dois lados devem continuar discutindo com firmeza as oportunidades e os parceiros um do outro para o seu próprio desenvolvimento, respeitando-se, confiando um no outro, apoiando-se mutuamente e construindo as relações China-Brasil como modelo de solidariedade e cooperação entre os países em desenvolvimento”.1 Tais afirmações dão ensejo a que se esclareça um aspecto do problema, sobre o qual as novas gerações geralmente não estão informadas.

A mídia gosta de apresentar a China como segunda potência mundial, dando a entender que sua industrialização e seu crescimento têm como causa, propulsão e continuidade a aplicação dos princípios comunistas. Nada mais falso e contrário à realidade histórica, pois os verdadeiros motores da industrialização chinesa foram o capitalismo ocidental e a aproximação com o Japão (em 1972).

O presidente Nixon, no café da manhã em Pequim, na companhia de Chou En-lai, em 1972.
O presidente Nixon, no café da manhã em Pequim, na companhia de Chou En-lai, em 1972.

Vamos aos fatos. Em 1972, o presidente americano Nixon — que se elegeu em nome do anticomunismo yankee — empreendeu a chamada détente, que numa abordagem rápida poderia se traduzir por abertura aos países comunistas, sobretudo Rússia e China. Assim, Nixon empreendeu “sensacionais” viagens à Rússia e à China, trombeteadas e aplaudidas pela mídia. [foto acima].

Em 1972, assim se exprimia o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira em artigo na “Folha de S. Paulo” (1º-10-1972): “Não poderia a China aspirar ao controle da Ásia? Extensão territorial, população superabundante, apetite de conquista não lhe faltam. Mas ser-lhe-á necessário ainda, para tão grande cometimento, um potencial industrial e bélico considerável. E o regime comunista não lhe deu nem uma nem outra coisa. A China comunista só poderá desenvolver-se e alçar-se à condição de superpotência imperialista com o concurso de uma nação capitalista de grande importância”.

Os fatos superaram essas previsões, pois além dos EUA e do Japão, várias outras nações montaram fábricas na China, inclusive o Brasil.

Prosseguem os comentários do Prof. Plinio:

“Ora, a única possibilidade de a China receber tal apoio de uma nação capitalista consistiria numa completa reformulação de suas relações com o Japão [Lembramos que o comentário é de 1972, quando o Japão tinha um gabinete conservador e anticomunista]. Segundo a ordem natural das coisas, nada seria mais impraticável. As violentas rivalidades entre os dois povos amarelos, agravadas pela implantação do comunismo na China, tornaram intransponível a distância política entre os dois países. Pois o Japão se manifestou sempre cioso de evitar o contágio da lepra vermelha.

“Mas Nixon — deliberado a desmantelar inexoravelmente o sistema anticomunista do Extremo Oriente — ainda desta vez favoreceu o jogo chinês. Em entendimentos diretos com Tóquio, fez saber que o Japão não perderia o apoio dos EUA no plano comercial, se se aproximasse resolutamente da China.

Tanaka cumprimenta Mao Tsé-Tung
Tanaka cumprimenta Mao Tsé-Tung

“E, como era natural, no Japão o derrapamento para a esquerda começou. Como todos sabem, o gabinete conservador foi substituído por outro, de matiz esquerdista. O novo governo tratou, desde logo, de aproximar-se da China. E daí resultou a visita do premier nipônico Tanaka a Pequim [foto ao lado].

“Tanaka, por sua vez, não cessa de manifestar sua humildade ante os anfitriões chineses. Em sua visita a Mao Tsé-Tung, reconheceu a ‘culpa’ do Japão pela agressão à China, elogiou rasgadamente Chou Enlai, a hospitalidade chinesa, e até a comida chinesa. E ainda compôs um poema sobre o reatamento com Pequim”.2

*   *   *

Em artigo anterior para a “Folha de S. Paulo” (17-10-71), o Prof. Plinio havia advertido: “Com a já inevitável entrada da China vermelha no Conselho de Segurança da ONU, o poder norte-americano perde um ponto nesse supremo cenáculo da política mundial”.3 E hoje temos diante dos olhos a confirmação, pois a entrada da China no Conselho de Segurança da ONU, ao lado da Rússia, é um poderoso trunfo, por exemplo, para vetar em nossos dias ações contra a Venezuela do ditador Maduro.

Estamos falando de fatos históricos. Em 1972, época da viagem de Nixon, o PIB da China era de apenas US$ 113,7 bilhões. Foi necessário um investimento gigantesco das potências ocidentais — do novo continente, da Europa, do Japão e de Taiwan, entre outras — além de enorme campanha midiática de desmobilização da opinião pública do mundo livre face ao comunismo, a qual é o fruto natural da détente. Portanto, a atual riqueza da China não é fruto (da aplicação) dos princípios comunistas, e sim de uma velhaca manobra de concessão, ou abertura, aos princípios capitalistas de livre iniciativa e propriedade privada. Ou seja, exatamente a aplicação daquilo que a doutrina comunista nega, combate e reprime. Dizemos intencionalmente concessão, porque o comunismo, sendo antinatural, é contrário ao direito de propriedade e à livre iniciativa.

Cumpriu-se assim a previsão de Plinio Corrêa de Oliveira, de que o desenvolvimento da China precisaria do “concurso de uma nação capitalista de grande importância”. A História mostra que houve o concurso de várias nações capitalistas, inclusive do Brasil.

Este é o segredo da tão festejada segunda potência econômica mundial, que paradoxalmente é também a primeira em violação dos direitos humanos. Mas isto a mídia cúmplice não conta.

_______

Notas:

1. https://veja.abril.com.br/mundo/xi-diz-a-mourao-que-china-e-brasil-devem-se-ver-como-oportunidade/

2. Íntegra do artigo em: https://www.pliniocorreadeoliveira.info/FSP%2072-10-01%20Pesadelo.htm

3. Íntegra em: https://www.pliniocorreadeoliveira.info/FSP%2071-10-17%20A%20burguesia.htm

2 comentários para A China made in USA

  1. Luiz Guilherme Winther de Castro Responder

    4 de julho de 2019 à 18:11

    A China e outros países comunistas continuam sendo ameaça para nós. Paulatinamente, vagarosamente, disfarçadamente, esses países infiltram-se com os seus diabólicos propósitos, tendo a ajuda de comunistas daqui.

  2. MARIO HECKSHER Responder

    4 de julho de 2019 à 19:02

    Muito bom e verdadeiro este artigo. Parabéns ao autor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *