Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Alimentar o mundo

Evaristo de Miranda

Agronegocio

O mais vendido refrigerante do mundo define sua missão como a de “saciar a sede do planeta”. A missão do Brasil já pode ser: saciar a fome do planeta. E com os aplausos dos nutricionistas.

Em 2015 o Brasil produziu 207 milhões de toneladas de grãos para uma população de 206 milhões de habitantes. Ou seja, uma tonelada de grãos por habitante. Só a produção de grãos do Brasil é suficiente para alimentar quatro vezes sua população, ou mais de 850 milhões de pessoas. Além de grãos, o Brasil produz por ano cerca de 35 milhões de toneladas de tubérculos e raízes (mandioca, batata, inhame, batata doce, cará etc.). Comida básica para mais de 100 milhões de pessoas.

FrutasA agricultura brasileira produz, ainda, mais de 40 milhões de toneladas de frutas, em cerca de 3 milhões de hectares. São 7 milhões de toneladas de banana, uma fruta por habitante por dia. O mesmo se dá com a laranja e outros citros, que totalizam 19 milhões de toneladas por ano. Cresce todo ano a produção de uva, abacate, goiaba, abacaxi, melancia, maçã, coco…

Às frutas tropicais e temperadas se juntam 10 milhões de toneladas de hortaliças, cultivadas em 800 mil hectares e com uma diversidade impressionante, resultado do encontro da biodiversidade nativa com os aportes de verduras, legumes e temperos trazidos por portugueses, espanhóis, italianos, árabes, japoneses, teutônicos e, por aí, vai longe.

À produção anual de alimentos se agrega cerca de 1 milhão de toneladas de castanhas, amêndoas, pinhões e nozes, além dos óleos comestíveis — da palma ao girassol — e de uma grande diversidade de palmitos.

Não menos relevante é a produção de 34 milhões de toneladas de açúcar/ano, onipresente em todos os lares, restaurantes e bares. A produção vegetal do Brasil já alimenta mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo, usando para isso apenas 8% do território nacional.

CarnesE a tudo isso se adiciona a produção animal. Em 2015 o País abateu 30,6 milhões de bovinos, 39,3 milhões de suínos e quase 6 bilhões de frangos. É muita carne. Coisa de 25 milhões de toneladas! O consumo médio de carne pelos brasileiros é da ordem de 120 kg/habitante/ano ou 2,5 kg por pessoa por semana. A estimativa de consumo médio de carne bovina é da ordem de 42 kg/habitante/ano; a de frango, de 45 kg; e a de suínos, de 17 kg; além do consumo de ovinos e caprinos (muito expressivo no Nordeste e no Sul), de coelhos, de outras aves (perus, angolas, codornas…), peixes, camarões e crustáceos (cada vez mais produzidos em fazendas) e outros animais.

Mudança e agradecimentoEm 50 anos, de importador de alimentos o Brasil tornou-se uma potência agrícola. Nesse período, o preço dos alimentos caiu pela metade e permitiu à maioria da população o acesso a uma alimentação saudável e diversificada e a erradicação da fome. Esse é o maior ganho social da modernização agrícola e beneficiou, sobretudo, a população urbana. O Brasil saiu do mapa dos países com insegurança alimentar.

Como o crescimento da população e das demandas urbanas, o que teria acontecido na economia e na sociedade sem esse desenvolvimento da agricultura? Certamente, uma sucessão de crises intermináveis. Era para a sociedade brasileira agradecer todo dia aos agricultores por seu esforço de modernização e por tudo o que fazem pelo País. A Nação deve assumir a promoção e a defesa da agricultura e dos agricultores, com racionalidade e visando ao interesse nacional.

Caminho da recuperação no campoAs pistas estão no agronegócio. Sinais de recuperação, ainda escassos em outros setores, aparecem bem mais claramente na atividade do campo.

A melhora da economia brasileira em 2017, depois de dois anos de recessão, pode começar pelo campo, com uma safra de grãos de 213,1 milhões de toneladas — se o tempo, como se espera, for favorável.

Sinais de recuperação, ainda escassos em outros setores, aparecem bem mais claramente na atividade do campo. Se as previsões se confirmarem, os produtores, com mais dinheiro, poderão dar um bom impulso aos negócios, inicialmente no interior e depois em toda a cadeia de circulação de bens e serviços. Além disso, a maior oferta de alimentos e matérias-primas garantirá preços mais estáveis e previsíveis, mas esse efeito dependerá também do desempenho de outros tipos de lavouras e da pecuária.

A colheita prevista para a safra 2016-2017 será 14,2% maior que a da temporada anterior, pelos números da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), subordinada ao Ministério da Agricultura. Esse aumento compensará com alguma folga o recuo do ano anterior, quando a produção, de 186,6 milhões de toneladas, prejudicada pelas condições do tempo, foi 10,6% menor que a de 2014-2015. (Fonte: “O Estado de S. Paulo”, 12-12-16).

3 comentários para Alimentar o mundo

  1. MARIO HECKSHER Responder

    6 de fevereiro de 2017 à 15:17

    Sem dúvida, a vocação do Brasil é a agropecuária e não nos falta terra boa, água em abundância e sol. O que não se pode fazer é ingressar pelos caminhos escuros da reforma agrária socialista que só aumenta a pobreza e conduz à escassez de alimentos.

  2. Jean GOYARD Responder

    6 de fevereiro de 2017 à 23:13

    Falando de “Reforma agrária”, precisa dar um vez mais o que lhe pertence ao Pr. Plinio Corrêa de Oliveira, que discerniu na doutrina catolica a importancia do valor moral e social da propriedade privada, o que todo mundo esquecia. Assim que viu despontar a primeira tentativa de reforma agrária em 1959, denunciou-a de forma precisa e fundamentada, e não cessou de revelar ao publico os novos artifices, as armadilhas e as formulações capciosas empregados pela larga maioria do Episcopado brasileiro, pelos governantes liberais estabanatos ou cumplices, e pelos comunistas e socialistas de todo naipe, desfarçados ou não, para tentar influenciar o povo brasileiro no sentido de aceitar aquela reforma. Se tivesse sido aplicada como as esquerdas queriam, a agropecuária teria hoje esse desenvolvimento e esses resultados que vemos hoje ? Evidente que não. Graças à Deus, Dr. Plinio travou esta batalha, com pouquissimos apoios e uma hostilidade unánime ou quasi unánime das midias. Hoje o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira perpetua a gloriosa gesta do saudoso Professor. Desde Paris, um profundo admirador da reflexão, da doutrina, da capacidade de transmissão, da pedagogia de Dr. Plinio.

  3. Antonio Jamesson Costa Nascimento Responder

    15 de fevereiro de 2017 à 4:23

    Que se desperte para o fato de que este governo quer acabar com a “propriedade privada” e que não se deixe perder a capacidade de mobilização e pressão dirigida sobre este Congresso Nacional vendilhão da Pátria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>