Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Após mais de 40 anos, é celebrada em Bruxelas uma Missa Pontifical no rito tridentino

Heitor Abdalla Buchaul (*)

Na Arquidiocese de Maline-Bruxelles (Bélgica), celebrou-se com grande júbilo a primeira Missa Pontifical, no rito tridentino, após a introdução do “Novus Ordo Missae” promulgado por Paulo VI em 1969.

No domingo, dia 30 de janeiro, às 18:30 a bela igreja de Saints Jean-et-Étienne-aux-Minimes, do século XVIII, estava repleta de fiéis ansiosos por testemunhar o grandioso evento.

Em meio aos belos cantos e ao alegre badalar dos sinos, o arcebispo, D. André-Joseph Léonard, fez sua solene entrada, envergando ricos paramentos eclesiásticos dourados e portando um báculo de prata; todos respeitosamente ajoelhavam-se durante sua passagem para receberem a bênção.

Logo no início do sermão, D. Léonard fez quesão de dizer que este rito, por tantos séculos o rito ordinário da Igreja, nunca fora abolido e nem poderia sê-lo, pois, segundo suas palavras, “um rito não pode ser trocado como se troca de carro”. Ele finalizou reafirmando seu total apoio à celebração do rito romano extraordinário em sua arquidiocese.

Eram mais de 300 pessoas que assistiram à cerimônia, dentre as quais destacavam-se alguns arquiduques e outros membros de famílias principescas. Porém seria um grande engano imaginar que esse público era formado por saudosistas ou antigos assistentes e adeptos do rito de São Pio V. Muito pelo contrário, havia uma preponderante presença de jovens que, com grande entusiasmo, admiravam todo o desenrolar daquele magnífica pompa litúrgica.

Atualmente em Bruxelas já existem duas celebrações dominicais no rito extraordinário ou tridentino e terá uma terceira a partir de fevereiro.

É um fato admirável a ser registrado nos dias em que a apostasia domina o Ocidente — nas palavras do arcebispo “um secularismo esmagador” —, constatar centenas de fiéis numa fria noite de inverno acorreram para assistir o que para muitos seria coisa do passado. Aqueles olhos tão acostumados ao relativismo moderno, quiseram por algumas horas sentir o imponderável que os aproxima do absoluto.
_______________
(*) Heitor Abdalla Buchaul é colaborar da ABIM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *