Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Com a vitória de Trump, tornar-se-á o Papa Francisco o líder da esquerda internacional?

Roberto de Mattei (*)

Republicanos comemoram a vitória de Donald Trump. Apesar de toda a mídia (nacional e internacional) ter previsto a derrota do candidato republicano, este venceu com folga (como se pode ver no mapa abaixo).

Republicanos comemoram a vitória de Donald Trump. Apesar de toda a mídia (nacional e internacional) ter previsto a derrota do candidato republicano, este venceu com folga (como se pode ver no mapa abaixo).

Republicanos comemoram a vitória de Donald Trump. Apesar de toda a mídia (nacional e internacional) ter previsto a derrota do candidato republicano, este venceu com folga (como se pode ver no mapa abaixo).O Secretário de Estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin, enviou a Donald Trump os augúrios da Santa Sé, exprimindo sua esperança de que o novo Presidente trabalhe a serviço da pátria e da paz do mundo. Dom Joseph Kurtz, Arcebispo de Louisville e Presidente da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, felicitou o recém-eleito, instando-o a governar para o bem comum de todos os cidadãos. A diplomacia do Vaticano parece querer corrigir ou temperar a posição do Papa Francisco, que nunca escondeu sua aversão ao candidato à presidência americana.

Em 18 de fevereiro deste ano, no voo de volta do México [foto abaixo], comentando o projeto de Trump de construir um muro entre os EUA e o México a fim de conter o fluxo de migrantes, o Papa disse que “uma pessoa que só pensa em fazer muros e não fazer pontes não é cristão”. Em outro voo de regresso, o de 2 de outubro de Baku para Roma, quando perguntado sobre qual era o candidato de sua preferência nas eleições americanas, Francisco não se pronunciou. No entanto, por mais fortes que sejam as reservas devidas em relação a Trump, para um católico seria difícil adotar uma posição equidistante entre o candidato republicano e Hilary Clinton, que tinha incluído oficialmente em seu programa uma implementação maciça do aborto e da agenda LGBT. A menos que se considere a autodefesa em relação à invasão migratória um pecado maior do que a legalização do aborto e do chamado casamento homossexual.

Além do julgamento moral sobre essas questões, o problema subjacente que divide o Vaticano da nova presidência norte-americana é de ordem política. A questão da imigração é, de fato, desde o início do atual pontificado, a espinha dorsal da política bergogliana, mas também uma pedra angular do programa de Donald Trump. Sobre este ponto, as visões de Francisco e do Presidente eleito dos Estados Unidos se opõem. “Uma nação sem fronteiras não é nação, assim como não é nação um país sem leis”, afirma Trump, enquanto para o Papa Bergoglio a hospitalidade ilimitada aos imigrantes é quase um locus teológico. Se Trump seguir adiante em seu caminho, não só porá um freio no multiculturalismo galopante que impera em seu país desde a era Kennedy, mas também dará inevitavelmente impulso aos partidos de direita e “identitários” que nas próximas semanas e meses irão às urnas na Áustria, Holanda, França e Alemanha.

francisco-mexicoPor sua vez, após a derrota de H. Clinton, Francisco permanece como o único ponto de referência da esquerda internacional, privada de líder. Ao concluir em 5 de novembro no Vaticano o Terceiro Encontro Mundial dos chamados “movimentos populares”, com a presença de agitadores revolucionários dos cinco continentes, o Papa Francisco virou-se para eles e disse: “Faço meu o vosso grito.” Mas o grito de protesto que se levanta desses movimentos congregados na sala de audiência Paulo VI é infelizmente caracterizado pelo fanatismo ideológico e a incitação à violência.

Republicanos comemoram a vitória de Donald Trump. Apesar de toda a mídia (nacional e internacional) ter previsto a derrota do candidato republicano, este venceu com folga (como se pode ver no mapa abaixo).A tendência é clara. Em sua última viagem à América do Sul, Francisco expressou sua simpatia pelos presidentes da Bolívia e do Equador, e em 24 de outubro recebeu em audiência privada no Vaticano o presidente venezuelano, Nicolás Maduro Moros [foto à esq.], também da extrema-esquerda, a quem assegurou o seu apoio. Nenhuma palavra de aprovação e comprazimento, entretanto, partiu do Vaticano pelo extraordinário gesto do presidente Pedro Pablo Kuczynsky, do Peru, que em 21 de outubro, no Café-da-manhã de Oração, na presença da presidente do Congreso e de outras personalidades, consagrou seu país ao Sagrado Coração de Jesus e ao Coração Imaculado de Maria.

Quão oportuno seria se, abandonando a política, o Papa e os bispos do mundo unissem seus esforços em atos religiosos desse gênero, começando pela tão esperada consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, por ocasião do centenário de Fátima de 2017, que coincide com o da funesta Revolução bolchevique de outubro.

____________

(*) Fonte: “Il Tempo”, Roma, 11-11-16. Matéria traduzida do original italiano por Hélio Dias Viana.

1 comentário para Com a vitória de Trump, tornar-se-á o Papa Francisco o líder da esquerda internacional?

  1. Ely Responder

    18 de novembro de 2016 à 6:50

    O Papa Francisco tem filhos desobedientes e que não seguem o Rito da Igreja Católica a exemplo dos Países: Venezuela, Cuba, Paraguai, Uruguai e outros mais.Que o mesmo tem uma veia revolucionária todo mundo sabe. Esquece que quando se exerce uma “munus” Universal não se pode pensar de forma unitária e não pode agir de modo próprio.Embora deva obediência somente à Deus não se pode esquecer que os Papas anteriores nunca mudaram o dogma e a Palavra do Evangelho como ele quer, a exemplo dar comunhão aos que casaram na Igreja Católica, receberam a Certidão do Matrimônio mas pelo não cumprimento da promessa feita à Deus desistiram e foram procurar outros ares. Na Igreja deve ser ” Sim, sim” e “Não, não”, o resto é invenção humana.Peço desculpas mas é a verdade e todos os filhos que seguem a liturgia, a Palavra e mantém a condição de casados mesmo passando por tribulações, tempestades sabem que Jesus não deixará afundar o barco porque no meio do casal está o Senhor. O que tem que fazer é voltar novamente a Jerusalém, primeiro ao primeiro Amor- Jesus e segundo a reconciliação do casal. O que se pretende fazer é departamentalizar dando poderes para o Arcebispo, Bispo para acatar as justificativas e daí autorizar receber Jesus em Corpo, Sangue, Alma e Divindade, contrariando Marcos 10 ( 1-10). Entendo que o mesmo como Líder e Pai de todos deveria orientar a aplicação de Ozéias 3.Vou rezar para que todos àqueles que foram chamados para uma Missão -Hebreus 5 ( 1-7), chamem os filhos que se encontram em segunda união que para receber a SAGRADA COMUNHÃO, promova o Processo de Nulidade de Casamento, ressalvando que todas as mulheres que casaram grávidas estas a homologação é rápida em razão de sua gravidez. Se houver situações que se enquadram a Igreja é Mãe pois dá condição para isso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *