Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Como se acaba com a brasilidade

Pe. David Francisquini (*)

Expressão de um Brasil autêntico e verdadeiramente cristão

Expressão de um Brasil autêntico e verdadeiramente cristão

Por pouco que analise o panorama brasileiro nos seus desdobramentos político, psicológico e moral, o observador fica perplexo com a envergadura do programa do PT. É dele uma síntese o Plano Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), promulgado no fim do governo Lula.  A extensão e a radicalidade desse Plano são tais, que a sua aplicação equivaleria à destruição da alma do Brasil autêntico.

Um leitor desavisado talvez não perceba que o PNDH-3 faz parte de uma revolução com “R” maiúsculo, que pretende desmantelar a sociedade desde os seus fundamentos, como o direito de propriedade, a família e os valores morais multisseculares que regem e governam uma organização social sadia.

Com a deterioração dos costumes e da maneira de pensar, de querer e de sentir, é a libertinagem que grassa através do amor livre e da rejeição da honra; é a descaracterização de um povo plasmado pela civilização e pela cultura católica, de cuja feliz conjunção de raças e circunstância nasceu a brasilidade.

Mas o povo está deixando de ser brasileiro por ação dessa Revolução?  Ouso afirmar que sim, pois a meta deste processo é atingir o homem no seu próprio ser, desequilibrando-o paulatinamente, em contraposição às virtudes cardeais, sobretudo a da temperança, que regula e equilibra as suas paixões desordenadas.

Expressão de um Brasil autêntico e verdadeiramente cristãoEssa Revolução é imposta através da introdução de desenhos animados, de brinquedos eletrônicos, de certos aplicativos, quando não dos próprios celulares, até a exacerbação da criança, que perderá a calma, a disciplina, o bem-estar, a obediência, o acatamento, o respeito, a reflexão, a admiração, entre tantas virtudes. Mas, afinal, a criança não ganha nada com isso? – Ela se empanzina de egoísmo, só encontrando satisfação em si mesma.

A criança vai se tornando desatenta a tudo, alheia aos deveres, aos compromissos assumidos ou a assumir, ao próprio ambiente e aos circunstantes, pela incapacidade de prestar atenção em algo que não seja ela mesma. Passa a viver na agitação e no frenesi, portanto longe de seguir a axiologia rumo à perfeição, ou seja, os compromissos para com Deus, para com o próximo e para consigo mesma.

Há um trabalho sistemático para descaracterizar a identidade infantil desde a mais tenra idade e com isso descristianizar a criança, sobretudo pela intemperança, como dissemos acima. Em contraposição aos germes ou às sementes que, obedecendo à boa ordem criada e desejada por Deus, vão desabrochando aos poucos e conduzindo a criança rumo ao seu amadurecimento.

Não seria exatamente para quebrar psicologicamente as pessoas de amanhã que os revolucionários pretendem introduzir desde o berço a maldita igualdade de gênero? Em certo sentido, parece-me pior a atitude daqueles que se silenciam diante disso, quando deveriam clamar e mesmo promover uma cruzada de ideias para impedi-lo.

É muito triste, por exemplo, ver pessoas do clero irmanadas com esquerdistas revolucionários e colaborando com esse processo de aniquilação do homem de amanhã. É oportuno recordar a frase ameaçadora de Jesus Cristo: “Quem escandalizar um desses pequeninos, melhor fora que se amarrasse uma pedra de moinho ao pescoço e se arremessasse ao fundo do mar”.

Todas as sociedades dignas deste nome nasceram e desabrocharam lastreadas na unidade familiar, constituída por um homem e uma mulher no casamento indissolúvel. Entre os bens do matrimônio, ocupa primeiro lugar a prole, pela própria ordem natural das coisas. Quem fugir deste parâmetro estará contrariando a vontade de Deus e da Igreja.

Hoje, as Secretarias de Saúde estão abarrotadas de preservativos, contraceptivos, além dos meios de esterilização. Ora, num lar onde seja introduzida qualquer depravação da ordem natural, se estará violando necessariamente as leis da caridade e da justiça. Numa palavra, a perversão do matrimônio traduzida num ato destituído da virtude geradora faz dos cônjuges réus de culpa grave.

Mas o divórcio não poderia dissolver a ligação que vincula o homem à mulher até a morte? – Com efeito, rompido este laço, não haverá lugar para os filhos, pois não tendo eles culpa e sendo frágeis e vulneráveis, constituem um obstáculo difícil de transpor para a separação e a busca de uma aventura.

Contudo, a mentalidade materialista, para não dizer marxista, de nossos governantes, pela sua própria concepção ateia do universo, não valoriza a família, nem a fragilidade das crianças, nem mesmo a sua educação ou o apoio e a confiança que só os pais podem oferecer aos filhos.

A separação dos pais representa uma espécie de morte dos mais íntimos e delicados sentimentos que os filhos possam depositar em seus pais, um golpe mortal, portanto, na psicologia e na moral deles. Enquanto sacerdote já amadurecido pelos anos, quantos exemplos já se me depararam ao longo da vida!

Dentro do lar, a criança vê Deus na autoridade do pai, enquanto na mãe, pela sua bondade, dedicação e desinteresse, ela vê a Igreja e Nossa Senhora. Nesse ambiente sacral, a criança aprende a amar a Deus e a Maria Santíssima, a respeitar e acatar as autoridades constituídas. Afinal, não será esta a razão diabólica para se acabar com a família? – Eis uma das grandes metas do PT no Brasil de hoje.

Sem falar do aborto, do pseudo-casamento entre pessoas do mesmo sexo, do incentivo à prostituição, da descriminalização das drogas, da violência, dos maus hábitos, da contínua decadência dos ambientes, dos maus exemplos da classe política, enfim, de tudo o que leva à derrocada da sociedade hierárquica e sacral estabelecida por Deus.

O caos em que se acha afundado o Brasil não é senão o resultado dessa crise religiosa e moral, da qual o PT é, a uma só vez, o fruto péssimo e o grande propulsor.

_______

(*) Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira-RJ

2 comentários para Como se acaba com a brasilidade

  1. Mario Hecksher Responder

    9 de outubro de 2015 à 13:18

    Hoje sou um homem velho, mas estudo e combato as ações esquerdistas desde jovem. Fico feliz vendo o Padre Francisquini em ação, denunciando a ação nefasta do PT.

  2. Ênio José Toniolo Responder

    11 de outubro de 2015 à 9:48

    Para infelicidade nossa, o quadro que o Revmo. Pe. David pinta é a realidade sem retoques. Estamos no fundo do poço – ou muito perto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *