Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Eleição 2014: dois silêncios encafifantes

Leo Daniele

Agencia Boa ImprensaNuma cúpula informal da esquerda, desdobram-se os mapas do mundo. Enquanto um de seus membros fala da importância de não sei que países da América Central, um velho todo enrugado, que ocupa o centro da mesa, corta-lhe a palavra e diz:

– Que é isso, camarada? Você não vê que, como se diz vulgarmente, a “bola da vez” é o Brasil? Olhe para este mapa e compreenda, de uma vez por todas! Veja o tamanho desse gigante! Veja a pujança que pode explodir de uma hora para outra! Veja a inteligência desse povo! Se ele for nosso, a América do Sul também o será, pois tem fronteiras com quase todos os países. Sem contar a esperteza de seus homens. Agora haverá eleições lá e, de um jeito ou de outro, a esquerda estará na frente. Mas não fale por enquanto do finado Chávez, por mais querido que ele nos seja, nem da Venezuela. Silêncio! Eles têm um apego enorme à própria soberania e ainda não estão no ponto para formar um bloco conosco! Espere um pouquinho só!

Como tudo que é fictício, a imagem dessa reunião dissipou-se nas névoas da minha imaginação. Entretanto, é certo que na campanha eleitoral pouco ou nada se falou de Chávez, ou de Maduro, pois aqui essas pessoas não são vistas com simpatia popular. Afinal, ordens são ordens, e o silêncio se fez. Um silêncio inteiramente lógico do ponto de vista da esquerda, não é?

Outro silêncio, este não inteiramente lógico, foi a estranha e “quase completa” omissão da Agencia Boa ImprensaConferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Como bem observa em recente comunicado o Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, “face aos rumos para os quais aponta tal quadro eleitoral, é compreensível a perplexidade dos católicos – e de tantos outros que não o sendo reconhecem o papel fundamental da Igreja”, ante tal “quase completa omissão”.

O muito oportuno pronunciamento desse Instituto detalha suas razões: “Era natural que esse organismo episcopal (a CNBB) fizesse sentir a influência sobrenatural da Santa Igreja, pela pregação da verdade evangélica, para o bem espiritual, intelectual e moral daqueles que a ela se abrem. Mas, infelizmente, a CNBB vem relegando para segundo plano uma série de temas de primordial importância religiosa e moral no que diz respeito ao bem comum espiritual e temporal do Brasil; e vem tentando modelar a opinião pública a seu gosto em determinados problemas políticos e socioeconômico, em incursões em matéria especificamente temporal, revestidas, por vezes, de uma agressividade voltada para a agitação”.

Mas há mais. Essa perspectiva se torna mais grave quando se considera que a própria CNBB, em seu documento nº 91, Por uma reforma do Estado, com participação democrática, “endossa a criação de estruturas de participação popular, questiona a democracia representativa e propõe uma nova forma de viver a democracia, tudo em sintonia com o decreto presidencial 8243”.

Com efeito, esse decreto, a pretexto de participação popular, lança ideias que equivalem a criar sovietes em nosso País, em substituição à democracia representativa atualmente vigente.

Um provérbio francês é muito aplicável a tudo o que diz respeito a esse pleito: A desconfiança é a mãe da confiança. Bendita desconfiança!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *