Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Enigmático silêncio sobre o calvário de cristãos e apoio à revolução social

Hélio Dias Viana

Cena da gravação de um vídeo na qual o grupo terrorista nigeriano Boko Haram assume diversos atentados contra cristãos e promete ainda mais derramamento de sangue em nome do Islâ. No centro da foto, o líder terrorista Abubakar Shekau, também manifestou apoio aos guerrilheiros do Estado Islâmico.

Cena da gravação de um vídeo na qual o grupo terrorista nigeriano Boko Haram assume diversos atentados contra cristãos e promete ainda mais derramamento de sangue em nome do Islã. No centro da foto, o líder terrorista Abubakar Shekau também manifestou apoio aos guerrilheiros do Estado Islâmico.

A Agência católica de notícias Fides distribuiu em 20 de novembro uma nota recebida da Nigéria do Pe. Gideon Obasogie, responsável pelas comunicações sociais da diocese de Maiduguri, cujo território compreende os estados de Borno, Yobe e algumas zonas do estado de Adamawa. O Pe. Gideon faz, na referida nota, um balanço das destruições causadas pelo grupo terrorista islâmico Boko Haram naquela diocese após a tomada da cidade de Mubi.

Mais de 2.500 católicos foram mortos e 100.000 evacuados (entre estes últimos, 26 dos 46 padres que trabalham na diocese, 200 catequistas e mais de 20 religiosas); mais de 50 paróquias destruídas, algumas delas diversas vezes; 40 outras paróquias foram abandonadas e ocupadas pelo grupo terrorista; quatro dos cinco conventos existentes foram também abandonados. Ele menciona ainda o sequestro, largamente noticiado pelos jornais, de mais de 200 moças.

Todavia mais grave, um grande número de católicos foi obrigado a se converter (ou antes, a se perverter) ao islã contra a própria vontade. O sistema escolar foi destruído, principalmente porque as diversas escolas foram transformadas em centros de acolhimento dos evacuados.

O Boko Haram já conquistou até agora as seguintes 32 cidades:

No estado de Borno, Gomboru Ngalla, Bama, Gwoza, Maffa, Abadam, Askira Uba, Dikwa et Marte, para não citar senão os centros mais importantes. A capital, Maiduguri, está completemente cercada pelo Boko Haram, exceto a estrada que conduz a Damaturu. No estado de Adamawa, Madagali, Michika, Mubi, Gulak, Kaya, Shuwa, Bazza, Yaffa, Betso, Mishara, Vimtim, Muchalla, Kala’a, Maiha e Mataka. No estado de Yobe, Buni Yadi, Gujba, Gulani, Kukuwa, Bularafa, Buni Gari, Bara, Bumsa e Taltaba.

Ora, todos esses católicos africanos foram também remidos pelo sangue infinitamente precioso de Nosso Senhor Jesus Cristo e gozam a este título do inalienável direito de serem socorridos pelos seus Pastores, os quais devem estar dispostos a dar a própria vida pelas suas ovelhas. Mas não é infelizmente o que se vê, antes o contrário.

Asia BibiVaticanistas de renome — Sandro Magister, por exemplo — têm comentado o contraste entre o silêncio da Santa Sé em relação ao direito à vida de cristãos perseguidos por muçulmanos (tome-se o caso da mãe de família paquistanesa Asia Bibi [foto], condenada à morte por ter supostamente “blasfemado” contra Maomé) e a sua loquacidade quando se trata de defender direitos menos fundamentais, como o de acolher imigrantes africanos ilegais que chegam de barco à Europa. Quando não, oh dor!, de apoiar grupos revolucionários de inspiração marxista, negadores dos direitos mais básicos e desejosos de destruir a ordem socioeconômica vigente.

Foi o que aconteceu entre os dias 27 e 29 de outubro p.p. no Vaticano, por ocasião do Encontro dos Movimentos Sociais promovido pelo Pontifício Conselho Justiça e Paz e pela Pontifícia Academia de Ciências. O evento [foto abaixo], que reuniu 150 militantes de 80 países, contou com o apoio do Papa Francisco, que o prestigiou com sua presença e com fogosas palavras de encorajamento. O expoente máximo brasileiro, que fez uso da palavra, foi o conhecido agitador marxista João Pedro Stédile, que não titubeou em declarar depois que o discurso do Papa havia sido mais esquerdista do que o dele. A prestigiosa revista Catolicismo publicará na sua edição de dezembro uma ampla reportagem sobre o assunto.

Agencia Boa Imprensa

Diante do quadro apocalíptico dos católicos nigerianos acima descrito (2.500 mortos, 100.000 evacuados, 34 cidades tomadas etc.), o momento não seria mais oportuno para que, em vez de receber agitadores marxistas e apoiar a sua revolução social e global contra o modelo capitalista e a propriedade privada, alguém como o cardeal Peter Turkson (oriundo ele próprio do continente negro e presidente da Pontifícia Comissão Justiça e Paz), lançasse, e pedisse ao Pastor Supremo que também o fizesse, um firme apelo aos chefes de Estado e às diferentes entidades e personalidades do mundo inteiro em favor de uma cruzada em defesa desses católicos desvalidos.

Mas as mentes de nossos supremos dirigentes espirituais parecem estar bem distantes desta e de outras medidas visando à preservação dos nossos mais elementares valores. Cumpre neste sentido lembrar que no início do mesmo mês de outubro, durante o Sínodo dos Bispos sobre a família realizado em Roma sob os auspícios do Papa Francisco, tentou-se mudar a doutrina perene de Nosso Senhor Jesus Cristo em relação ao homossexualismo e ao adultério. Ao saber disso, um bispo africano literalmente chorou, dizendo que mal podia imaginar a dimensão do desastre que essa eventual mudança causaria nos católicos da África.

E tinha sobradas razões para chorar. Como a têm, diante da desolação suprema que grassa na Santa Igreja, todos os católicos dignos deste nome. Estes devem chorar como esse prelado africano chorou e como deveriam chorar todos os prelados, sacerdotes e religiosos diante do silêncio que paira sobre a perseguição anticatólica e o apoio que é dado a movimentos marxistas. E pedir, confiantes, a urgente intervenção a um só tempo misericordiosa e justiceira de Deus.

6 comentários para Enigmático silêncio sobre o calvário de cristãos e apoio à revolução social

  1. Maria Olivia Fumis Responder

    27 de novembro de 2014 à 10:12

    Confesso que também ando preocupada com esse silêncio da hierarquia da Igreja a respeito da perseguição aos cristãos.Mas, como creio, firmemente,que os Papas são escolhidos pelo Espírito Santo, me abstenho de comentar o que está acontecendo; prefiro intensificar as minhas orações pelo clero, pelo Papa, pela Igreja. Nossa Igreja tem Dono e cabe a Ele tomar conta dela.

  2. Nilo Fujimoto Responder

    27 de novembro de 2014 à 14:01

    Minha perplexidade aumenta cada vez mais pese eu ter assinado inúmeros pedidos de iniciativas de vários lugares para que o ocupante da Cátedra de Pedro se pronuncie a favor desses perseguidos.

  3. Lucas Janusckiewicz Coletta Responder

    27 de novembro de 2014 à 18:37

    Se os ucranianos estivessem esperado por um apoio de Francisco o PT do Putin já tinha escravizado a Ucrania novamente. E nós brasileiros vamos esperar por um copo de água de Francisco? Não, temos que seguir o 5. mandamento da lei de Deus e pegar em armas se preciso for, para proteger nossas vidas e das mulheres, idosos e crianças ou, nos tornaríamos um pigmeu diplomático como ficou o Brasil e porque não também o vaticano que deveria ser o “sal e a luz do mundo”.

  4. NEREU PEPLOW Responder

    27 de novembro de 2014 à 20:17

    Cada dia que passa esse papa me decepciona cada vez mais…. nunca vi tanto desprezo pela Igreja Católica e por sua Doutrina…

  5. Alberto Aprea Responder

    29 de novembro de 2014 à 6:00

    Viendo lo que está sucediendo dentro de la Iglesia, la pregunta sería: Hadta donde no llegará este Papa? Será que en algún momento tomará u hacha y empezará a destruir altares altares e imágenes? Peor aún:profanar en público el Santísimo? Por lo que se puede ver, va en camino.

  6. Aurelio Tasso de Miranda Responder

    4 de dezembro de 2014 à 21:07

    A própria chamada da informação responde, pelo menos parcialmente, o porquê da expressão “enigmático”. Como diz a sra. Maria Olivia Fumis, mais do que nunca intensificar nossas orações pela Santa Igreja, que passa por uma situação única em sua História. Muitos Santos a anteviram, com extrema dor. Nos foi dado vivê-la. Graças do Bom Deus e Sua Mãe Santíssima não nos faltam para suportá-la.
    Essas informações que a Agência Boa Imprensa nos passa são necessárias para vermos em sua inteireza o momento e rezarmos com mais fervor.
    Mater Mea – Fiducia Mea / Minha Mãe – Minha Confiança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *