Melhor fora que não tivesse nascido

  • Pe. David Francisquini

Ninguém põe em dúvida os enormes sofrimentos que São Paulo Apóstolo padeceu para levar a boa nova do Evangelho aos gentios por toda a região do Mediterrâneo. Assistido pelo Espírito Santo, ele alimentou a fé, esperança e caridade não somente dos prosélitos de seu tempo, mas também de todos os homens dos séculos futuros. É dele a exortação de que “a Escritura divinamente inspirada é útil para ensinar, para repreender, para corrigir, para formar na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito, apto para toda boa obra” (II Tm 3, 16).

Nessa mesma epístola São Paulo fala sobre um seu discípulo de nome Alexandre, o Latoeiro, que diante dos sofrimentos e perseguições movidos pelo Imperador Nero, o abandonou nas vias do bom combate para se tornar seu perseguidor. E mais tarde, em Roma, ainda tentou interferir no julgamento de seu antigo mestre, causando-lhe muitos males e dores. Seguindo os ensinamentos de Nosso Senhor, São Paulo não deixou de repreender o seu antigo prosélito Alexandre ao informar a Timóteo de que este latoeiro pagaria no Senhor por aqueles malefícios.

Na existência dos grandes homens, quantos são aqueles que não cumprem com o dever de justiça negando-lhes reconhecimento e ajuda; quantos iniciam essa via épica com entusiasmo, mas não perseveram por acharem demasiadamente pesada a cruz que lhes pesa sobre os ombros; quantos desses não se contentam apenas em abandonar a obra começada, mas passam a prejudicar e a perseguir aqueles que quiseram lhes fazer o bem, chamando-os para as vias do heroísmo e da santidade. O grande exemplo da História foi o de Judas Iscariotes…

Quantos Latoeiros passaram pelos caminhos de profetas, de monarcas, de guerreiros, de desbravadores e de santos! Se isso acontece em relação aos homens, ocorre igualmente com instituições como a Santa Igreja Católica e o Estado, como a História vem registrando. Tomemos o Brasil. Ninguém de boa-fé pode negar a sua grande vocação no concerto das nações, agora e para os séculos vindouros. Ao lado de muito bons brasileiros que perseguem e lutam por este ideal, quantas traições e tramas para pôr em xeque os destinos do País! Com certeza, eles também pagarão no Senhor não apenas pelo que deixaram de fazer, mas principalmente pelos malefícios causados.

Na atual quadra em que o Brasil se encontra — ainda padecendo as consequências de décadas de governos esquerdistas que se empenharam em desviá-lo de sua providencial missão, agravadas pelos males da pandemia chinesa e pela instrumentalização inescrupulosa que numerosos políticos vêm fazendo dela —, quanta indiferença, quantos não cumprem sua obrigação de filhos, quantos começam e abandonam o seu dever e, o mais infamante, quantos tramam e lutam para prejudicá-lo! Uma coisa é certa: todos pagarão junto a Deus pelo mal que promovem ou pelo bem que omitem de fazer pelo País nas vias de uma civilização cristã.

É ainda São Paulo o nosso ponto de referência, pois na sua primeira defesa ante o Tribunal Romano, todos os que teriam podido defendê-lo não o fizeram. E não ficou apenas aí. Aparece o latoeiro Alexandre para difamá-lo e acusá-lo junto àquele tribunal pagão. Guardando as devidas proporções, o Brasil se encontra numa situação semelhante, pois dentre os brasileiros que deveriam se levantar numa só voz para defendê-lo, vemos, pelo contrário, os que o perseguem buscando quebrar a moralidade nas famílias, destruir a Fé e os bons costumes.

Para nos entendermos bem, recordemos o que Josafá, Rei de Judá, disse ao estabelecer Juízes em todas as cidades do reino, recomendando e ordenando as responsabilidades que iriam exercer: “Vede o que fazeis, porque não exerceis a justiça do homem, mas sim a do Senhor; tudo o que julgardes, recairá sobre vós. O temor do Senhor esteja convosco. Fazei todas as coisas com diligência, porque no Senhor nosso Deus não há iniquidade, nem acepção de pessoas, nem cobiça de dádivas”.

Excelente conselho que nos dá o Rei de Judá no encaminhamento das causas judiciais. O Catecismo Romano da Igreja Católica alerta sobre a ideologia totalitária que defende um critério objetivo sem referência do bem e do mal, expondo assim a salvação das almas. Ressalta ainda que a missão da Igreja ao respeitar a ordem política tem como objetivo defender os direitos fundamentais do homem e o seu destino eterno. Não havendo justiça, como se cumprirá o que determina a vontade de Deus? Como haverá ordem e harmonia nas classes sociais sem a observância do ordenamento jurídico?

A Lei natural é a reta razão gravada nos corações das pessoas, que tendem a rejeitar o mal e operar o bem. Deus, ao criar o homem, criou-o para um fim supremo, eterno. Gravou em seu coração leis que se aplicam a todos os povos, em todos os lugares e em todas as épocas; leis que determinam e estabelecem a regra da justiça, ao dar a cada qual o que lhe pertence. É um direito inalienável, estabelecido pelo próprio Deus. E ai daquele que não julgar com os critérios da moral eterna! Talvez se pudesse dizer dele o que São Mateus escreveu sobre Judas: melhor fora que não tivesse nascido.

________________

* Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira (RJ).