Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Meu Senhor e meu Deus!

Páscoa da Ressurreição Pe. David Francisquini*

Pode parecer surpreendente, mas a Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo não foi disposta para ser presenciada pelo povo em geral, mas apenas por algumas testemunhas previamente escolhidas, como os apóstolos e os discípulos.

Ao contrário da Paixão de Cristo, que, como afirma Santo Tomás de Aquino, foi manifestada a todo o povo e transcorreu numa natureza passível, mortal, conhecida de todos pela lei comum, como ele descreve em sua Suma Teológica.

Como a Ressurreição se operou para glória do Pai, não convinha por isso que fosse revelada a todos, mas somente àqueles que tinham a missão de difundir a Boa Nova por toda a Terra.

Não há prova tão convincente da divindade de Jesus Cristo quanto à sua Ressurreição gloriosa três dias depois de ter padecido e morrido na Cruz. A verdade da Ressurreição — sem a qual, segundo São Paulo, nossa fé seria vã — transparece nas páginas dos Evangelhos que narram o aparecimento de Jesus Cristo a seus discípulos, falando, comendo e bebendo com eles, além de oferecer seu divino Corpo para ser tocado, bem como mostrando o sinal dos cravos.

Os discípulos ficaram reluzentes de alegria e júbilo incontido. Não lhes restavam dúvidas de que Cristo ressurgira dos mortos. Mais ainda. Pode-se dizer que a Ressurreição foi gloriosa, pois Cristo não quis conviver com os seus fiéis discípulos como outrora, mas aparecendo-lhes de quando em quando, para não dar a entender que seu corpo era mortal, mas um corpo imortal.

Nisso, a verdade da Ressurreição apresenta um esplendor que nos confirma na fé e na esperança de podermos contemplar Jesus Cristo um dia no Céu. Na verdade, ao ressuscitar impassível, glorioso e com frequentes aparições, Ele quis certificar os seus discípulos dessa verdade sublime.

Cristo teve o cuidado minucioso de não induzi-los ao erro, acreditando que vivia como antes. Para isso aparecia-lhes de quando em quando, de maneira surpreendente e inusitada, pondo-se de repente entre eles estando fechadas as portas, ou então desaparecendo igualmente a seus olhos.

A psicologia do Salvador e a sua divina capacidade de ensinar tornaram sua didática muitíssimo superior à nossa, respeitando, contudo, o processo humano de aprendizado. Com efeito, Cristo procura ensinar seus fiéis discípulos a se guiarem pela fé, pela razão, pelo raciocínio, pela lógica, pela disciplina e pela coerência, constituindo uma verdadeira escola de formação.

Ele quis gravar em seus corações a verdade de que é verdadeiro Deus e Salvador do mundo. Não estabeleceu a escola das aparências, dos sentimentos, do ver para crer. Quis e quer assentar os alicerces da verdadeira doutrina, o luzeiro que enxota as trevas do paganismo.

Uma palavra surpreendente repreendeu Tomé, que havia dito que só acreditaria se tocasse a mão no lado e o dedo nas chagas do Mestre, ensinando com isso a todos os seus irmãos na fé. De fato, Jesus surge entre eles e manda Tomé tocar seu divino lado e suas chagas gloriosas. Tomé as toca e, em seguida, faz a sua profissão de fé exclamando: “Meu Senhor e meu Deus!”.

Páscoa da Ressurreição Jesus, por sua vez diz: “Tu, Tomé, creste porque viste. Bem-aventurados aqueles que não viram e creram”. Nosso Senhor ressalta a fé ao destacar a doutrina por meio do tato, o último dos sentidos do homem… Afinal, Tomé não havia acreditado em seus companheiros que lhe haviam dado a boa-nova da ressurreição de Cristo.

Somente no domingo, no mesmo dia da Ressurreição, Cristo apareceu cinco vezes, como narram os Santos Evangelhos: primeiramente, às santas mulheres no Santo Sepulcro; depois, ainda a elas, quando voltavam do Sepulcro; outra vez a Pedro; uma quarta vez aos discípulos de Emaús, e, por fim, a vários discípulos reunidos no Cenáculo, sendo que Tomé não se encontrava entre eles.

Antes de sua gloriosa Ascensão ao Céu, Nosso Senhor apareceu várias vezes a seus discípulos, inclusive a Tomé [pintura ao lado], que estava com eles, no Mar de Tiberíades e no monte da Galileia, para lhes indicar que Aquele mesmo Cristo que fora crucificado e tratado duramente pelo ódio lhes aparecera.

A escola de formação fundada por Jesus Cristo ficou gravada profunda e perenemente nas almas de seus discípulos, dando-lhes a esperança da vitória de Cristo na Terra, conquistando-a para o reino de Deus. Não há um lugar nesse Vale de Lágrimas onde não se tenha noção de que a Igreja Católica é a Igreja fundada por Jesus Cristo, a Arca da Aliança e Porta do Céu, que convida a todos a tomarem parte d’Ela.

Tal escola nunca foi, não é, jamais será a desse ecumenismo pós-conciliar banal, que confirma as pessoas no erro. Ao ressuscitar, Nosso Senhor disse a seus discípulos: “Ide por toda parte e pregai o Evangelho; quem crer e for batizado, será salvo, e quem não crer será condenado”. Portanto, a Ressurreição de Cristo vem manifestar a divindade e a indefectibilidade da Santa Igreja, fora da qual não há salvação.

No ato de fidelidade dos Apóstolos e dos discípulos do Senhor se assentam os fundamentos da Civilização Cristã na Terra. O esplendor e a grandeza dessa civilização, hoje quase em ruínas, conheceram o seu auge de glória na Idade Média. Outra civilização — mais esplendorosa, mais majestosa, mais hierárquica —, dar-se-á contudo com o Reino de Maria, profetizado em Fátima: “Por fim o meu Imaculado Coração triunfará.”

____________

(*) Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria – Cardoso Moreira (RJ).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *