Milícia russa na América do Sul

Quatrocentos membros da Milícia Wagner desembarcaram na Venezuela para proteger o ditador Nicolás Maduro. O chefe dessa milícia russa, Dmitri Utkin, foi condecorado pelo presidente Putin. Sua tropa irregular, tida como o “exército secreto privado” do chefe do Kremlin, poderá se especializar na guerra de selva e animar uma guerrilha ecoindigenista (leia-se comunista) na região amazônica. A “defesa dos índios”, suas “culturas” e reservas, potenciada pelo Sínodo da Amazônia, poderá ser o pretexto barato para incendiar o continente, como sonharam Fidel Castro e Guevara.

2 comentários para "Milícia russa na América do Sul"

  1. Martin Jorge Viano   18 de junho de 2019 at 12:30

    Imploremos la proteccion de Nuestra Senora de Coromoto; patrona de Venezuela: NUESTRA SENORA DE COROMOTO; DE LA MISERICORDIA INVENCIBLE; DADNOS LA GRACIA DE RECURRIR CONTINIUAMENTE A VOS.

  2. MARIO HECKSHER   18 de junho de 2019 at 14:12

    O ditador Putin lança suas garras afiadas contra a América Latina, histórico objetivo estratégico da Rússia imperialista.