Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

MST: da invasão à sacristia, e da sacristia ao Vaticano

Blog GPS do Agronegócio

"Nós marxistas com o Papa para parar o diabo" Il Fatto Quotidiano, Roma, 3.11.2014

“Nós marxistas com o Papa a fim de parar o diabo”

Il Fatto Quotidiano, Roma, 3.11.2014

O MST é uma organização fundamental do Brasil … no primeiro plano da organização dos agricultores.Stedile é o seu dirigente mais importante.

Marxista ligado à história da teologia da libertação, ele foi um dos organizadores do Encontro Mundial de Movimentos Populares que ocorreu no Vaticano, quando sugeriu a canonização de “Santo Antônio… Gramsci”.

Segundo o jornal, o MST conta com 1,5 milhão de membros. Na Itália, antes do encontro no Vaticano, ele fez uma turnê de encontros apresentando o livro La lunga marcia dei senza terra (EMI Edizioni).

No sábado à tarde, foi visitar a Rimaflow, em Trezzano sul Naviglio, a fábrica recuperada que Stedile, diante de 300 pessoas, batizou como “embaixadora dos Sem-Terra em Milão”.

Pergunta: – Como nasceu o encontro no Vaticano?
Mantemos relações com os movimentos sociais da Argentina, amigos de Francisco, com quem começamos a trabalhar no encontro mundial. Assim, reunimos 100 dirigentes populares de todo o mundo, sem confissões religiosas. A maioria não era católica. Um encontro muito proveitoso.

 

Ensino para combater o capital financeiro, bancos e multinacionais, ou “o diabo” nas escolas do MST  (publicado por O Estado de S.Paulo, 21-09-2000)

Ensino para combater o capital financeiro, bancos
e multinacionais, ou “o diabo” nas escolas do MST
(publicado por O Estado de S.Paulo, 21-9-2000)

Pergunta: – O senhor é de formação marxista. Qual a sua opinião sobre o papa e a iniciativa vaticana?
– O papa deu uma grande contribuição, com um documento irrepreensível, mais à esquerda do que muitos de nós. Porque afirmou questões de princípio importantes como a reforma agrária, que não é só um problema econômico e político, mas também moral.

Ele condenou a grande propriedade. O importante é a simbologia: em 2.000 anos, nenhum papa jamais organizou uma reunião desse tipo.

Pergunta: O senhor foi um dos promotores dos Fóruns Sociais. Há uma substituição simbólica por parte do Vaticano em relação à esquerda?
 … Eu não acho que há sobreposição, mas complementaridade. Em todo caso, assumo a autocrítica, como promotor do Fórum Social, do seu esgotamento e da sua incapacidade de criar uma assembleia mundial dos movimentos sociais.

Do encontro com Francisco, nascem duas iniciativas:

1) formar um espaço de diálogo permanente com o Vaticano e, independentemente da Igreja, mas aproveitando a reunião de Roma,

2) construir no futuro um espaço internacional dos movimentos do mundo.

 

Pergunta: para fazer o quê?
 Para combater o capital financeiro, os bancos, as grandes multinacionais. Os “inimigos do povo” são esses. Como diria o papa, esse é o diabo.

 

João Pedro Stedile fez o discurso de encerramento do encontro de Movimentos Populares no Vaticano.

João Pedro Stedile fez o discurso de encerramento do encontro de Movimentos Populares no Vaticano.

Pergunta: Qual é a situação do Movimento dos Sem Terra hoje?
A nossa ideia, no início, era a de realizar o sonho de todo agricultor do século XX: a terra para todos, bater o latifúndio.

Mas o capitalismo mudou, a concentração da terra também significa concentração das tecnologias, da produção, das sementes. É inútil ocupar as terras se, depois, produzirem transgênicos.Não é mais suficiente repartir a terra, mas é preciso uma alimentação para todos, e uma alimentação sadia e de qualidade.

Hoje visamos a uma reforma agrária integral, e a nossa luta diz respeito a todos.

Por isso, é precisou uma ampla aliança com os operários, os consumidores e também com a Igreja.

Somos aliados de qualquer pessoa que deseje a mudança.

__________________

(Fonte: jornal Il Fatto Quotidiano 3.11.2014. Resumo do Blog GPS do Agronegócio)

1 comentário para MST: da invasão à sacristia, e da sacristia ao Vaticano

  1. ely Responder

    2 de fevereiro de 2016 à 9:21

    Tudo que é marxista não é bom principalmente quando há exageros em desfavor da sociedade. O fato do Papa ter recebido e se o mesmo coaduna com essa ” liberdade” de invadir, desmoraliza assim a lei civil-Estado ainda mais quando o MST não é nenhuma instituição católica e sendo assim, embora todos sejam filhos ( bons e maus), deve o líder religioso cuidar apenas das coisas que dizem respeito a Bíblia e o Código Canônico e deixar as coisas civis para o Estado pois este quer massacrar a Igreja Católica e não mede esforços para tal. Buscai primeiro as coisas de Deus, conforme diz o 1º Mandamento e o restante será acrescentado. Na Palavra diz ” Nem só de pão vive o homem”. Espiritual- Igreja Católica; material – coisas do Estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *