Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Na Jornada Mundial da Juventude, paródia sacrílega da Anunciação

Anunciação
Qual dessas representações (esta acima ou a imagem abaixo) da Anunciação glorifica mais a puríssima Mãe de Deus?

Luis Sérgio Solimeo

Um espetáculo que não se pode deixar de qualificar como sacrílego realizou-se no dia 27 de janeiro em presença do Papa Francisco, durante a Jornada Mundial da Juventude no Panamá.1 Os atores ridicularizaram o mistério da Anunciação e trataram Nossa Senhora com grande irreverência. Apesar disso, no final da apresentação, o Papa aplaudiu e deu a sua aprovação.22

         Nessa peça burlesca, a Virgem Santíssima é apresentada como “uma jovem normal, uma jovem de hoje”, como a definiu recentemente o Papa Francisco.3 A jovem que interpretou Nossa Senhora usava tênis, calça masculina ajustada e uma blusa folgada de cor azul claro. Sua cabeça estava descoberta, e seu celular à vista. O “anjo Gabriel” foi interpretado por um rapaz com calça, camisa e chapéu brancos, tendo um par de pequenas asas preso às costas.

Qual dessas representações (esta ou a imagem no alto do artigo) da Anunciação glorifica mais a puríssima Mãe de Deus?

         Em uma paródia da Anunciação, o “anjo” diz a “Maria” que ela se tornará mãe por obra do Espírito Santo. Ela se mostra nervosa, quase histérica, e diz que ainda não está casada com José, não está pronta, tem que ir à universidade, tem medo etc. O “anjo” trata de convencê-la, e lhe diz que deveria regozijar-se. Cada vez mais nervosa, ela responde que não pode regozijar-se: “Que dirá José? Que pensará sua mãe quando souber? E os vizinhos?”

         Então a mulher começa a cantar que tem medo, se sente despreparada, e outras coisas. O “anjo” a toma pelas mãos, dizendo que ela é a eleita, e ambos começam a dançar. Outras “anjas” bailarinas, descalças, entram rodopiando, com vestes flutuantes, como em qualquer espetáculo teatral obsceno.

         Em seguida, “Gabriel” e as “anjas” bailarinas põem uns óculos carnavalescos, e todos dançam em ronda, cantando em termos semelhantes aos das Escrituras. “Maria” continua a dizer que tem medo, mas logo começa a cantar as palavras do Evangelho, sempre em ritmo pop: “Faça-se a tua vontade”. Em meio a risos, ela toma seu celular e faz uma selfie com “Gabriel”. Outras duas moças sobem ao palco, e dizem que o resto da história é bem conhecido: Jesus veio a nós e nos deu seus ensinamentos.

         Entra depois no palco um time de futebol, representando os 12 Apóstolos, declamando e cantando que têm medo de evangelizar, porque serão perseguidos. Surge então um grupo de “policiais”, e os “apóstolos” fogem. Os “policiais” começam a cantar e bailar loucamente, e depois se vão.

         Os “apóstolos” regressam ao cenário e continuam a cantar e dançar em coreografia, repetindo sempre: “Tenho medo”. Depois de algum tempo dançando e cantando, “Maria” se aproxima deles, segura suas mãos e diz que já falou com “Gabriel”, e tudo funcionará.

         Logo se ouve uma voz forte pelos altofalantes: “Recebe o Espírito Santo, não tenhas medo, regozija-te, e vai evangelizar”. Todos então se ajoelham, levantam-se e começam a cantar junto com as bailarinas “anjas” e “Gabriel”. Em seguida uma dança louca e uma canção, da qual participa “Maria”.

         Quando terminou a paródia sacrílega da Anunciação e Pentecostes, o Papa Francisco fez um gesto de aprovação entusiástica. Depois se levantou e saudou efusivamente os dois atores principais. Se já é extremamente grave a própria presença do Papa em uma apresentação sacrílega como essa, tanto mais sua manifestação de apoio irrestrito.

Encenação da doutrina do Papa Francisco

         Essa paródia parece ilustrar a doutrina do Papa sobre a Santíssima Virgem Maria. Com efeito, há declarações dele sobre Maria Santíssima que contradizem tudo o que veneramos e encontramos nos Evangelhos, na Tradição e no Magistério da Igreja, bem como no sentimento dos fiéis. Recentemente assinalou que Maria “não nasceu santa”, negando implicitamente o dogma da Imaculada Conceição.4 Suas concepções sobre Nossa Senhora estão resumidas em seu livro-entrevista, ao jornal italiano “Corriere della Sera”:

         “[Uma] jovem normal, uma jovem de hoje… normal, normalmente educada, disposta a se casar, a ter uma família. […] Logo depois de conceber a Jesus, [ela] era ainda uma mulher normal. […] Nada foi excepcional em sua vida, [ela era] uma mãe normal: inclusive em seu matrimônio virginal, casta nesse sinal de virgindade, Maria era normal. Ela trabalhou, fez compras, ajudou a seu Filho, e auxiliou seu esposo. Normal”.5

Bem o contrário de tudo isso é o que nos diz o Papa Pio XII, de saudosa memória, na encíclica Ad Cœli Reginam, de 11 de outubro de 1954, na qual estabelece a festa da Realeza da Santíssima Virgem Maria:

         “Desde os primeiros tempos os cristãos creram, e não sem razão, que Ela, de quem nasceu o Filho do Altíssimo, recebeu privilégios de graça sobre todos os demais seres criados por Deus. […] E quando os cristãos refletiram sobre a conexão íntima que existe entre uma mãe e um filho, reconheceram facilmente a suprema dignidade real da Mãe de Deus”.6

Nada é mais caro ao coração católico do que a honra da Mãe de Deus, a Amada Filha do Padre Eterno, a Admirável Mãe do Filho de Deus, e a Esposa Fidelíssima do Espírito Santo. O fato de o Papa Francisco tratar de maneira simplista e confusa os temas mais delicados e complexos não elimina, antes aumenta o dano que suas declarações fazem às almas, como as que se referem a Nossa Senhora. Sua maneira confusa, improvisada e contraditória de falar é incompatível com o ensinamento verdadeiro, claro e lógico da Igreja, e com a missão do Papa de confirmar os irmãos na Fé.7

         Ao expressar a nossa indignação pela ofensa feita à Virgem Maria, nossa Mãe Santíssima, nessa paródia teatral da Anunciação e de Pentecostes, apresentada diante do Sumo Pontífice e com o apoio dele, sugerimos a todos os leitores que façam atos de reparação por esse evento.

________________________
Notas:
  1. “O sacrilégio é, em geral, a violação ou o tratamento injurioso de um objeto sagrado. Num sentido menos apropriado, qualquer transgressão contra a virtude da religião seria um sacrilégio”. – J. Delany, s.v. “Sacrilege”, The Catholic Encyclopedia, (New York: Robert Appleton Company, 1912). http://www.newadvent.org/cathen/13321a.htm.
  2. YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=PqMAmHuufLI (9:33 minutos do vídeo).
  3. Papa Francesco: “La Chiesa è popolo, l’élite il peccato”, “Corriere della Sera”, 7-10-18, https://www.corriere.it/cronache/18_ottobre_07/papa-francesco-chiesa-popolo-elite-peccato-2ab8a8ce-ca64-11e8-8417-701d201b7018.shtml. Ver também, Luiz Sérgio Solimeo, “Papa Francisco: o ‘pecado da elite’ e a nova mariologia igualitária” http://www.abim.inf.br/a-nova-mariologia-igualitaria-do-papa-francisco/#.XF7eV1xKiUk
  4. No dia 21-12-18, o Papa Francisco declara aos empregados do Vaticano: Então, quem está feliz no presépio? Nossa Senhora e São José estão cheios de júbilo: olham para o Menino Jesus e sentem-se felizes porque, depois de numerosas preocupações, acolheram esta Prenda de Deus, com tanta fé e tanto amor. ‘Transbordam’ de santidade e, por conseguinte, de alegria. E vós me direis: claro! São Nossa Senhora e São José! Sim, mas não pensemos que foi fácil para eles: não nascemos santos, tornamo-nos, e isto é válido também para eles”. http://w2.vatican.va/content/francesco/es/speeches/2018/december/documents/papa-francesco_20181221_dipendenti-vaticani.html.
  5. Papa Francesco: “La Chiesa è popolo, l’élite il peccato,” Corriere della Sera, Oct. 7, 2018, https://www.corriere.it/cronache/18_ottobre_07/papa-francesco-chiesa-popolo-elite-peccato-2ab8a8ce-ca64-11e8-8417-701d201b7018.shtml. Ver também, Luiz Sérgio Solimeo, artigo citado.
  6. Pio XII, Encíclica Sobre a Realeza da Santíssima Virgem Maria, nº 8, http://w2.vatican.va/content/pius-xii/es/encyclicals/documents/hf_p-xii_enc_11101954_ad-caeli-reginam.html.
  7. “Confirma teus irmãos na fé” (Lc 22, 32).

3 comentários para Na Jornada Mundial da Juventude, paródia sacrílega da Anunciação

  1. José Antonio Rocha Responder

    3 de março de 2019 à 22:36

    Não tenhamos medo. Os escravos de satanás não vencerão. Deus é mais forte que todo o mal. Jesus Cristo venceu o mundo, a morte e o pecado. O imaculado coração da Virgem Maria triunfará. Os “Borgias” ainda estão por aí.

  2. Tadeu Giatti Responder

    4 de março de 2019 à 16:50

    Rezo e muito para que Bergóglio se converta a tempo. Ele está implantando o “Novo paradigma” anticristão e ateu (!!!!) no seio da Igreja Católica. Temos um novo anti-papa? Seus “ensinamentos” tingidos de heresia sobre Maria SSma., sua negação peremptória em ajoelhar-se junto ao SSmo. Sacramento, seu louvor e admiração ao heresiarca e maldito Martinho Lutero, em 2017, tudo isso me leva a perguntar: estamos diante de um novo anti-papa??? Até quando os céus terão paciência com tal homem que blasfema e vocifera contra os ensinamentos que deveria, como “papa” defender e propagar???

  3. Luiz Guilherme Winther de Castro Responder

    5 de março de 2019 à 13:42

    A Igreja sempre precisa rever conceitos, regras e ideias. Eu concordo! Afinal, a humanidade evolui constantemente, tanto para o mal como para o bem. Mas, a base da doutrina e os ensinamentos de Jesus Cristo não podem ser desvirtuados ao alvedrio seja lá de quem for. Se o Papa, que tem a infalibilidade designada por Jesus Cristo em assuntos de fé, de doutrina católica, envereda por caminhos tortuosos, destoa aos ouvidos dos católicos, em quem nos apegaremos?

Deixe uma resposta para Tadeu Giatti Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *