Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

No verão, terno e gravata?

Leo Daniele

 “O hábito não faz o monge, mas ajuda”.

Em uma página dupla do Jornal do Advogado, da OAB de São Paulo (Fevereiro/2014), há uma interessante secção de debates. A questão a ser debatida constitui o título da folha dupla NÃO, para o leitor escolher. Sem “mais ou menos”, nem “em termos”, nem “vamos ver…” Este SIM e este NÃO assinalam que quem está na página da esquerda deve defender o sim, ao contrário de quem está na pagina à direita.

O ponto controverso no mês de fevereiro foi: “No verão, o advogado deve ser liberado do terno em audiência?” É um assunto que a todos interessa.

Vejo no SIM a seguinte resposta à pergunta inicial:

A utilização de terno e gravata em nossa profissão representa um modelo ultrapassado e incoerente com um país alegre e tropical, cujo verão nos maltrata cada vez mais”. É a opinião do advogado e doutorando em Direito Processual Civil Gustavo Gonçalves Gomes, no referido Jornal do Advogado.

Com suas cores, a gravata é a derradeira peça alegre do vestuário masculino moderno! Ou tem outra?

Registro a opinião de Gustavo G. Gomes de que “a gravata é um acessório típico dos países frios europeus e foi criada para proteger nosso corpo do vento e das baixas temperaturas”. Data vênia, não me parece de boa observação.

 À direita, os argumentos aos cuidados de José de Ávila Cruz, advogado e presidente da comissão de resgate da memória, da OAB-SP. O mestre vai direto ao ponto: “Segundo vetusto costume, o advogado traja indumentária própria, compatível com a solenidade de propugnar por justiça”. E vai mais longe, defendendo também o uso da toga e vestes talares, quando cabe.

A tradição ocupa papel decisivo no debate. “Não há de se confundir tradição com passadismo; tradição é palavra oriunda do latim traditionis (entrega), do verbo tradere que significa entregar. Trata-se da transmissão de conhecimentos de antepassados aos novos, para atingir a perfeição. Seria um atraso se um engenheiro, para fabricar avião, voltasse à estaca zero, iniciando pelo 14 BIS de Santos Dumont [..] Por isso, diz-se que sem tradição inexiste o progresso”.

Voltando à questão do traje, afirma a respeito Plinio Corrêa de Oliveira. “É da ordem natural das coisas que o homem espelhe sua alma na fisionomia, na voz, na atitude, nos movimentos. E como o traje deve revestir o corpo humano, é natural que o homem se sirva também dele como elemento de expressão. Tanto mais quanto o traje a isto se presta eximiamente”.

“Ora, faz parte da ordem natural das coisas a necessidade de expressão da alma.  É uma consequência imperiosa do instinto de sociabilidade, que o homem espelhe sua alma na fisionomia, na voz, na atitude, nos movimentos. E como o traje deve revestir o corpo humano, é natural que o homem se sirva também dele como elemento de expressão. Tanto mais quanto o traje a isto se presta eximiamente”. (Plinio Corrêa de Oliveira, revista Catolicismo, fevereiro/1956)

O advogado partidário do NÃO assim se expressa: “O hábito não faz o monge, é certo, mas o monge sem hábito não é tão monge assim”. O que é verdadeiro, e o povinho apregoa de seguinte maneira: “O hábito não faz o monge, mas ajuda”.

1 comentário para No verão, terno e gravata?

  1. Marcos Costa Responder

    9 de abril de 2014 à 13:06

    Muito oportuna a discussao sobre o paleto e a gravata para advogados.
    Perguntar nao ofende, eu queria saber desse advogado, Dr Gustavo Gomes, que afirma ser o paleto e a gravata oriundos dos paises frios … o que ele me diz do Jeans? O Jeans nasceu nos EUA para trabalhos pesados, resistente ao uso diario. Será que se o advogado usar Jeans nao é tambem usar um costume de um pais do Norte?
    Por fim eu pergunto, vamos fazer o teste. Um advogado de “Jeans” e um advogado de “paleto e gravata”. A quem o cliente daria preferencia?
    Quem sabe se o Dr Gustavo Gomes seria tambem partidario de abolir o titulo de “doutor” (superfluo é claro) para os advogados? Afinal, no Advogado o que vale é o interior, para quê título de “doutor”?
    O homem de personalidade nao gosta da contradicao. E se veste de acordo com sua profissao. Usa o traje adequado e o titulo de doutor.
    Machado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *