Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Noite bendita, de encanto e de luz


Noite bendita, de encanto e de luz
♦  Pe. David Francisquini *

Não obstante o movimento dos fiéis de um lado para outro, a fim de se purificarem no tribunal da Confissão, o silêncio e o recolhimento no ambiente da igreja paroquial refletem muita paz e tranquilidade. Alguns se prostram diante do grande Presépio para rememorar a magna data do nascimento do Redentor, outros visitam o Santíssimo Sacramento, pois Deus está ali, presente no sacrário. Enfim, todos se preparam para a Missa de Natal, a “Missa do Galo”.

Durante o longo e terrível cativeiro de Babilônia, no qual os judeus ficaram afastados de sua tão afeiçoada pátria e, sobretudo, do altar, por muito tempo não se ofereciam mais sacrifícios, pois desaparecera o fogo do lugar onde o haviam ocultado. Neemias implora então a Deus, atrai o fogo do Céu e a vítima é consumida em sacrifício pelos pecados do seu povo.

O Natal poderia ser chamado, na expressão de Santo Afonso Maria de Ligório, a festa do fogo. Nosso Mestre e Senhor Jesus resplandece com a intensa luz do seu divino amor, pois veio trazer o fogo à Terra, e seu desejo é que se inflame. Não há lugar mais distante em Israel em que seu nome não fosse repetido e reconhecido. A religião fundada com o Sangue divino difundiu-se por todos os cantos da Terra.

Antes de sua vinda, os homens adoravam os animais, o sol, as criaturas brutas. Eles não conseguiam compreender um Deus oculto e invisível, eterno e transcendente, criador do Céu e da Terra. Amavam as criaturas que viam, e não um Deus que não viam.

Menino JesusQuis Deus então tornar-se uma criança encantadora e terna, e reluzir em seu presépio com uma formosura inigualável o reflexo mais perfeito da criação. Deus tornou-se homem de inefável candura e esmero. Por obra do Espírito Santo, sua Mãe Santíssima nos trouxe visivelmente um Deus. Razão suficiente para os fiéis em suas casas prepararem presépios para lembrar o Natal de Jesus Cristo.

Será que todos procuram preparar também seus corações com uma boa confissão, a fim de que o Menino Jesus possa ali nascer e repousar? Quantos são os que passam a noite de Natal pensando e comentando o tempo da infância, bafejado pela graça primaveril do Santo Natal? Quantos ainda comentam as graças que pairavam nos ambientes natalinos? E a comunhão com piedade e devoção naquele dia, questão de honra para um cristão? As igrejas ficavam repletas de fiéis para comemorar o Santo Natal de Jesus Cristo. Depois da Missa do Galo, voltavam todos para suas respectivas casas para a ceia natalina.

Adão, pelo pecado de desobediência e soberba, privou para si e para os seus descendentes não apenas o paraíso terrestre, mas também o paraíso celeste. Ele que convivia com Deus na aragem das tardes, uma vez que a delícia do Pai é o convívio com os filhos. De um lado, competia à Justiça divina punir os nossos primeiros pais pelo imenso pecado cometido. De outro, fazer uso de sua infinita Misericórdia.A Justiça pede o castigo, afinal, um Deus infinito foi ofendido. A Misericórdia, contudo, se sentiria derrotada caso o homem não fosse perdoado. Questão insolúvel? Não.

Deus decide que, para redimir o homem, Alguém inocente deveria padecer a pena de morte na qual a humanidade incorrera. Como nenhuma criatura fosse capaz de oferecer uma morte condigna para absolver pena infinita, o Filho de Deus se ofereceu como Vítima. Santo Afonso ensina sobre Jesus Cristo: “Meu Pai, uma pura criatura, um anjo, não poderia oferecer a vós, majestade infinita, uma digna satisfação pela ofensa do homem.[…] Eu vosso unigênito Filho, encarregar-me-ei de resgatar o homem perdido, descerei à Terra, tomarei um corpo humano, morrerei para pagar a pena que ele deve à vossa Justiça; essa será assim plenamente satisfeita e os homens se persuadirão do nosso amor”.

Santo Afonso põe ainda nos lábios de Jesus, dizendo sobre o Divino Infante: “Meu Pai, já que os homens não podem aplacar a sua Justiça por suas obras, nem por seus sacrifícios, eis-me aqui, o vosso Filho Unigênito, revestido da carne humana, e pronto a expiar as faltas humanas, por meus sofrimentos e por minha morte.” Assim o faz falar São Paulo: “entrando no mundo não quiseste ser hóstia, nem oblação, mas me formaste um corpo […] e eu disse: eis-me que venho […] para fazer, ó Deus, a tua vontade” (Hb, 10, 5).

No Credo cantamos et incarnatus est de Spiritu Sancto. Por que se atribui a encarnação do Verbo ao Espirito Santo? Todas as obras “ad extra” pertencem às três Pessoas da Santíssima Trindade, como defendem os teólogos, pois têm por objeto as criaturas. São Tomás de Aquino pergunta por que é atribuído só ao Espírito Santo, e dá a razão.

Ele diz que todas as obras do amor divino são atribuídas ao Espírito Santo, que é o amor substancial do Pai e do Filho; ora, a obra da encarnação é o efeito do puro amor de Deus pelo homem, o grande amor de Deus para conosco. “O Verbo eterno veio ao mundo principalmente para que o homem soubesse quanto Deus o ama; jamais Deus fez resplandecer aos olhos dos homens a sua adorável caridade, como quanto se fez homem”.

Nessa noite bendita, de encanto e de luz, de inocência e de candura, de beleza e de esplendor, Jesus é o fogo, a chama que de tal forma incendeia os nossos corações de amor, que nem todas as águas dos rios poderiam apagá-la. Apesar do rebaixamento no qual o Menino Deus quis nascer, não há criatura capaz de exaltar a sublimidade e a perfeição de seu amor para conosco.

Quanto mais esse Deus se humilhou fazendo-se homem para nos salvar, tanto mais tornou conhecida e exaltada a grandeza de sua bondade e de seu amor, levando- nos a amá-Lo com denodo e ternura.

____________

(*) Sacerdote da Igreja do Imaculado Coração de Maria (RJ).

 

1 comentário para Noite bendita, de encanto e de luz

  1. Marcos Machado Responder

    25 de dezembro de 2018 à 20:08

    Muito confortador ver um sacerdote de Fé comentando o Santo Natal.
    Com profundidade teológica e citações da Escritura nos traz esse artigo os elementos para refletir e até de alguma maneira saborear o clima angelico do Santo Natal. Marcos Machado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *