Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Nossa Senhora das Graças e a Medalha Milagrosa — Bastidores de uma História

Antonio Augusto Borelli Machado

Medalha Milagrosa

Intransigência dos Santos: fidelidade inarredável à sua missão

A firmeza inquebrantável de Santa Catarina Labouré na defesa do verdadeiro simbolismo da Medalha Milagrosa

Fonte: Revista Catolicismo, nº 515, novembro/1993

O ciclo anual das festas litúrgicas nos traz, neste mês de novembro, no dia 27, a comemoração de Nossa Senhora da Medalha Milagrosa.

Na oportunidade de cada festa, a Igreja Católica sabe oferecer à consideração dos fiéis aspectos novos e antigos, que alimentam as almas, renovando nelas a fé, a esperança e a caridade, e todas as virtudes.

Medalha MilagrosaInspirado no exemplo da Igreja, Catolicismo apresenta hoje a seus leitores aspectos pouco conhecidos das admiráveis revelações da Medalha Milagrosa, com que foi favorecida Santa Catarina Labouré [imagem ao lado].

Decorridos 163 anos dessas aparições e 117 anos após a morte da santa, não há inconveniente em revelar, com o devido respeito, a luta de bastidores que a vidente teve que travar, a fim de que fossem acatadas fielmente as orientações de Nossa Senhora a respeito dessa Medalha.

Essa fidelidade e firmeza de Santa Catarina Labouré revelarão a muitos leitores a verdadeira fisionomia da santidade, que só se pode encontrar na Igreja Católica.

*       *       *

Conforme os tempos e os lugares, formam-se, em meio ao povo fiel, noções correntes sobre o que seja a santidade, que nem sempre correspondem à concepção autêntica da Igreja.

Certa escola de espiritualidade, que concedia uma prioridade exagerada à doçura, à bondade e à tolerância em detrimento da fortaleza, da combatividade e das virtudes austeras, começou a inculcar seus princípios em fins do século XVIII, em plena fermentação da Revolução Francesa. Ela se opunha assim –– caindo no excesso oposto –– ao azedume e ao rigorismo moral mal entendido que, por obra do jansenismo, contaminara incontáveis ambientes católicos, inclusive, alguns deles, avessos doutrinariamente a essa perniciosa heresia.

Tal escola encontrou o caldo de cultura propício para a sua proliferação com o advento do romantismo, logo no início do século XIX, e estendeu suas vagas dominadoras até quase nossos dias, quando, por seu turno, como fruto para muitos inesperado do Concílio Vaticano II, uma onda de dessacralização começou a varrer a Igreja.

Não é propósito deste artigo tratar nem dos resquícios de jansenismo, hoje quase extintos nas manifestações da piedade católica, nem, muito menos, do tema –– entretanto quão atual! –– da tormenta pós-conciliar, que provocou amargurados comentários do próprio Paulo VI, o Pontífice que levou a termo e promulgou, com sua autoridade, os documentos do Concílio Vaticano II.(1)

Tomemos, sim, como objeto de nossas reflexões aquela devoção sentimental e romântica que caracterizou o tipo de mentalidade acima referido e cujos representantes sobrevivem como náufragos pairando sobre as águas, na onda dessacralizante e avassaladora de nossos dias.

Se esses católicos remanescentes de outras eras –– não tão poucos, ao contrário do que geralmente se pensa –– souberem corrigir sua visão destorcida da piedade, ainda poderão colocar em ação os remédios eficazes para enfrentar e vencer os males da atual crise na Igreja e na Cristandade.

Medalha Milagrosa

Verso e reverso da Medalha Milagrosa. Jaculatória: “Ó Maria concebida sem pecado original, rogai por nós que recorremos a Vós”

Santa Catarina Labouré e as admiráveis revelações da Medalha Milagrosa são temas que Catolicismo tem repetidamente tratado.(2)

A espiritualidade dulçurosa que desejamos por em foco imagina que, exclusivamente por sua mansidão e sem nenhuma forma de energia e de combatividade, os santos conquistam os corações, são por todos compreendidos, reconhecidos como tais em vida e, mal expiram, desde o leito de morte os cercam a veneração e o culto dos que com eles conviviam.

Com a vidente da Medalha Milagrosa houve muito disso. Porém, não apenas isso. Os exemplos de sua vida, e o que se seguiu após sua morte, mostram uma e outra coisa.

 

Missão contrariada

Pe. Jean-Marie Aladel

Pe. Jean-Marie Aladel

Santa Catarina Labouré foi contrariada desde os primórdios de sua vida religiosa pelo Pe. João Maria Aladel [imagem ao lado], confessor do noviciado das Filhas da Caridade, a quem a santa confiara a mensagem que recebera de Nossa Senhora.

Prevendo isto, a Mãe de Deus –– ­Rainha dos Profetas –– já desde a primeira aparição orientara a então noviça Catarina Labouré sobre como conduzir-se em relação ao seu diretor espiritual: “Sereis contrariada. Mas recebereis a graça. Não tenhais medo… Dizei tudo com confiança e simplicidade. Tende confiança. Não temais”.(3)

Essa aparição se deu na noite de 18 para 19 de julho de 1830, festa litúrgica de São Vicente de Paulo.

Quatro meses mais tarde, no dia 27 de novembro, Nossa Senhora aparece novamente, mostrando-lhe o modelo de uma medalha que ela deveria mandar cunhar, e que seria o veículo de incontáveis graças. A Mãe de Deus a fez “compreender quanto era agradável rezar a Nossa Senhora, e como Ela era generosa para com as pessoas que rezassem a Ela. Quantas graças Ela concedia às pessoas que lhas pedissem, e que alegria ela sen­tia ao concedê-las”. (4)

O Pe. Aladel recebeu este novo relato da noviça com indisfarçado mau humor: “Pura ilusão! Se quereis honrar a Nossa Senhora, imitai as suas virtudes, e precavei-vos contra a imaginação!”.(5)

Depois de muitas insistências da vidente, e sobretudo impressionado com o cumprimento das profecias que ela lhe comunicara sobre a revolução de julho de 1830, o Pe. Aladel resolveu abrir-se com seu superior (Pe. Etienne), e ambos, na primeira oportunidade, obtêm do Arcebispo de Paris autorização para cunhar a medalha.

Verso e reverso de uma das primeiras Medalhas Milagrosas, obra do joalheiro parisiense Aureliano Vachette

Verso e reverso de uma das primeiras Medalhas Milagrosas, obra do joalheiro parisiense Aureliano Vachette

Modificações introduzidas pelo confessor

Tudo agora parecia correr sobre os trilhos. Mas as obras de Deus sofrem percalços inesperados.

Por conta própria, o Pe. Aladel modificou a efígie da Mãe de Deus que aparece na Medalha Milagrosa: na visão de Santa Catarina, Nossa Senhora segura com ambas as mãos um globo de ouro, encimado por uma pequena cruz, que Ela oferece ao Padre Eterno. Nas mãos, três anéis em cada dedo. Das pedras preciosas desses anéis partem raios de luz que significam as graças que a Mãe de Deus esparge sobre a humanidade. Nesta posição das mãos, os raios de luz caem, como é natural, para baixo e para adiante. O Pe. Aladel houve por bem suprimir o globo das mãos de Nossa Senhora, e representar as mãos pendentes, de modo que os raios partem da ponta dos dedos e das palmas das mãos…

Detalhes sem importância, dirá algum espírito superficial.

A Irmã Catarina Labouré não pensava assim: na impossibilidade de corrigir a efígie da medalha batalhou a vida toda para que ao menos fosse feita uma imagem na atitude verdadeira, e colocada num altar, no local onde Nossa Senhora lhe aparecera pela primeira vez. O simbolismo da Santíssima Virgem como Rainha do Universo estaria assim preservado.

 

“Foi o martírio de minha vida”

Irmã Jeanne Dufès

Irmã Jeanne Dufès

Na primavera de 1876, sabendo que lhe restava pouco tempo de viela, a Irmã Catarina, a quem o Pe. Aladel impusera silêncio sobre as aparições, sentiu necessidade de se abrir com sua superiora, a Irmã Jeanne Dufès [foto ao lado]. Esta ficou perplexa ao tomar conhecimento das modificações introduzidas pelo Pe. Aladel.

Um globo nas mãos! Como conciliar isto com a imagem da Medalha Milagrosa? A Irmã Du­fès pensa que a Irmã Catarina está delirando:

— “Dir-se-á que estais louca!

— “Oh! não será a primeira vez!

O Pe. Aladel me chamava de ‘vespa danada’ [méchante guêpe] quando eu insistia sobre isso!”.(6)

— “Mas o que será da Medalha, se isto se divulgar?

— “Oh! il ne faut pas toucher à la Médaille!” (“Não se deve mexer na Medalha”) – retorquiu a santa…(7)

Com efeito, 45 anos depois de a Medalha ter dado a volta ao mundo, operando autênticos milagres e outras maravilhas da graça, não era mais oportuno alterar a forma pela qual se tornara conhecida.

A solução era pois fazer uma representação complementar, conforme pleiteava Santa Catarina Labouré.

A Irmã Dufès, entretanto, insiste:

 “Mas se o Pe. Aladel recusou, ele teria suas razões

“Foi o martírio de minha vida”, replica a Irmã Labouré, que assim revela a batalha pertinaz que teve de conduzir para se manter fiel à revelação recebida.(8)

A Irmã Dufès pede que ela forneça os detalhes para o trabalho do escultor: os traços da Santíssima Virgem — orienta a Irmã Catarina ­não devem ser “nem muito jovens, nem muito sorridentes, mas de uma gravidade mesclada de tristeza, a qual desaparecia durante a visão, quando o rosto se iluminava com as claridades radiosas do amor, sobretudo no momento em que Ela rezava”.(9)

Medalha Milagrosa

Por fim, a Virgem do Globo

Feito o esboço pelo escultor, a Irmã Dufès manda que a Irmã Catarina o vá ver. Ela não consegue esconder sua decepção. “Não, não é isto!”. A Irmã Dufès a faz percorrer todas as lojas de imagens sulpicianas [do estilo de Saint-Sulpice] para tentar descobrir o modelo adequado. Pesquisa inútil.

Algumas semanas depois, a encomenda é entregue. A Irmã Dufès não a coloca na capela, mas, discretamente, em sua sala de trabalho, e manda chamar a Irmã Catarina. Esta analisa atentamente. Vários detalhes de sua descrição foram escrupulosamente atendidos: o globo de ouro encimado por uma cruz, a serpente esverdeada com manchas amarelas, que Nossa Senhora esmaga sob os pés. Mas Santa Catarina não manifesta nenhum entusiasmo; pelo contrário, faz uma careta.

A Irmã Dufès, um tanto decepcionada com o resultado de sua iniciativa, a admoesta:

— “Não vos torneis muito difícil. Os artistas desta terra não podem realizar o que eles não viram”.(10)

Quatro anos depois da morte de Santa Catarina Labouré, o Pe. Fiat, novo Superior-geral, manda fazer um modelo ampliado da imagem executada pela Irmã Dufès e instala-a num altar construído no local indicado pela vidente.

Depois de várias peripécias, em que a imagem da Virgem do Globo deveu ser retirada desse altar por determinação da Sagrada Congregação dos Ritos, foi ela finalmente reentro­nizada no mesmo altar, após intervenção pessoal de um Bispo lazarista junto ao Papa Leão XIII.

Foto de Santa Catarina Labouré pouco antes de sua morte, cujo olhar, embora transparente e profundo, apresenta, de acordo com o Pe. René Laurentin, uma peculiaridade: "o olho direito reflete as provações que ela suportou"

Foto de Santa Catarina Labouré pouco antes de sua morte, cujo olhar, embora transparente e profundo, apresenta, de acordo com o Pe. René Laurentin, uma peculiaridade: “o olho direito reflete as provações que ela suportou”

Prudência humana e ousadia dos Santos

Resta saber por que o Pe. Aladel procedeu daquela maneira, rechaçando as reiteradas insistências da vidente.

Ao que parece, ele receava ter complicações com a Sagrada Congregação dos Ritos, cujas normas em matéria de iconografia eram então muito estritas, preferindo ater-se aos modelos já consagrados pelo uso. O receio não era de todo infundado ­seja dito como atenuante, em defesa do Pe. Aladel —, conforme depois se comprovou no episódio da Virgem do Globo, resolvido apenas com a intervenção pessoal de Leão XIII, segundo acaba de ser dito.

Faltava, porém ao Pe. Aladel a ousadia dos santos. “Ide a Roma, obtereis mais do que pedirdes”, dizia a Irmã Catarina Labouré.(11) Previsão que se cumpriu ao pé da letra, após a sua morte.

O Pe. Aladel deveria ter tido em mente que se Nossa Senhora ordenou cunhar a Medalha de uma forma e não de outra, Ela haveria de dispor as coisas para que viessem de Roma as aprovações necessárias.

São Vicente de PauloEnfim, Nossa Senhora aceitou a Medalha conforme foi feita, e inundou o mundo com o oceano de graças de todos conhecido [vide no final relatos de algumas graças obtidas em nossa Pátria]. Cabe, entretanto perguntar se tais graças não poderiam ter sido maiores. Esta era a opinião pessoal de Santa Catarina Labouré, para quem as sucessivas recusas do Pe. Aladel redundavam em vocações menos numerosas para as duas famílias religiosas fundadas por São Vicente de Paulo [imagem ao lado, na Capela da Rue de Bac em Paris]: os Padres da Missão (lazaristas) e as Filhas da Caridade.(12)

Considerando o conjunto das revelações com que foi favorecida Santa Catarina Labouré — as visões do coração de São Vicente de Paulo, a de Cristo-Rei despojado de suas vestes, o colóquio de 19 de julho com a Mãe de Deus, repassado de uma intimidade e ternura indizíveis, culminando, por fim, com as duas manifestações da Medalha Milagrosa –– é lícito pensar que, se tivesse havido fidelidade ao que foi determinado por Nossa Senhora, o oceano de graças derramadas sobre o mundo teria sido ainda maior. E isto teria possivelmente feito reverter o processo revolucionário, o qual vai encaminhando o mundo todo para a desordem, a confusão e o caos, num reino que não seria excessivo denominar de reino do demônio.(13)

Corpo incorrupto de Santa Catarina Labouré exposto à veneração na Capela da Rue du Bac, em Paris.

Corpo incorrupto de Santa Catarina Labouré exposto à veneração na Capela da Rue du Bac, em Paris.

Devoção a Nossa Senhora das Graças no Brasil

Graças insignes e prodígios alcançados mediante a Medalha Milagrosa

É considerável o número de narrações que chegam à redação de Catolicismo, relatando a admirável proteção que a Medalha Milagrosa concede, em nossa Pátria, a seus devotos ou até a pessoas que simplesmente a conservam.

Dentre esses relatos, destacamos alguns dos mais significativos, que publicamos a seguir.

Criança salva de seqüestro

Contou-me ontem uma Sra. o seguinte fato: “Há uns 15 dias, um menino foi seqüestrado. Ele estava sob os cuidados do avô, pois seus pais tinham viajado para os Estados Unidos.

“Quando os seqüestradores pegaram o menino das mãos do avô, este tirou uma medalha de Nossa Senhora das Graças, que tinha consigo, aper­tou-a na mão e se pôs a rezar. Já dentro do carro com o menino, os seqüestradores não conseguiram sair. Após alguns momentos, desceram do carro e devolveram o menino, dizendo que na frente do carro havia uma Senhora, que não os deixava sair de jeito nenhum…”

(F.S.L. – Juiz de Fora, MG)

 

Pagão convertido antes da morte

Fui visitar uma freira na Santa Casa… Em conversa, ela me disse, na maior tristeza que perto de onde conversávamos estava um doente, muito mal com câncer no pulmão. Era um chinês que não tinha sido batizado e que infelizmente iria morrer pagão. Senti profunda pena e quis visitá-lo…Ofereci ao doente uma Medalha Milagrosa que ele aceitou, pregando no pijama. Respirava com dificuldade, pois o pulmão já estava quase totalmente tomado. Fiz uma visitinha rápida, deixando-o entregue a Nossa Senhora. Mais tarde, a Irmã perguntou se não queria se tornar cristão, ser batizado… Ele queria muito. Sempre desejou ser cristão. Tinha profunda simpatia pelo Cristianismo, mas nunca achou quem o ajudasse… Já quase sem forças, preparou-se para o Batismo… Quando o padre perguntou se queria receber o Batismo, como que transfigurado respondeu: “Quero muito!” Depois de batizado, disse que queria comungar todos os dias. Fez urna confissão geral de toda a sua vida e continuou comungando cada dia. Quando já estava mal, muito mal, telefonou à Irmã pedindo que queria ser crismado. Estava vivendo seus últimos dias, mas mesmo sem forças, fez questão de se levantar, vestiu seu melhor terno para receber o Sacramento do Crisma. Poucos dias depois recebi a notícia de que ele havia morrido. Fui vê-lo. Tinha uma fisionomia de felicidade. Nossa Senhora tinha levado aquele filho para o Céu com a alma lavada nas águas do Batismo. E pela primeira vez, num velório, sentia o coração em festa e rezei o Magnificat.

(Y.B.T.P –– Belo Horizonte, MG)

 

Discoteca fechada

Há um ano, montaram uma discoteca em frente a minha casa. A vida de minha família se transtornou. Fiz tudo para a vizinhança protestar contra o barulho infernal e o ambiente de pecado. Mas nada consegui! O tempo foi passando e a agitação aumentando.

Lembrei-me, então, da Medalha Milagrosa. Nossa Senhora certamente daria um jeito… Coloquei uma medalha numa fresta do muro da discoteca, e comecei a rezar, eu e minha esposa, para Nossa Senhora atender o meu pedido.

Não demorou muito e o movimento começou a cair, cair … e a discoteca está à venda!

A vizinha me contou que o proprietário foi “chorar as mágoas” com ela, dizendo que ia vender a casa porque nem a benzedeira que ele chamou para “fazer um trabalho” lá dentro conseguiu recuperar a freguesia.

A reza dela não dava certo, embora ela insistisse. Ela dizia: “Nas dependências do prédio há algum objeto que atrapalha e eu não consigo fazer nada enquanto ele não for retirado”.

Vasculharam o terreno, mas não acharam nada. O estabelecimento está à venda e a Medalha continua lá, demonstrando que é realmente poderosa…

(L.C.M – São Paulo, SP)

Cura de tumor maligno

As pessoas que travam contacto com a Medalha sentem, por uma graça especial que ela irradia, que podem agarrar-se a ela e obterem da Mãe de Deus a solução para os problemas que as afligem. Referem-se algumas delas à Santinha da Medalha, com carinho e bastante respeito.

Um fato aqui ocorrido: a pequena Marlene foi internada às pressas com forte dor de cabeça. Os médicos identificaram um tumor canceroso na parte anterior da cabeça. A biópsia acusou tumor maligno, conforme laudo médico, entranhado há dois anos no interior da cabeça. Cheio de esperanças em Nossa Senhora das Graças, enviei, por intermédio de sua avó, a milagrosa medalha, na certeza de que ela a usaria. A pequenina esteve às portas da morte durante quase um mês, na UTI da Casa de Saúde São Raimundo, em Fortaleza (CE), mas teve inesperada melhora, recebendo alta no final de mais ou menos 30 dias. Hoje está convalescente em casa de um tio naquela capital, visitamo-la recentemente e verificamos estar o seu pulso esquerdo envolto com a corrente e a Medalha Milagrosa. Desde o momento de sua internação começamos a novena, o que continuamos a fazer, esperando o milagre de sua cura completa.

(J.J.C. –– Jaguaribe, CE)

Novena obtém alta médica

Uma senhora levou a Medalha para o marido no hospital e começou a novena com ele. O marido estava com insuficiência cardíaca, cirrose no fígado, uma outra doença nos rins e praticamente desenganado. Antes de terminarem a novena, o médico a chamou e disse que não sabia como explicar, mas que dos problemas só restava a insuficiência cardíaca e melhorada; as outras haviam desaparecido e por isso deu alta, e o marido já está em casa.

(A.D. –– São Paulo, SP)

 

_______

Notas:

1. Cfr. Alocução aos alunos do Seminário Lombardo em 7-12-68; Homilia Resistite fortes in fide, de 29-6-72.

2. Cfr. Catolicismo n° 359, nov./80; nº 445, jan./88; n° 447, março/88; n° 467, nov./89.

3. R. Laurentin, Vie authentique de Catheri­ne Labouré, Desclée De Brouwer, Paris. 1980, vol. I, p. 85.

4. Op. cit., p. 91.

5. Op. cit., p. 92.

6. Op. cit., p. 264.

7. Op. cit., p. 265.

8. Op. cit., p. 265.

9. Palavras conservadas pelo Pe. Julio Cheva­lier, CM, do relato que ouviu da Irmã Dufès; in René Laurentin, Catherine Labouré et Ia Médaille Miraculeuse, P. Lethielleux, Pa­ris, 1979, vol. II, p. 111.

10. Pe. R. Laurentin, Vie authentique de Catherine Labouré, Desclée De Brouwer,Pa­ris, vol.I, p. 269.

11. Op. cit., vol II, p. 502.

12. Op. cit., p. 411.

13 Cfr. Plinio Corrêa de Oliveira, Revolução e Contra-Revolução, Parte III, Cap. III.

 

3 comentários para Nossa Senhora das Graças e a Medalha Milagrosa — Bastidores de uma História

  1. Mario Hecksher Responder

    27 de novembro de 2015 à 11:36

    Belíssimo artigo! Parabéns ao autor e à ABIM pela publicação.
    Felizes são aqueles que têm FÉ na Virgem Santíssima, Mãe de Jesus e nossa protetora.

  2. Cláudio reale De Cicco Responder

    2 de dezembro de 2015 à 14:05

    Trata-se de uma Aparição de Nossa Senhora que anuncia as de Lourdes, bem como a proclamação do Dogma da Imaculada Conceição. A manifestação de Nossa Senhora com o globo do mundo nas mãos me parece um prenúncio de um Reinado de Maria, na linha de São Luíz de Montfort, pois no verso da medalha aparece os Sagrados Corações de Jesus e Maria, cercado de espinhos e penetrado por uma espada, respectivamente. Além disso a Cruz remete à Carta aos Amigos da Cruz do mesmo Santo. É, nessa linha, um prenuncio de Fátima, suas advertências e promessas. Congratulo a ABIM pela tão oportuna republicação do artigo do Dr. Antonio Augusto Borelli Machado, conhecido fatimólogo, que soube valorizar a atitude de Santa Catarina Labouré.

  3. Cláudio Reale De Cicco Responder

    2 de dezembro de 2015 à 14:09

    Meu comentário se baseou na palestra do Prof. Dr. Plínio Corrêa de Oliveira, publicada em http://www.pliniocorreadeoliveira/info no Mês de Novembro último.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *