Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

O caminho da grandeza

A Visitação♦  Péricles Capanema

Cada pessoa ambiciona incansavelmente para a sua vida certa nota de grandeza. Sempre cobiça algo que a eleve da mediania na qual patina para um patamar de excelência. Memoráveis, a atitude e conduta seriam como cerejas em bolo insosso. Tantas vezes aconteceu, um simples ato de heroísmo ou de abnegação ter sido celebrado por familiares do autor por décadas a fio. A vida fica então mais elevada, fulgurante, justificada.

Se possível, todos desejam muito mais, óbvio, almejam a vida mergulhada na grandeza. Quando despretensioso tem grande potencial, é ideal nobre e civilizatório, embebido do impulso de perfeição. Existem dele incontáveis formas, a grandeza moral, a política, a militar, artística, patrimonial, intelectual, familiar, tantas outras, enfim. São avanços na ladeira da perfeição, dificultam retrocessos sociais.

Tais reflexões flutuavam meio descosturadas, enquanto ouvia atento o Evangelho da missa de domingo, dia 19 de agosto. Como luva na mão, o pensamento se encaixava no texto lido. São Lucas relata a visita de Nossa Senhora a Santa Isabel, sua prima, casada com Zacarias, sacerdote do Templo de Jerusalém, posição de destaque na sociedade do tempo; ambas esperando um filho. Tratava de cinco personagens de expressão insuperável na história humana, em especial na história da salvação: Nosso Senhor, Nossa Senhora, São João Batista, Santa Isabel, São Zacarias. E das atitudes de dois deles, Nossa Senhora e Santa Isabel [representação ao lado].

Nenhuma ostentação, nenhuma bazófia, total ausência de fanfarronice na conduta e nos diálogos. E nem poderia ser diferente, cenas a anos-luz do que estamos acostumados a presenciar da manhã à noite em nossa sociedade obcecadamente exibicionista. Ali pululavam lições de que a grandeza (a verdadeira) é irmã da humildade e ambas respiram veracidade.

Nossa Senhora, muito jovem ainda, foi assim recebida pela prima, anos mais velha, mulher em situação social de destaque: “A que devo a ventura de que a mãe de meu Senhor venha ter comigo?” Enuncia a razão: Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre”. Santa Isabel, reverente, reconhecia alegre, não estava à altura de receber e ter a prima em casa. Modelo de conduta para quem aspira à grandeza, o primeiro passo sempre é reconhecê-la alegre e reverente quando em outro a percebe, não importa o campo.

A história do mundo toma rumo novo por tal manifestação de humildade, expressa em frase leve de pessoa educada, respondida por outra lição de modéstia, que também atravessou os séculos. Maria cantou o Magnificat iniciando-o no mesmo tom: “A minha alma engrandece o Senhor; e meu espírito exulta em Deus meu Salvador. Porque pôs os olhos na baixeza de sua serva”. Ali estava uma escrava.

A VisitaçãoA seguir, palavras que nenhum homem pode repetir, senão como prece: De agora em diante todas as gerações me chamarão bem-aventurada”. Em cada uma das gerações, até o fim do mundo, a partir do louvor de Santa Isabel — nesse sentido a primeira devota pública de Nossa Senhora —, ecoa e ecoará a glorificação prenunciada no Magnificat. Diante disso, o que é a grandeza de um César, no meio de aclamações, entrando vitorioso em Roma? Poeira suja.

Maria, como hóspede, despretensiosa, por três meses ficou na casa de Isabel, anfitriã, ajudando-a. Depois voltou para a sua. Como disse, cinco pessoas conviviam ali, Nossa Senhora, Santa Isabel e São Zacarias. Falavam de duas outras, que ainda não tinham visto a luz do dia: Nosso Senhor e São João Batista. Aquele encontro poderia ser intitulado a estadia das preparações.

Pela presença, atitude e palavra a Mãe de Deus moldou o ambiente em que viveria o Preparador do caminho para seu Filho. São João Batista tinha por missão preparar caminhos. “preparai o caminho do Senhor” (Is 40,3). E o profeta Malaquias disse dele, haveria de preparar “o caminho diante” de Cristo. É a voz que clama no deserto: “Preparai o caminho do Senhor” (Is 40, 3). Sua missão, nas palavras de são Lucas, era “habilitar para o Senhor um povo preparado”.

João Batista seguiu o exemplo da mãe, reconheceu sempre seu lugar de preparador, precursor: “Eu não sou o Cristo” (Jo., 1, 20). E quando viu Cristo de longe, apontou-o para que seus discípulos o deixassem e seguissem ao Mestre divino: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo” (Jo 1, 29). “Estava João outra vez na companhia de dois dos seus discípulos e, vendo Jesus passar, disse: Eis o Cordeiro de Deus! Os dois discípulos, ouvindo-o dizer isto, seguiram Jesus” (Jo 1, 35-37). Que ficasse sem discípulos, pouco lhe importava, só desejava preparar as vias para Quem anunciava.

Sao Joao BatistaContinuo falando em grandezas naturais e sobrenaturais. Faltam palavras para qualificar São João Batista [imagem ao lado], apontado por Jesus Cristo como o maior homem que até então existira: Que fostes ver no deserto? Um caniço agitado pelo vento? Mas, que fostes ver? Um homem vestido de roupas finas? Mas os que vestem roupas finas vivem nos palácios dos reis. Então, que fostes ver? Um profeta? Eu vos afirmo que sim, e ainda mais do que profeta. É dele que está escrito: eis que envio o meu mensageiro à tua frente; ele preparará o teu caminho diante de ti. Entre os nascidos de mulher, não apareceu nenhum maior do que João, o Batista” (Mt 11 8- 11).

Acabou minha labuta. Cogitava em formas várias da grandeza, a leitura do Evangelho atraiu minha atenção para textos bíblicos a ela relativos, dali retirei extratos, neles cintilam condições para caminhar até ela. Achei útil compartilhar o trajeto com leitores. É caminho também para a perfeição, qualquer delas, até contêm conselhos para a santidade. Lições para cada um de nós.

1 comentário para O caminho da grandeza

  1. Costa Marques Responder

    25 de agosto de 2018 à 13:14

    Excelente artigo comentando a apetência de grandeza nata no homem bem constituido e coroada pela grandeza sobrenatural. Recordação de trechos do Evangelho mostrando figuras ao pé da letra Ímpares, sem falar do Messias que está em outra esfera (união hipostática) e de Sua Mãe Santissima.
    Nesses tempos em figuras Eclesiásticas ou Civis se degradam tanto tem especial mérito esse artigo de Péricles Capanema, quem sabe, ajudando a muitos a elevar seus horizontes buscando exemplos na Sagrada Escritura. CostaMarques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *