Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

O martírio prolongado dos venezuelanos

BolivarianoPéricles Capanema

Foram divulgados os números finais da pantomina eleitoral da Venezuela, reeleito o boçal ditador Nicolás Maduro [na foto ao lado, votando em si mesmo] com quase 70% dos votos válidos, participação de 46% do eleitorado, fraude e intimidação generalizadas. Na tragédia, tem culpa o governo brasileiro. O chavismo medrou no país vizinho com dinheiro da Odebrecht (de fato, propina decorrente de contratos superfaturados), marqueteiros ligados ao PT e patrocínio de Lula e Dilma.

Estivesse o PT ainda no poder, Brasília seria um dos apoios vergonhosos da situação venezuelana. Com efeito, a reeleição vem sendo celebrada pelas linhas auxiliares do PT, como PC do B, entre os partidos, e Guilherme Boulos, entre os políticos. O PC do B em nota intitulada “Vitória retumbante do povo venezuelano” trombeteou: “O Partido Comunista do Brasil regozija-se com o povo venezuelano, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), o Partido Comunista da Venezuela (PCV) e demais forças políticas que comandaram a batalha”. Boulos, o candidato do PSOL à Presidência, apoiado entre outros por frei Beto, declarou: “Maduro foi eleito democraticamente, Cuba não é ditadura e impeachment foi golpe”.

Além da satisfação da esquerda brasileira, por vezes evidenciada em silêncio revelador, em outras ocasiões com desfaçatez ruidosa, na América Latina não faltou a Maduro o esperado endosso enfático de Cuba e Bolívia. Em resumo, Maduro tem esteios fortes na América Latina. Na cena internacional, o Irã, a China e a Rússia defenderam a farsa venezuelana.

Médicos venezuelanos protestando, pois os pacientes morrem em hospitais por falta de medicamentosInteressam especialmente Rússia e China. São os dois grandes apoios à tirania chavista. Sem eles, dificilmente Maduro se manteria no poder. O governo de Vladimir Putin atacou a oposição proveniente do exterior: Lamentamos que nessas eleições, além dos dois tradicionais participantes — o povo e os candidatos — existiu também um terceiro participante: os governos que abertamente pediram boicote ao voto”, declarou Alexander Schetinin, diretor do Departamento de América Latina da chancelaria russa. Com descaramento completou: “As eleições foram realizadas e o resultado tem caráter irreversível: dois terços dos votos foram para Nicolás Maduro”. Esconde escandalosamente a fraude, a pressão do aparato chavista, o garrote aos opositores.

A China foi na mesma direção: “As partes envolvidas devem respeitar a decisão do povo venezuelano”, disse o porta-voz da chancelaria chinesa, Lu Kang. Para Pequim, disputas sobre o resultado devem ser resolvidas nos tribunais. Deixa de lado o fato óbvio: os tribunais foram transformados em marionetes do chavismo.

É um passo a mais da descarada e inescrupulosa ingerência russa e chinesa nos negócios da América Latina. Daqui a algum tempo vai ficar patente a ainda agora secreta contrapartida recebida — nesses meses de isolamento venezuelano —, por russos e chineses em troca de tal apoio. Com toda probabilidade, lastreadas em contratos, promessas de gigantescas vantagens relacionadas com a exploração do petróleo. A Venezuela detém as maiores reservas provadas do mundo. Para comparação, segundo dados recentes, tem 297 bilhões de barris, a Rússia, 60 bilhões, a China, 16 bilhões. O Brasil, 25 bilhões. (1 barril equivale a 159 litros). A aliança disfarçada, mas efetiva, com Rússia e China dá sobrevida a um governo cujo coletivismo delirante [o chamado socialismo do século XXI] destruiu o país. É rota de maus auspícios, no fim dela a Venezuela despencará para a condição de protetorado inconfessado.

Médicos venezuelanos protestando, pois os pacientes morrem em hospitais por falta de medicamentos

Médicos venezuelanos protestando, pois os pacientes morrem em hospitais por falta de medicamentos

Generalizada e enérgica tem sido a reação oficial ao regime venezuelano. Foi tão ampla a repulsa aos métodos chavistas, que a oposição inclui importantes políticos socialistas, como Felipe González e Ricardo Lagos, cuja inércia escandalizaria seguidores seus. Por exemplo, em documento também firmado pelos dois, 23 ex-presidentes e ex-primeiros-ministros ibero-americanos apelam à comunidade internacional para que não reconheça a “farsa eleitoral” na Venezuela. Pedem ainda que os países chamem seus embaixadores, aumentem sanções, congelem ativos provenientes do crime e da corrupção do governo. Reclamam a seguir a suspensão da Venezuela da OEA, sugerem que Estados membros do Estatuto de Roma levem à Corte Penal Internacional o relatório sobre os crimes de lesa-humanidade da ditadura de Nicolás Maduro preparado pela Secretaria Geral da OEA. Denunciam ainda “sequelas de mortos pela violência criminosa desbordada, fome, migração maciça, endividamento ilimitado, falência, hiperinflação, fatos sem paralelos e sem precedentes na história do mundo”.

Lech Walesa, ex-presidente da Polônia foi mais duro: “A Venezuela está sequestrada por um grupo de neotraficantes e terroristas. Mais cedo ou mais tarde será preciso uma intervenção de forças coligadas para preservar a paz na região”.

Estados Unidos, União Europeia, países da América Latina tomaram medidas severas contra o governo venezuelano. Mike Pence, vice-presidente dos Estados Unidos, em nota oficial afirmou: “A eleição na Venezuela foi uma impostura. O resultado ilegítimo deste processo fraudulento é um novo golpe contra a altiva tradição democrática da Venezuela. Todos os dias milhares de venezuelanos fogem da opressão brutal e da torturante pobreza”.

Médicos venezuelanos protestando, pois os pacientes morrem em hospitais por falta de medicamentos14000% é a inflação estimada em 2018. Queda estimada do PIB em 2018, 15%, quinto ano de recessão. Por que não cai o regime? Deixo de lado a reação internacional, poderia ser mais efetiva. Lembro outros fatores, a brutal repressão interna inspirada por agentes do serviço secreto cubano, vantagens escandalosas conferidas ao alto oficialato das Forças Armadas (forma de compra e chantagem) e o apoio da China e da Rússia. Importa sobretudo agora ter em vista o último ponto, atalho para a servidão. Antecipa situações que outros países da América Latina poderão viver. O Brasil também poderá passar por um martírio prolongado, caminhamos na beira do abismo.

3 comentários para O martírio prolongado dos venezuelanos

  1. Fernando Lopes de Almeida Soares Responder

    27 de Maio de 2018 à 7:46

    *

    Rogando desculpas, peço que desconsiderem as duas postagens anteriores, agora aperfeiçoadas.
    Grato, FLASh

    *

    Ao joio chavista
    regando petis-propinas
    trigo não sufoca?

    “Narcotraficante
    paraiso” na Venezuela
    ao povo inferniza?

    Tal como na Síria
    venezuelano terreno
    mafiosos desnudam?

    Caribenho farto
    petróleo “protetorado
    sino-russo” vira?

    – FLASh

    http://www.abim.inf.br/o-martirio-prolongado-dos-venezuelanos/

    *

    Fernando Lopes de Almeida Soares
    (FLASh) IFP/RJ 2477412
    Rua Joanésia, 316 ap 301 Serra
    30240-030 Belo Horizonte, MG
    poetafernandosoares@gmail.com
    facebook.com/FernandoLASoares
    cronipoesias.wordpress.com
    twitter.com/farnando_a?s=08
    WhatsApp etc 319 9882 5505 Oi?

    .

  2. Costa Marques Responder

    27 de Maio de 2018 à 11:19

    Excelente análise documentada de Péricles Capanema sobre a farsa venezuelana, aliás inerente à ideologia comunista. Para os comunista só há uma moral: aquela que traz proveito ao PC.
    Vou me ater somente ao Brasil e nossa vergonhosa atitude face à Venezuela desde o governo Fernando Henrique, aliás, outro socialista, um verdadeiro Kerenski brasileiro.
    Como evidencia Péricles Capanema “Na tragédia, tem culpa o governo brasileiro. O chavismo medrou no país vizinho com dinheiro da Odebrecht (de fato, propina decorrente de contratos superfaturados), marqueteiros ligados ao PT e patrocínio de Lula e Dilma.
    Estivesse o PT ainda no poder, Brasília seria um dos apoios vergonhosos da situação venezuelana.”
    Para concluir ninguém no Brasil entende porque Dilma Roussef não foi ainda julgada como criminosa de Estado, deixando essa herança de dividas colossais contraidas em favor dos seus aliados comunistas venzuelanos, cubanos, bolivarianos, africanos etc. CostaMarques

  3. Luiz Guilherme Winther de Castro Responder

    28 de Maio de 2018 à 15:43

    Nada a acrescentar ao artigo.
    Socialistas e comunistas não desistem nunca. Seriam os demônios travestidos de seres humanos? Não dá para entender!
    Que Nossa Senhora em Fátima tenha compaixão de nós e interceda junto a Deus para que esses demônios voltem para o inferno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *