Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

O segredo sublime de uma dama católica

Carlos Vitor Santos Valiense

Numa época em que quase inexiste senso, tampouco autenticidade, muitos podem perguntar: qual a importância de falar de alguém que não teve projeção histórica, não é canonizada, não é conhecida e foi uma simples dona de casa e mãe?

A resposta chega a ser categórica, se fossem observadas as verdadeiras mães, simples, desconhecidas e não canonizadas. Do anonimato delas não se deduziria, por exemplo, terem gerado um grande santo, como São João Bosco. Ou se fosse analisado o rol das mães santas, não se deduziria terem elas tido necessariamente grandes filhos, como um Santo Agostinho, ou uma Santa Teresinha do Menino Jesus, todos frutos de grandes mães.

Santa Mônica e Mamma Margherita, dois exemplos muito conhecidos: alguém já se perguntou quem seria Santo Agostinho se não fosse a fé e a confiança de sua mãe na conversão dele? Quem seria São João Bosco se sua mãe, com as virtudes que a tornaram uma mulher forte e decidida, forjada para a vida difícil, não lhe tivesse dado a formação que lhe deu? Assim se cumpre a máxima do Evangelho: “Pelo fruto se conhece a árvore”.

Emblemática do ideal perfeito de mãe, filha, tia e avó, católica ao máximo ponto, monarquista e tradicionalista, não pactuava com o relaxamento dos costumes, com as modas extravagantes. Dessa frondosa árvore que foi Dona Lucilia Ribeiro dos Santos Corrêa de Oliveira (22/4/1876 – 21/4/1968) não poderia nascer fruto outro senão um grande varão católico. Seu papel de mãe foi essencial em sua formação. Dela, seu filho Plinio Corrêa de Oliveira chegou a dizer a alguns amigos: “Muitas vezes me pergunto se eu teria sido o homem calmo que sou se não tivesse pairado sobre mim o afeto de mamãe. Dela posso dizer que foi a dignidade sem fortuna, a doçura sem covardia, a intransigência sem hirteza, a nobreza sem arrogância”.

Seu sobrinho Dr. Adolpho Lindenberg, presidente do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, ao lembrar-se de sua saudosa tia, disse em entrevista de imprensa: “Eu quase não comento o modo de ser de tia Lucilia. Porém, quando aparece uma boa oportunidade, causa-me alegria poder falar dela. Não é fácil, para aqueles que não a conheceram pessoalmente, compreender toda sua figura. Impressionava-me muito, além de sua amabilidade e paz de alma, a força de seu olhar. Olhar de uma pessoa reta, honesta, e de uma superioridade ímpar. Quem não é reto e honesto poderia até ficar envergonhado na presença dela. Olhar muito meigo, muito bondoso, mas quem não estivesse com a consciência em paz não gostava muito. Seria o encontro de olhares entre uma pessoa virtuosa e outra sem virtude. Muito me impressionava o olhar dela, que incentivava as pessoas a enfrentar as dificuldades da vida”.1 [Foto ao lado: Dr. Adolpho ao lado de sua tia Dona Lucilia, assistindo uma conferência de Dr. Plinio].

Foi sob esse olhar de Dona Lucilia que seu filho Plinio aprendeu a admirar desde criança o principal ideal da vida dela: o Sagrado Coração de Jesus. Fitando os olhos dela à luz desse ideal, ele seria capaz de compreender tudo aquilo que fosse contrário a Ele, tudo aquilo que quisesse mal a Ele, lutar contra tudo aquilo que fosse contra o Sagrado Coração de Jesus. E, por fim, a expressão máxima que brotou do seu lado aberto no Calvário: a Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

Dr. Plinio fez dos inimigos da Igreja seus próprios inimigos, como diz o Salmo 128, 21-22: “Não hei de odiar, Senhor, os que vos odeiam? Os que se levantam contra vós, não hei de abominá-los? Eu os odeio com ódio mortal, e por inimigos os tenho”.

A necessidade fez de Dr. Plinio um grande polemista, um homem de horizontes largos, que fez de sua vida uma verdadeira cruzada contra os males do mundo moderno. Dizendo-o de forma mais concreta: contra a Revolução gnóstica e igualitária.

Um crítico literário, ao ler qualquer de suas obras, nota desde o início o espírito combativo de suas palavras e, ao mesmo tempo, o ar cavalheiresco de seu trato. Um militante da causa da Contra-Revolução, ao ver Dr. Plinio, compreende as palavras de Dr. Adolpho, ao tratar de sua “tia Lucilia”, e assim pode também dizer o mesmo de seu primo Plinio Corrêa de Oliveira: “O olhar dele incentivava as pessoas a enfrentarem as dificuldades da vida”.

Um biógrafo salesiano de São João Bosco, que recebeu para o seu livro uma carta de felicitação do Bem-aventurado Miguel Rua, comentou: “E Margarida, mulher santa, fez de seu filho um santo. Dom Bosco era uma cópia fiel de sua mãe”.2[Pintura de Dom Bosco com sua mãe] O mesmo se aplica no caso de Dr. Plinio e de sua mãe Dona Lucilia: Plinio era cópia fiel de sua mãe.

Com esta comparação não pretendemos deduzir que Plinio Corrêa de Oliveira tenha sido um santo devido às manifestações de admiração e de devoção dos seus discípulos, mas apenas ressaltar a plena harmonia de tais expressões de entusiasmo com a doutrina e os costumes da Igreja.

Se alguém quisesse conhecer quem é Plinio Corrêa de Oliveira, bastaria conhecer Dona Lucilia, e vice-versa. O tom aristocrático, calmo, anti-igualitário, católico, a paternalidade que ele exalava para com os seus amigos de ideal eram sinais característicos desta atmosfera criada por Dona Lucilia. No caso dela, não foi um livro que nos revelou os esplendores da sua alma, mas a própria vida do filho, como espelho que lhe refletiu e desenvolveu as virtudes.

Dr. Plinio, em resposta ao diretor de um matutino paulista, por ataques recebidos a propósito da reverência que sua mãe recebia, escreveu: “No ano de 1967, adoeci com sério risco de vida, e minha residência se encheu naturalmente de amigos. Profundamente aflita, a todos recebia minha Mãe, já então com a avançada idade de 91 anos. Nesse difícil transe ela lhes dispensava uma acolhida na qual transpareciam seu afeto materno, sua resignação cristã, sua ilimitada bondade de coração e a encantadora gentileza dos velhos tempos da São Paulo de outrora. Para todos foi uma surpresa e, explicavelmente, também um encanto de alma. Durou assim este convívio por longos meses.

“Não estava eu ainda inteiramente restabelecido, quando Deus chamou a Si minha Mãe. A partir de então, ocorreu a alguns da TFP pedir a intercessão dela junto a Deus. E viram-se atendidos. Nada mais natural do florirem eles então seu túmulo como manifestação de respeito e gratidão. Não menos normal é eles narrarem os fatos a seus amigos. E igualmente natural é ainda a conseqüente e gradual ampliação do número dos que vão orar junto à campa da Consolação”.

Simples, sem muitos detalhes — em comparação com as expressivas e ricas obras de arte desse cemitério — é possível notar expressivo número de pessoas que o adornam com flores, e ali rezam em recolhido silêncio, diante do tradicional e digno jazigo onde repousa Dona Lucilia Ribeiro dos Santos Corrêa de Oliveira. [foto lado: arranjos florais colocados na sepultura de Dona Lucília no dia 21 último, data do 51º aniversário de seu falecimento].

O ambiente sem vida que há no cemitério parece perder um pouco da sua impassibilidade, pois ali se encontra uma mãe que recebe cada um como filho e estabelece com ele um vínculo materno. Dentre todas as mães que ali se encontram, embora escondidas e esquecidas pela história e pelo tempo, a Providência quis dar destaque a uma mãe que foi grandiosa pelo fato de cumprir o seu papel, a sua vocação: ser uma mãe católica.

Dr. Plinio, em resposta ao diretor do mesmo matutino paulista acima referido, escreveu: “Competia-me a mim, como filho, opor-me a isto, que longe de ser ridículo ou extravagante, é — para quem tem fé — profundamente respeitável? Seria benfazejo que eu tentasse de qualquer forma privar deste apoio moral as pessoas atormentadas pelas tribulações de uma vida de luta em plena borrasca do mundo contemporâneo?

“Diante de fatos que presenciei discretamente, sem, contudo, os impulsionar, não cabia senão calar-me reverente, emocionado e agradecido.

Insisto. Em meu lugar, que filho não procederia assim? […].

Pedir a intercessão de uma pessoa que viveu e morreu piedosamente não tem o significado intrínseco e necessário de uma proclamação de que ela foi santa de altar. A doutrina católica ensina ser legítimo que os fiéis recorram à intercessão dos que os precederam na morte in signum fidei, especialmente quando, por sua conduta ou por suas palavras, lhes deram estímulos para a virtude e assim os aproximaram de Deus. Em tal princípio genérico se fundam, por exemplo, os tão conhecidos pedidos às almas do Purgatório, ao as sufragarem os fiéis”.3

Dona Lucilia oferecera o exemplo de um exercício quotidiano de virtude. Dela o filho hauriu exemplo e forças: aquela perfeição na vida ordinária, que constitui o segredo da “pequena via” traçada por Santa Teresinha do Menino Jesus. Com efeito, mesmo entre as paredes domésticas é possível uma “pequena via” para a santidade. E desta, na sua longa vida, segundo dizem todos os que conheceram Dona Lucília, foi um exemplo vivo. [Foto ao lado: Dona Lucilia com Plinio, com alguns meses, em seu colo]

“Evidentemente, pedir a intercessão de uma pessoa não significa proclamar oficialmente a sua santidade. Entretanto, um grande teólogo e mestre espiritual contemporâneo, o Pe. Royo Marín, depois de ter estudado atentamente a biografia de Dona Lucilia, não hesitou em afirmar que a obra descreve ‘a vida de uma verdadeira santa, em toda a amplitude do termo’”. 4

O espírito revolucionário não acredita na harmonia como condição natural do trato humano. Ele acredita no interesse ou no pânico do soçobro da situação. Então, vantagens e interesses comuns. Mas, o trato humano, feito sob uma forma de afeto que é o sentir a harmonia ontológica entre uma pessoa e outra, isso a Revolução não quer. E é possível notar que nessa dama paulista, que foi Dona Lucilia, isso transbordava muito.

“Viver é estar juntos, olhar-se e querer-se bem”: pode-se resumir parte deste segredo sublime na frase de Dona Lucilia. Querer-se bem é querer o bem e, portanto, a verdade. E a Verdade só se encontra na Santa Igreja. Assim, o objetivo do afeto materno se realiza. [Foto ao lado: Dona Lucilia em Paris no ano de 1912].

Como afirmou Dr. Plinio “Mãe é a quintessência da família, porque é a quintessência do amor, a quintessência do afeto; e, nessas condições, a quintessência da bondade e da misericórdia”.5 Querem descobrir, ou conhecer, o segredo sublime de Dona Lucilia? Ele consiste em cumprir com fidelidade a incumbência que a Providência lhe confiou: ser mãe.

Ao trilhar a pequena via, isso lhe impunha algo superior: ser uma mãe autenticamente católica. O fim de tudo é por excelência o Sagrado Coração de Jesus, por meio das mãos da Virgem Maria.

Assim, Dona Lucilia formou, e forma, os filhos da Contra-Revolução.

___________________

Notas:

1.http://www.abim.inf.br/uma-tradicional-dama-paulista/#.XJFMlCJKjIU

2.Eladio Egaña SDB, Vida de San Juan Bosco, Librería Editorial de Maria Auxiliadora, Servilla, 1970, 8ª ed.,p.16.

3.https://www.pliniocorreadeoliveira.info/MAN_790815_oesp_ferocidade_polemica.htm

4. Roberto de Mattei, O Cruzado do Século XX, https://www.pliniocorreadeoliveira.info/Cruzado0513.htm

5.https://www.pliniocorreadeoliveira.info/DIS_SD_950524_MAE.htm

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *