Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Os pais da Ideologia de Gênero: filósofos ou loucos?

Jurandir Dias

Quatro dos principais promotores da Ideologia de Gênero: Wilhelm Reich, Margaret Sanger, Michel Focault e Margaret Mead.

Quatro dos principais promotores da Ideologia de Gênero: Wilhelm Reich, Margaret Sanger, Michel Focault e Margaret Mead.

Existe o adágio: “A filosofia é uma ciência com a qual ou sem a qual o mundo permanece tal e qual”. Penso o contrário, pois, muitas vezes, é ela que move o mundo das ideias e das revoluções.

A filosofia pode ser usada tanto para o bem como para o mal. Grandes filósofos como Aristóteles e Platão inspiraram exponenciais Doutores da Igreja, como Santo Tomás de Aquino e Santo Agostinho.

E foram escritores filósofos como Rousseau, Montesquieu, Voltaire, Locke, Diderot e D’Alembert, por exemplo, que inspiraram a Revolução Francesa, que tantos malefícios causou na França e no mundo.

Pessoas desprovidas de qualquer senso moral, tanto pelo exemplo de suas vidas como por suas ideias, instilam o seu veneno na sociedade. E tais “pensadores” são objetos de estudos em escolas e universidades. Principalmente, refiro-me a quatro dos principais promotores da Ideologia de Gênero: Wilhelm Reich, Margaret Sanger, Michel Focault e Margaret Mead.

A Ideologia de Gênero — teoria sem base na ciência e na natureza humana — teve como principais idealizadores pessoas que foram encerradas em manicômio, tentaram o suicídio ou suicidaram-se. A esse propósito, comenta Javier Torres no site actuall.com (*):

É como se alguém tivesse aberto as portas do manicômio e as teorias de seus loucos mais célebres se convertessem em doutrinas mundiais.

“Não há nada objetivo — nem sequer a diferenciação biológica XX e XY, oh, cromossomas fascistas! — que determina se somos homem ou mulher. Cada um, e só cada um, decide o que é”.

“Tudo se pode negar porque não há nada fora de nós que seja objetivo”, dizia Friedrich Nietzsche, o filósofo que inspirou grande parte dos ideólogos de gênero.”

Nietzsche, que afirmou que Deus está morto, terminou seus dias em um manicômio. Ele morreu, mas Deus é eterno. “¡Dios no muere!”, exclamou o presidente-mártir do Equador, Gabriel Garcia Moreno, ao ser apunhalado em 1875.

*       *       *

O médico Wilhelm Reich, marxista e grande idealizador da revolução sexual, praticava o vício solitário de maneira compulsiva desde os seis ou sete anos de idade, e também a zoofilia, tendo votado forte ódio contra a figura do pai. Em sua clínica de psiquiatria abusava de mulheres praticando suas “terapias sexuais”. Em 1957 morreu em um cárcere. Ele tinha sido diagnosticado como portador de paranoia e esquizofrenia progressiva.

O filósofo francês Michel Foucault pertencia ao Partido Comunista, sendo considerado um dos maiores idealizadores da Ideologia de Gênero. Praticava o sadomasoquismo homossexual e consumia drogas. Tentou o suicídio em várias ocasiões, porém morreu de AIDS em 1984.

Margaret Sanger, fundadora da Planned Parenthooda maior organização abortista dos Estados Unidos —, abandonou os filhos por causa de sua ninfomania. Ela morreu em 1966, quando já era uma alcoólatra incontrolável.

A feminista Schulamith Firestone, para quem a maternidade era “a opressão radical que sofre a mulher”, também sofria de esquizofrenia e passou vários anos em uma clínica psiquiátrica. Em 1912 foi encontrada morta em sua residência.

Outra feminista radical foi Kate Millet. Tinha ideias maoístas e tornou-se lésbica não por impulso sexual, mas por ódio aos homens. Quando estava internada em uma clínica psiquiátrica, no final de sua vida, pediu para ser vigiada durante 24 horas por causa de um impulso incontrolável ao suicídio.

Por sua vez, Elizabeth Fischer, amiga de Kate e fundadora da revista feminista americana “Aphra”, suicidou-se. Outras duas feministas, Maria del Drago e Ellen Frankfurt, ambas cubanas, também suicidaram-se.

Duas importantes feministas, Simone de Beauvoir e Margaret Mead, foram exceções nesta lista macabra de suicidas.

*       *       *

Talis vita, finis ita(“Tal vida, tal fim”), diz o ditado. Aqueles que desejaram destruir por seus atos e suas doutrinas a própria ordem da natureza humana como Deus a criou, acabaram destruindo a si próprios, tanto com seus vícios quanto pelo suicídio.

 _____________ 

(*) https://www.actuall.com/criterio/familia/pedofilos-drogadictos-locos-y-con-tendencia-al-suicidio-asi-eran-los-ideologos-de-genero/

4 comentários para Os pais da Ideologia de Gênero: filósofos ou loucos?

  1. Costa Marques Responder

    4 de setembro de 2017 à 12:53

    Essa floresta de arvores daninhas tinha que produzir essa aberração da ideologia de gênero.
    Excelente comentario de Jurandir Dias.
    Mais do que nunca cumpre à Sociedade reagir e levar à perfeição o papel do homem e da mulher nos planos de Deus. CostaMarques.

  2. Mario Bagascio Responder

    4 de setembro de 2017 à 13:02

    Feliz explicação sobre o que é a malfadada e maldita ideologia de gênero: suja, imunda, vinda ao mundo através de “filósofos” parasitas, drogados, doentes e promíscuos. O que esperar de tal “ideologia de gênero” senão a rejeição e anátema???

  3. MARIO HECKSHER Responder

    4 de setembro de 2017 à 13:10

    Certamente loucos ou muito mal intencionados. Essas pessoas se julgam as mais inteligentes do mundo e pensam que nós, os comuns, somos um bando de idiotas.

  4. Sheila Maria Responder

    7 de setembro de 2017 à 15:19

    A natureza marcou E sempre que a natureza é contrariada as consequências são terríveis.
    Rezemos pedindo a misericórdia do bom Deus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>