Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Resistências à islamização da Europa

Gregorio Vivanco Lopes - Revista Catolicismo, Fevereiro/2016

Islamismo

Indignação contra os muçulmanos em Londres

A torrencial onda de migrantes que avassala a Europa, provenientes da Síria, do Iraque e de outros países muçulmanos, está produzindo um descontentamento formidável nas populações dos países do Velho Continente.

Migrações sempre as houve em todas as épocas, mas para que os migrantes possam ser bem recebidos e instalados nos países que abordam, é preciso que isso se faça dentro de certas regras de proporcionalidade, adequação ao ambiente, bom convívio etc. Caso contrário, elas são vistas antes como invasões do que como migrações.

Acontece que nas atabalhoadas migrações atualmente em curso na Europa — mais de um milhão de pessoas chegaram por mar em 2015 — essas características têm estado ausentes.

Trata-se de modo geral de muçulmanos, que não têm apresentado qualquer desejo ou boa vontade de adaptar-se aos hábitos e costumes europeus, muito menos ao cristianismo. Pelo contrário, frequentemente arrogantes, exigem que se instaurem e preservem as práticas islâmicas nas escolas, nos hospitais e por toda parte, inclusive pedindo a construção imediata de mesquitas para seu culto. E até que a cruz e outros sinais cristãos sejam removidos dos locais que eles frequentam, para não se sentirem “ofendidos”.

Fecham-se sobre si mesmos, formando aglomerações à maneira de guetos, e quando saem para a vida da cidade — farmácias, supermercados, lojas etc. — apresentam-se de modo ostentatório e causando mal-estar.

Nem mesmo certas autoridades europeias, religiosas e civis, que se esforçam em impor a suas populações a aceitação dessa situação anômala, estão conseguindo êxito. A tentativa de fazer deglutir a migração está provocando, pelo contrário, reações um pouco por toda a Europa.

Donde os grandes movimentos de protesto ocorridos em diversos países, como também o crescimento dos partidos que se opõem a essa migração descontrolada, alguns simplesmente de direita, que pregam a ordem contra o caos, e outros até, infelizmente, de tendência nazifascista.

 

A reportagem do “Daily Express”

Alternative für Deutschland (AfD) defende em sua campanha: Asilo requer limites. Cartão vermelho para Merkel

Alternative für Deutschland (AfD) defende em sua campanha: Asilo requer limites. Cartão vermelho para Merkel

Tal panorama foi objeto de uma extensa reportagem publicada no “Daily Express”, de Londres, em 26 de dezembro último, sob o título: Mapeamento: chocante marcha da extrema-direita em toda a Europa atinge seu auge, pelo receio da migração. A reportagem é pormenorizada, com abundância de dados concretos e ilustrada com mapas e fotos.

“Ativistas anti-imigração têm desfrutado de enormes ganhos nas eleições deste ano, enquanto milhares tomaram as ruas para protestar contra o enorme afluxo de migrantes e refugiados”, diz a reportagem. Os partidos anti-imigração “invadiram o centro da política europeia, com os eleitores rebelando-se contra anos de governos predominantemente socialistas”. Seguem exemplos de sucesso de partidos anti-imigração.

  • França: O avanço do Front National, que obteve a maioria dos votos nas últimas eleições.
  • Áustria: O Partido da Liberdade (FPO) teve grande avanço nas eleições locais, duplicando a sua percentagem de votos para mais de 30%, garantindo 18 lugares na Câmara Alta.
  • Dinamarca: O Partido Popular (DF) foi tão bem-sucedido nas últimas eleições, que agora tem a chave do equilíbrio de poder e poderia derrubar o governo de coalizão dinamarquês. Ele terminou em segundo lugar nas eleições gerais de junho, após garantir 21% dos votos e 37 cadeiras no Parlamento.
  • Finlândia: Conhecido como o “True Finns”, o partido conseguiu uma ascensão meteórica e agora é um fator importante no governo de coalizão da Finlândia.
  • Alemanha: Alternative für Deutschland (AfD) defende em sua campanha: Asilo requer limites. Cartão vermelho para Merkel. Duplicou o apoio recebido desde setembro. Realizou um dos seus maiores comícios em Dresden no mês de outubro, com 20.000 pessoas.
  • Grécia: A última eleição sublinhou a crescente popularidade do Partido Golden Dawn (Aurora Dourada), que alcançou o terceiro lugar.
  • Hungria: O presidente direitista  e populista Viktor Orban construiu uma enorme cerca de 110 milhas ao longo da fronteira com a Sérvia para impedir as migrações. Ainda assim, precisou coligar-se com um partido de extrema-direita para governar.
  • Itália: O partido Liga Norte garantiu seu melhor resultado em eleições regionais e venceu nas regiões do Vêneto com uma proporção esmagadora de 50% dos votos. Ele acusa o Papa Francisco de trair os cristãos, promovendo o diálogo com os muçulmanos.
  • Holanda: O Partido para a Liberdade (PVV) aumentou para níveis recordes este ano, abrindo uma vantagem nas pesquisas de 18 pontos sobre todos os seus rivais.
  • Suécia: Swedish Democrats (SD) tem recebido um aumento no apoio popular em oito pesquisas de opinião distintas deste ano, que o coloca como o maior partido do país.
  • Suíça: O Partido Suíço Popular (SVP) garantiu seu melhor resultado na eleição de outubro, obtendo 29,4% dos votos.

 

Protestos anti-árabes em Ajaccio, capital da ilha da Córsega

Protestos anti-árabes em Ajaccio, capital da ilha da Córsega

Episódio simbólico às vésperas do Natal

Um episódio digno de nota deu–se em Ajaccio, capital da ilha da Córsega (administrada pela França), tendo sido fartamente divulgado pela imprensa francesa.

Na véspera de Natal, alguns jovens encapuzados, tidos como muçulmanos, forjaram um incêndio para atrair os bombeiros a uma emboscada. Quando estes chegaram, atacaram-nos com barras de ferro, paus e pedras, tentando inclusive apoderar-se do carro de combate ao fogo. Resultado: dois bombeiros e um policial saíram muito feridos.

A população da cidade passou da solidariedade aos bombeiros à indignação e aos atos. Invadiu o bairro muçulmano, denominado Jardim do Imperador, num verdadeiro desejo de vingança. Uma sala de orações dos muçulmanos e um restaurante kébab foram vandalizados e saqueados. Aos gritos de “Voltem para casa…”, os manifestantes lembravam que, em janeiro de 2014, nesse mesmo bairro, a bandeira francesa fora queimada numa escola e substituída por uma do Marrocos.

Durante quatro dias os manifestantes cercaram o bairro, sem levar em consideração a interdição decretada pelas autoridades locais. O prefeito de Ajaccio disse existir na ilha, como no continente, o temor de que se trata de “uma tentativa de colonização do Ocidente cristão por um Islã de combate”.

*        *        *

Numa situação como a atual, não adianta a ONU e algumas autoridades religiosas ficarem batendo na tecla de “direitos humanos”, combate à “islamofobia” e outros jargões do gênero. As populações europeias estão se sentindo por demais assediadas e constrangidas dentro de seu próprio território e em sua vida cotidiana para lhes dar ouvidos.

Além disso, aqueles que pensam com mais descortino, e tendo em vista horizontes mais amplos, já avaliam o risco de que uma migração descontrolada venha a desvirtuar os valores ocidentais e cristãos que formaram aquele continente. Tais valores, embora hoje decadentes, ainda constituem o cerne da civilização europeia, regada pelo precioso Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo e herdeira de Carlos Magno, de São Luís IX e de São Fernando de Castela. Uma Europa arabizada e islamizada perderia completamente a identidade consigo mesma. É o que muitos sentem e não aceitam.

6 comentários para Resistências à islamização da Europa

  1. E. Responder

    9 de fevereiro de 2016 à 11:31

    Tragicamente, agora é tarde. Não tiveram filhos, criaram a eutanásia, elegeram Hollandes, Merkels, abandonaram o cristianismo, agora não tem retorno, os islâmicos sempre foram violentos e sempre conquistaram com duas armas: violência e filhos. Não temos nada disto. O xerife do mundo, Obama, é um resto do que foi um país governado por Reagan (depois de dois clintons, dois obamas esperar o quê?) – Jesus, volta!

    • Arnold Süssek Responder

      12 de fevereiro de 2016 à 5:14

      Em 4 linhas E. disse tudo. Ou quase, + a conivência do atual Papa.
      Por que e por quem Paulo VI foi calado?

  2. NEREU AUGUSTO TADEU DE GANTER PEPLOW Responder

    9 de fevereiro de 2016 à 11:43

    A humanidade não tem jeito mesmo….não aprende…. vai precisar sofrer muito ainda, enquanto Nossa Senhora não nos salva….

  3. Fernando Lopes de Almeida Soares Responder

    9 de fevereiro de 2016 à 17:58

    *

    Mouros invasores
    destroem medioevo esplendor
    gótico na Europa?

  4. Nacho Alday Responder

    9 de fevereiro de 2016 à 18:58

    Excelente artículo que refleja bien la trágica realidad europea. Apenas faltaría apuntar la felonía de Bergoglio y sus secuaces auspiciando de todas las maneras posibles la invasión anticristiana.

  5. Marcos Costa Responder

    10 de fevereiro de 2016 à 18:57

    De acordo com o comentário de Nacho Alday: é lamentável a atitude de Francisco I face à destruição da Europa cristã pelos mussulmanos. CostaMarques

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *