Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

SALAS DE ESPERA EMUDECIDAS

Jacinto Flecha

AMBIENTALISMO DE PONTA

Agencia Boa ImprensaQuando os aviões não eram apenas máquinas de transportar passageiros, o gado humano que neles entrava recebia todas as atenções da equipe de bordo. A ponto de um incorrigível pessimista apontar tais gentilezas como recurso das companhias aéreas para os passageiros esquecerem os riscos de acidentes prováveis. Bastante curiosa, aliás, é a quase total ausência de conversa entre eles durante a viagem, mesmo sendo amigos e sentados um ao lado do outro. Estou à procura de quem me explique isso.

Tudo muda para pior, neste mundo doente de pessimofilia, e basta uma viagem aérea para perceber que o serviço de bordo vem piorando. Como os riscos diminuíram, as empresas aéreas reduzem as gentilezas e ganham um pouco mais.

Eu estava curioso em atualizar também minhas informações sobre as salas de espera de serviços médicos, mas minha boa saúde me tem mantido longe delas. Pude constatar recentemente que elas também mudaram.

(Lá vem ele lamentar que pioraram).

Pioraram sim, mas a piora que notei talvez não seja a mesma que você notou. Melhoraram o conforto, a limpeza, as instruções sucintas e maquinais das atendentes uniformizadas, a eficiência dos computadores do sistema, que agora pensam duas vezes antes de se declararem fora do ar. Nem vou lamentar que cada paciente seja apenas o segurado número tal, senha número tal, em lugar do Senhor ou Senhora Fulano de tal, pois o anonimato globalizado rebaixou todo mundo a isso.

Antes de contar o que apurei na minha incursão por salas de espera, lembro que elas funcionavam antigamente como pontos de encontro, onde pessoas conhecidas ou desconhecidas trocavam ideias, queixavam-se das mesmas dores ou problemas, ensinavam cataplasmas para alguma dor do filhinho, sugeriam remédios ótimos que tomaram, mesmo sendo outra a doença do outro. Pontos de expansão do calor humano, elaborados ao longo dos séculos, servindo também como correias de transmissão de informações. Em pontos desses, nas margens dos rios, lavadeiras trocavam informações sobre grandes bagatelas de interesse local, nas famosas conversas de lavadeira. Hoje elas são uma categoria extinta, cujo calor humano foi aniquilado pelo ruído monótono e impositivo da máquina de lavar.

O meu exame exigia que eu esperasse duas horas depois do preparo, e na sala de espera pude observar dezenas de pessoas que entraram, permaneceram, saíram.

Primeira mudança – O paciente chega com um papel na mão e entrega-o a uma recepcionista. Ela o lê e ordena: Entre neste corredor, vire no primeiro à direita, entre na sala tal e aguarde ser chamado. Ao seguinte, manda sentar ali mesmo e aguardar; e assim por diante. Surgindo alguma dúvida, outra informação se faz ouvir com o tom metálico de secretária eletrônica, e ambos se reduzem novamente ao silêncio.

Resultado: Mutismo empresarial, erigido em culto à eficiência. Substitui o calor humano por um sorriso gélido tipo Stop. No trespassing.

Segunda mudança – Claro está que as pessoas poderiam conversar, se lhes interessasse. Mas não se interessavam. Por quê? Porque o direito de falar qualquer tolice era exclusivo de uma televisão colocada bem alto num canto da parede; e com as cadeiras voltadas para lá, a fim de ninguém deixar de vê-la e ouvi-la.

Resultado: Mutismo loquaz de quem fala sem pensar, dirigido a quem não fala porque não o deixam livre para pensar.

• Terceira mudança – Meu absoluto e irredutível repúdio à televisão me levou a sentar-me ostensivamente de costas para o referido canto de parede. Fiquei assim de frente para todos, disponível para trocar ideias sobre bagatelas de interesse comum. Mas todos haviam inclinado a cabeça para trás, acintosamente indiferentes a este comunicativo escriba, e embevecidos com as tolices do energúmeno pendurado acima da minha cabeça. Não aprendi a conversar com pescoços, por isso limitei-me a observar as caras, tão vazias quanto aquele cofrinho esférico, cuja única utilidade é servir de tampa para o pescoço que o sustenta.

Resultado: Mutismo voluntário de quem não pensa e nada tem a dizer.

• Quarta mudança – Ninguém conversava, ninguém comentava o que via ou sabia, ninguém reclamava. E na falta de contato humano, a única menina ali presente também não conversava, mas divertia-se com outras imagens aliciantes num instrumento moderninho chamado tablete.

Resultado: Mutismo informático, de quem olha tudo e não sabe nada.

• Quinta mudança – Mutismo globalizado, imposto, modelando autômatos com déficit irremediável de massa cinzenta pensante.

Ôps! A senha 528 vai ser examinada. Com licença.

 ______________
(Para receber novas crônicas, inscreva-se no blog: www.jacintoflecha.blog.br)
Esta coluna semanal pode ser reproduzida e divulgada livremente

 

1 comentário para SALAS DE ESPERA EMUDECIDAS

  1. Thales Reis Responder

    7 de fevereiro de 2015 à 14:59

    É verdade. As pessoas estão cada vez mais distantes umas das outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *