Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

UTOPIA IGUALITÁRIA — Aviltamento da dignidade humana

Revista Catolicismo, Nº 801, Setembro/2017

É o título do recente livro de Adolpho Lindenberg, no qual ele denuncia uma “revolução igualitária” surgida no fim da Idade Média e que atinge o seu paroxismo em nosso século

Adolpho Lindenberg

“O termo igualitarismo é um neologismo indicando a intenção revolucionária de nivelar por baixo todos os valores, ou seja, de amesquinhar a personalidade dos homens” [Foto: Luis Guillermo Arroyave]

Faz parte do mito igualitário imaginar que qualquer superioridade gera opressão nos subalternos. Tal concepção marxista é desmascarada por Dr. Adolpho Lindenberg na sua obra. Ele demonstra que as desigualdades harmônicas e proporcionadas são desejadas por Deus, que ama todos seus filhos — ricos e pobres, grandes e pequenos, nobres e plebeus — e as estabeleceu na Criação para o esplendor da ordem social e a beleza do Universo.

            A utopia e a ditadura igualitária, pelo contrário, subjugam e aviltam — observa o autor — a mentalidade das pessoas no mundo moderno, roubando-lhes o que há de melhor para o enriquecimento de suas personalidades e impedindo-as de cumprir plenamente a finalidade para a qual Deus as criou.

            Entrevistamos Dr. Adolpho sobre diversas questões relacionadas com o palpitante tema de seu recente livro Utopia Igualitária. Ele é um dos fundadores da Sociedade Brasileira de Defesa da Tradição, Família e Propriedade (TFP) e atual presidente do Instituto que leva o nome de seu primo-irmão, o Prof. Plinio Corrêa de Oliveira. Engenheiro pela Universidade Mackenzie, sua atividade profissional sempre esteve relacionada com a Construtora Adolpho Lindenberg, uma das mais conceituadas no País, que se notabilizou pela reintrodução do estilo colonial e o lançamento do estilo neoclássico na construção de edifícios. 

“O homem-massa, incapaz de elevar os olhos para o maravilhoso e o sublime, como aquele descrito por Aldous Huxley, é o modelo proposto pelos propugnadores do igualitarismo”

“O homem-massa, incapaz de elevar os olhos para o maravilhoso e o sublime, como aquele descrito por Aldous Huxley, é o modelo proposto pelos propugnadores do igualitarismo” [Na imagem acima, Dr. Adolpho dedica exemplares de seu livro – Foto PRC]

Catolicismo O que o levou a escrever esse livro no momento atual?

Adolpho Lindenberg Dr. Plinio Corrêa de Oliveira sempre apontou o igualitarismo como sendo a essência da Revolução — um movimento que visa destruir as ruinas remanescentes da Cristandade —, e que só em nossos dias adquiriu dimensões extremas, de tal magnitude que a denuncia dessa “revolução igualitária” tornou-se impreterível.

 

Catolicismo — No livro, o senhor utiliza o termo igualitarismo relacionando-o com alguma ideologia?

Adolpho Lindenberg Esse termo é um neologismo indicando a intenção revolucionária de nivelar por baixo todos os valores, ou seja, de amesquinhar a personalidade dos homens, sua dignidade, sua honra, e todas as demais características que tornam os seres diferentes uns dos outros. É como se assistíssemos ao nascer de um mundo novo com novos paradigmas — nivelamento social, bem-estar do corpo, eliminação das hierarquias —, os quais seriam responsáveis por todas as rivalidades, por todos os ódios, ressentimentos e guerras. O homem-massa, uniformizado, incapaz de elevar os olhos para o maravilhoso e o sublime, como aquele descrito por Aldous Huxley, é o modelo proposto pelos propugnadores do igualitarismo.

 

Catolicismo No momento atual, qual é o alvo visado pelos defensores da “revolução igualitária”?

“O alvo dos defensores do igualitarismo sempre foi e será nivelar Deus ao nível dos homens. Eles adotam a doutrina panteísta, que nega a transcendência absoluta do Criador” [Na foto acima: O hippismo em Woodstock (1969)

“O alvo dos defensores do igualitarismo sempre foi e será nivelar Deus ao nível dos homens. Eles adotam a doutrina panteísta, que nega a transcendência absoluta do Criador” [Na foto acima: O hippismo em Woodstock (1969)]

Adolpho Lindenberg O alvo deles sempre foi e será nivelar Deus ao nível dos homens. Eles adotam a doutrina panteísta, que nega a transcendência absoluta do Criador de todas as coisas em relação às criaturas. Rebaixando a Figura Divina, fica mais fácil destruir na mente humana a compreensão de Deus como o Todo-Poderoso, Magnificente, Infinito, Criador do Céu e da Terra, Juiz Supremo no Final dos Tempos. Eles divulgam a imagem de um Deus semelhante à de um “Papai Noel”, velhusco, conivente e indulgente para com os nossos pecados, sentado nas nuvens, sem nenhuma majestade.

 

Catolicismo Quais são as ideologias que mais favoreceram a propagação dos ideais igualitários?

Adolpho Lindenberg Conforme está descrito na obra Revolução e Contra Revolução de Dr. Plinio, o igualitarismo começou quando a sociedade medieval deixou de ser teocêntrica. O passo seguinte foi a Revolução Francesa (1789), propondo o fim de todas as distinções sociais. Mais tarde adveio o comunismo (1917), propondo o nivelamento econômico e a ditadura do Estado. Finalmente, surgiu o movimento hippie, vanguarda extrema no terreno cultural — anarquista, disposto a combater tudo o que se relacione com ordem, hierarquia, harmonia, beleza e esplendor.

 

Catolicismo Seria possível descrever mais pormenorizadamente essa última etapa do processo revolucionário?

Adolpho Lindenberg A tão celebrada ruptura com o mundo clássico, ocorrida logo após a Primeira Guerra Mundial, através da difusão da arte, da arquitetura e da música modernas, teve por objetivo erradicar todas as formas de beleza, de proporcionalidade, de cognoscibilidade e de elevação que presidiam até então a criação das obras de arte e o modo de as pessoas se vestirem, falarem e se comportarem. A ponta de lança desse flagelo é a Arte Contemporânea, que difunde o nauseabundo, o hermético, o absurdo, o caos.

 

Catolicismo Aprendemos nas escolas que a Idade Média foi um “período de trevas” — de estagnação, fanatismo e difamações semelhantes. E que a época histórica, desde o fim da Idade Média até a Revolução Francesa, denominada Ancien Régime, foi um período de snobismo, privilégios e prepotências. Por que razão o senhor elogia em seu livro essas épocas, afirmando que suas virtudes suplantaram seus vícios?

Adolpho Lindenberg Essas críticas feitas nos dias atuais ao período medieval estão sendo desclassificadas. Historiadores sérios e sociólogos de peso — muitos deles não católicos e, portanto, insuspeitos — nos apresentam um quadro totalmente diverso. Na Idade Média, a preocupação central não era levar uma vida gostosa, emoliente, mas em direcioná-la para um louvor a Deus. Os hábitos primitivos e pagãos dos bárbaros foram sendo gradativamente substituídos por um teor de vida civilizado, cristão, com certa nota de candura e simplicidade. A figura luminosa de São Luís IX, rei da França, encarna de modo perfeito os ideais dominantes naquele tempo.

 

Catolicismo Certos historiadores parciais referem-se a torturas, guerras, perseguição às ciências na Idade Média…

Duchamp, o criador da arte contemporânea, apresentou um mictório como peça artística central de uma de suas amostras. E a mídia revolucionária se encarregou de propagar uma extravagância como essa.

Duchamp, o criador da arte contemporânea, apresentou um mictório como peça artística central de uma de suas amostras. E a mídia revolucionária se encarregou de propagar uma extravagância como essa.

Adolpho Lindenberg No tocante às ciências, nada houve que se assemelhasse a uma hostilidade; pelo contrário, hoje em dia está provado que o período medieval caracterizou-se por um progresso acentuado em todas as áreas do conhecimento humano. Torturas e guerras houve, embora menos do que na Renascença. E cumpre lembrar que os costumes bárbaros vigentes em épocas anteriores só com o tempo foram eliminados, e pouco-a-pouco os bárbaros foram sendo civilizados. A prática das virtudes se estabeleceram ao longo das gerações. O reto agir fez com que os homens aprimorassem suas personalidades, seu modo de ser, sua aparência e passassem a apreciar as coisas por sua beleza, classe e sacralidade. Noutras palavras, as pessoas foram ficando mais civilizadas, mais finas e cultas.

 

Catolicismo — Em sua obra, o senhor cita exemplos isolados do quotidiano para demonstrar os avanços do igualitarismo, por exemplo, o abandono do uso da gravata ou a montagem de uma poltrona ergométrica. O senhor julga que tais exemplos são suficientes para corroborar suas críticas ao mundo moderno?

Adolpho Lindenberg Isoladamente, de fato eles dizem pouco, mas vistos em seu conjunto — talvez fosse o caso de enumerar outros fatos numa segunda edição — comprovam que não são inovações esporádicas, mas fazem parte, ao lado de centenas de outros, de uma inundação que mais cedo ou mais tarde vai cobrir o mundo inteiro, pois se trata de um plano universal. Assim, por exemplo, o abandono da gravata parece algo secundário. Mas se essa ablação for acompanhada por dezenas de outras simplificações — o uso de camisas com punhos arregaçados, de bermudões para homens de forma e cor indefinidas, a moda Kitsch para as mulheres —, ficará demostrado que fazem parte de um plano universal, visando rebaixar a aparência humana, tirando-lhe o prumo, a grandeza e o brilho.

 

Catolicismo “Plano universal”? O que significa isso?

Adolpho Lindenberg Para a difusão, num primeiro momento da Arte Moderna e atualmente da Arte Contemporânea, colaboram grandes entidades de caráter mundial, que intentam criar um mundo novo e igualitário, nos antípodas da Cristandade de outrora: a ONU, a União Europeia, fundações como Rockfeller, Ford, Gates e dezenas de outras, bem como universidades dominadas pelo pensamento marxista, grandes grifes orientadoras da moda, revistas e jornais de ponta, e o jet-set internacional.

 

Catolicismo Se esse movimento revolucionário nivelador possui essa força, que procedimento o senhor recomendaria aos nossos leitores?

Adolpho Lindenberg De início, um esforço pedagógico: eliminemos de nós mesmos as condescendências com esse mundo novo extravagante, bem como essa arte hermética e absurda que nos está sendo imposta. Num segundo momento, procuremos alertar nossos amigos e conhecidos para que vejam com isenção de ânimo o quanto é incongruente e de baixo nível as obras apresentadas nos museus e exposições de vanguarda. Um só exemplo: Duchamp, o criador da arte contemporânea, apresentou um mictório como peça artística central de uma de suas amostras. E a mídia revolucionária se encarregou de propagar extravagâncias como essa.

____________

Fonte: Revista Catolicismo, Nº 801, Setembro/2017.  

www.catolicismo.com.br

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *