A homo-heresia se introduzindo na Igreja?

Martinho Lutero, o frade sem vocação, pregou seu libelo de revolta na porta da igreja de Todos os Santos, em Wittenberg, Saxônia

Em uma detonação simbólica, as bênçãos da Igreja alemã a parceiros do mesmo sexo desencadeiam uma rebelião

  • Luiz Sérgio Solimeo

Em 31 de outubro de 1517, Martinho Lutero, o frade sem vocação, pregou seu libelo de revolta na porta da igreja de Todos os Santos, em Wittenberg, Saxônia. Embora tudo já tivesse sido meticulosamente preparado para essa revolta, aquele gesto simbólico desencadeou no seio da Igreja Católica a apostasia de grande parte da Europa.

A essa altura, as universidades já ensinavam filosofias subjetivistas que, ao negarem a realidade, negavam a verdade. Parte do clero tornou-se mundana e aderiu às novas doutrinas. Por sua vez, uma nobreza cobiçosa e decadente estava de olho nos bens da Igreja. Carlos V, um fraco imperador católico, e Leão X, um Papa da Renascença, mais preocupado com política e prazeres, permitiram que a revolta se espalhasse[i].

Novo gesto simbólico: abençoando “casais” homossexuais

Cinco séculos depois, as chamas dessa revolta voltaram a arder. No dia 22 de fevereiro de 2021, a Congregação para a Doutrina da Fé respondeu negativamente a uma pergunta (dubium) sobre a licitude de abençoar as uniões do mesmo sexo. O Papa Francisco aprovou essa resposta[ii].

Declarações individuais de bispos, grupos de sacerdotes e teólogos começaram imediatamente a aparecer, preparando o terreno para um ato aberto de desafio à Fé.

Em 10 de maio de 2021, padres e diáconos católicos — com o apoio ativo ou passivo dos bispos — abençoaram pares do mesmo sexo em cerca de 100 igrejas na Alemanha, localizadas em aproximadamente 80 cidades. Foi um ato de rebelião aberta[iii] contra a Santa Sé, que havia condenado a prática.

Como Lutero ao pregar suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg em 1517, as recentes bênçãos ilícitas a pares homossexuais, mais do que simplesmente contradizerem a nota da Congregação para a Doutrina da Fé, constituíram um gesto cheio de simbolismo. Tratou-se de uma negação pública da doutrina perene da Igreja de que qualquer ato sexual contrário aos fins do casamento, especialmente o ato contra a natureza, é pecado gravíssimo. Aqueles que vivem em uma união afetiva contrária à Lei de Deus e à lei natural estão em estado objetivo de pecado e revolta contra o Criador. Como afirma o documento da CDF, não é lícito abençoar esse estilo de vida pecaminoso.

Pronunciamento que parece ter sido o gatilho

Desde algum tempo, maus padres católicos abençoam parceiros do mesmo sexo em inúmeros lugares. A maioria dos bispos e o Vaticano permaneceram totalmente passivos, aparentemente sem perceber o que se passava.

A repentina intervenção da Congregação para a Doutrina da Fé faz com que se pergunte se a consulta (dubium) e sua resposta negativa de fevereiro não representaram um movimento astuto para provocar a Santa Sé a fazer um pronunciamento oficial sobre o assunto, o qual desencadearia a revolta preparada há muito tempo.

Na esteira dessa ostensiva revolta do dia 10 de maio, não há notícias de que o Papa Francisco ou a Congregação para a Doutrina da Fé tenham punido um único rebelde. Ou sequer se manifestado contra essa negação pública da moralidade e da doutrina católica. Ou ainda tomado medidas adequadas para impedi-la. Não consta que algum bispo tenha corrigido um padre rebelde de sua diocese que está dando bênçãos a pares homossexuais.

O silêncio e a falta de medidas disciplinares falam por si. A questão que se coloca é se a inação do Papa levará à consolidação dessa heresia, como aconteceu com o protestantismo na época do Papa Leão X. Em outras palavras, o pecado homossexual se torna regularizado e aceito na Igreja como um fato consumado.

Isso é tanto mais temível quanto, por meio de palavras e atitudes, o Papa Francisco tem mostrado aos homossexuais ativos não apenas tolerância, mas apoio, a partir de 2013, com as cinco palavras mais famosas de seu pontificado: “Quem sou eu para julgar?”[iv] Depois de outros gestos de endosso[v], ele novamente defendeu a legalização das “uniões civis” do mesmo sexo em uma entrevista divulgada em 2020, já tendo feito isso anos antes na Argentina, quando era cardeal-arcebispo de Buenos Aires[vi].

O teólogo polonês Pe. Dariusz Oko, professor de Teologia da Pontifícia Academia de Cracóvia e da Universidade João Paulo II, define essa nova heresia da seguinte forma: “A homo-heresia é uma recusa do Magistério da Igreja Católica sobre a homossexualidade. Os proponentes da homo-heresia não aceitam o fato de que a tendência homossexual seja um transtorno de personalidade. Eles questionam que os atos homossexuais são contrários à lei natural e favorecem o sacerdócio para homossexuais. A homo-heresia é uma versão eclesiástica da homossexualidade”. 

“A homo-heresia é uma recusa do Magistério da Igreja”

A defesa doutrinária do pecado homossexual ou “casamento” do mesmo sexo é uma heresia moral que foi chamada de “homo-heresia”.

O teólogo polonês Pe. Dariusz Oko, professor de Teologia da Pontifícia Academia de Cracóvia e da Universidade João Paulo II, define essa nova heresia da seguinte forma: “A homo-heresia é uma recusa do Magistério da Igreja Católica sobre a homossexualidade. Os proponentes da homo-heresia não aceitam o fato de que a tendência homossexual seja um transtorno de personalidade. Eles questionam que os atos homossexuais são contrários à lei natural e favorecem o sacerdócio para homossexuais. A homo-heresia é uma versão eclesiástica da homossexualidade”[vii].

O Magistério da Igreja sempre ensinou a verdade da Escritura e da Tradição de que a prática homossexual — como todo pecado consumado de luxúria — é um pecado grave. No entanto, não é apenas qualquer pecado mortal, mas um dos quatro que “clama ao Céu por vingança”[viii]. Negar essa verdade constitui heresia, que é uma “negação obstinada ou dúvida obstinada, após o recebimento do batismo, de alguma verdade que é para ser acreditada pela fé divina e católica” (Can. 751).

Paralelamente às bênçãos massivas de pares do mesmo sexo em igrejas alemãs no dia 10 de maio, um grupo de teólogos publicou um manifesto tentando justificar sua falsa doutrina[ix]. O documento foi assinado, entre outros, pela notória irmã Jeannine Gramick, cofundadora do Ministério New Ways, condenado em 1999 pela Congregação para a Doutrina da Fé por negar que os atos homossexuais são intrinsecamente malignos[x]. Assinou-o também o escandaloso Mons. Krzysztof Charamsa, que em 2015 foi demitido de seu posto na Congregação para a Doutrina da Fé após dar uma entrevista com seu parceiro homossexual para o documentário polonês Artigo 18.[xi]

A linha de argumentação dos teólogos da homo-heresia é a mesma do Modernismo: os dogmas da Igreja devem evoluir e acompanhar a cultura do mundo moderno[xii].

Exortação de São Pedro: Resistir forte na Fé

Nessas situações mais difíceis, devemos seguir o ensinamento apostólico de São Pedro, que nos exorta a “resistir… fortes na fé”, porque “o Deus de toda graça, que nos chamou para a sua glória eterna em Cristo Jesus, depois de ter sofrido um pouco, Ele mesmo te aperfeiçoará, e confirmará e estabelecerá” (1 Ped. 5: 9, 10).

Não desanimemos diante das provações apocalípticas da presente crise na Igreja. Nosso Senhor zela por sua Esposa e não permitirá que Ela seja dominada pelas forças infiltradas do mal. As próprias palavras do Evangelho no-lo asseguram.

Encoraja-nos o fato de a própria Santíssima Virgem ter prometido em Fátima o triunfo de seu Imaculado Coração. Confiemos n’Ela, esmagadora de todas as heresias e, portanto, também da atual, que glorifica o pecado pelo qual Sodoma e Gomorra foram destruídas pelo fogo[xiii].

Assumindo uma postura impessoal baseada em princípios

Como católicos praticantes, somos cheios de compaixão e rezamos por aqueles que lutam contra a tentação violenta de pecar, seja o pecado homossexual ou outro pecado.

Temos consciência da enorme diferença entre essas pessoas que lutam contra suas fraquezas e se esforçam para superá-las, e outras que transformam seu pecado em motivo de orgulho e tentam impor seu estilo de vida à sociedade como um todo, em flagrante oposição à tradição cristã, à moralidade e à lei natural. No entanto, oramos por elas também.

Segundo a expressão atribuída a Santo Agostinho, “odiamos o pecado, mas amamos o pecador”. E amar o pecador, como explica o mesmo Doutor da Igreja, é almejar-lhe o melhor que podemos desejar para nós mesmos, a saber, “que ame a Deus com um afeto perfeito”. (Santo Agostinho, Of the Morals of the Catholic Church, No. 49, www.newadvent.org/fathers/1401.htm)


[i] “Leão X, na mais grave de todas as crises que ameaçavam a Igreja, não se mostrou o guia adequado para ela. […] Ele não reconheceu a gravidade da situação nem as causas subjacentes da revolta. Medidas vigorosas de reforma podem ter-se mostrado um antídoto eficaz, mas o Papa estava profundamente enredado nos assuntos políticos e permitiu que a eleição imperial obscurecesse a revolta de Lutero; além disso, ele se entregou irrestritamente aos seus prazeres e não conseguiu cumprir plenamente os deveres de seu alto cargo.” KlemensLöffler, “Papa Leão X”, em The Catholic Encyclopedia, vol. 9, (Nova York: Robert Appleton Company, 1910). Recuperado em 16 de maio de 2021 de New Advent em http://www.newadvent.org/cathen/09162a.htm.

[ii]Ver Luiz Sérgio Solimeo, “Papa Francisco aprova nota da Cúria condenando ‘casamento’ do mesmo sexo ao nomear homossexual notório para a Comissão Pontifícia”, TFP.org, 7 de abril de 2021, https://www.tfp.org/pope-francis-aprova-curia-nota-condenando-casamento-do-mesmo-sexo-enquanto-nomeando-notório-homossexual-para-comissão pontifícia /.

[iii]Christoph Strack, “congregações católicas alegram-se com a bênção renegada de casais do mesmo sexo”, DW.com, 11 de maio de 2021, https://www.dw.com/en/catholic-congregations-rejoice-at-renegade-blessing-of -mesmo-sexo-casais / a-57495305.

[iv]Tracy Connor, “’Quem sou eu para julgar?’”: A frase mais poderosa do Papa em 2013, ”NBC News, https://www.nbcnews.com/news/world/who-am-i-judge-popes- frase-mais-poderosa-2013-flna2D11791260.

[v]– Vídeo do Papa Francisco abraçando um casal do mesmo sexo na Embaixada do Vaticano em Washington, DC, Eamon Javers, “Papa Francisco encontrou-se com o casal gay Yayo Grassi e Iwan Bagus durante seu tempo nos EUA”, CNBC, 2 de outubro de 2015, https://www.nbcnews.com/storyline/pope-francis-visits-america/pope-francis-met-gay-couple-yayo-grassi-iwan-bagus-during-n437651; John Henry Westen, “Ativista homossexual Elton John: Pope Francis ‘is my hero’”, LifeSiteNews.com, 29 de outubro de 2014, https://www.lifesitenews.com/news/homosexual-activist-elton-john-pope -francis-is-my-hero; John Henry Westen, “Papa Francisco chama a mulher com operação de mudança de sexo de ‘homem’ e chama os parceiros de ‘casados’, LifeSiteNews.com, 3 de outubro de 2016, https://www.lifesitenews.com/news/pope-francis-liga-mulher-com-mudança-de-sexo-operação-um-homem-e-liga-parceiros; Claire Giangravé, “Papa Francisco incentiva freira ajudando comunidade trans na Argentina,” Religion News Service, 25 de agosto de 2020, https://religionnews.com/2020/08/25/pope-francis-encourages-nun-helping-trans -comunidade-em-argentina /

[vi]– CNA, “Papa Francisco Solicita Lei da União Civil para Casais do Mesmo Sexo, em Mudança da Posição do Vaticano”, Agência de Notícias Católica, 21 de outubro de 2020, https://www.catholicnewsagency.com/news/46295/pope- francis-calls-for-civil-union-law-for-mesmo-sexo-casais-em-turno-de-vaticano-postura. Ver também Luiz Sérgio Solimeo, “Papa Francisco Endossa Uniões Civis entre Pessoas do Mesmo Sexo, mas Algo Intrinsecamente Mal Não Pode Ser o Objeto de Direitos Legais”, TFP.org, 4 de dezembro de 2020, https://www.tfp.org/pope-francis-endossa-uniões-civis-do-mesmo-sexo-mas-algo-intrinsecamente-mal-não-pode-ser-o-objeto-de-direitos-legais /.

[vii]– Marco Tosatti, “L’Omoeresia nella Chiesa attuale,” 13 de novembro de 2014, https://kairosterzomillennio.blogspot.com/2014/11/lomoeresia-nella-chiesa-attuale.html.

[viii]Dom Gregory Manise, O.S.B., s.v. “Pecados que Clamam ao Céu por Vingança”, no Dicionário de Teologia Moral, comp. Francesco Cardinal Roberti, ed. Pietro Palazzini, trad. Henry J. Yannone (Westminster, Md .: Newman Press, 1962).

[ix]– “Declaração Acadêmica sobre a Ética em Relações entre Pessoas do Mesmo Sexo Livre e Fiel”, acessado em 19 de maio de 2021, https://www.wijngaardsinstitute.com/academic-statement-ethics-same-sex-relationships/#Foreword.

[x]“Congregação para a Doutrina da Fé é obrigada a declarar para o bem dos fiéis católicos que as posições defendidas pela irmã Jeannine Gramick e pelo padre Robert Nugent a respeito do mal intrínseco dos atos homossexuais e da desordem objetiva da inclinação homossexual são doutrinariamente inaceitáveis porque não transmitem fielmente o ensino claro e constante da Igreja Católica nesta área.” Congregação para a Doutrina da Fé, “Notificação sobre a irmã Jeannine Gramick, SSND e o padre Robert Nugent, SDS,” 31 de maio de 1999, https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19990531_gramick- nugent-notification_en.html.

[xi]Stephanie Kirchgaessner, “Ex-funcionário do Vaticano Krzysztof Charamsa:‘ Sou um homem gay. I’m not a monster ‘”, The Guardian, 28 de outubro de 2015, https://www.theguardian.com/world/2015/oct/28/ex-vatican-official-krzysztof-charamsa-im-a-gay-man-im-not-a-monster.

[xii]“Declaração acadêmica sobre a ética nas relações homossexuais livres e fiéis”, prefácio.

[xiii]Gênesis 19: 24-25. Para um estudo bem documentado da doutrina católica sobre o assunto, consulte TFP Committee on American Issues, Defending a Higher Law: Por que devemos resistir ao “casamento” do mesmo sexo e ao movimento homossexual (Spring Grove, Penn .: The American Society for a Defesa da Tradição, Família e Propriedade, 2004). Para baixar este livro em formato pdf, vá para https://www.tfp.org/images/books/Defending_A_Higher_Law.pdf.

Um comentário para "A homo-heresia se introduzindo na Igreja?"

  1. Pingback: A homo-heresia se introduzindo na Igreja? – LITORAL CENTRO – COMUNICAÇÃO E IMAGEM