“AÇUCENA DE QUITO”

Santa Mariana catequista. Óleo do pintor Joaquin Pinto (nos primórdios do século XX). Representa a Santa quitenha em sua atividade, como leiga, de catequizar as crianças pobres.

Este quadro representa Santa Mariana de Jesus Paredes Flores Granobles y Jamarillo (1618-1645), leiga que viveu no Equador — o traje da época era de leigas — e que, por sua beleza, candura e pureza virginal, ficou para a história como a “Açucena de Quito”.

                De alta nobreza, pois descendia de “Grades de Espanha” (nobreza mais antiga que a da Família Real Espanhola), teve seu nome em consideração a Madre Mariana de Jesus Torres y Berriochoa (1563-1635), grande mística, sobrinha do Rei Felipe II da Espanha. Esta Madre chegou a Quito com 15 anos, acompanhando sua tia Madre Maria Taboada que fora incumbida pelo Soberano, a pedido das matronas de Quito, para fundar um monastério de Concepcionistas reclusas na capital equatoriana.

                É impossível contemplar o quadro sem exclamar: quanta distinção, quanta nobreza, quanta bondade, afeto e caridade; quanto enlevo dos necessitados a serem socorridos por tão grande dama; quanta harmonia social!

                Tudo fruto do Preciosíssimo Sangue do Verbo Encarnado, das lágrimas de Maria, da Santa Igreja Católica Apostólica e Romana!