Widgetized Section

Go to Admin » Appearance » Widgets » and move Gabfire Widget: Social into that MastheadOverlay zone

Por que Deus nos permite as enfermidades?

Ipe consolação♦  Monsenhor José Luiz Villac

Fonte: Revista Catolicismo, Nº 810, Junho/2018

Pergunta Tenho uma dúvida, e gostaria que fosse respondida pelo Monsenhor José Luiz Villac. Uma senhora que se encontra com câncer queria saber o significado das doenças, que Deus permite às suas criaturas. Se Deus é Deus, e temos fé nisso, como pode mandar doenças ou outras desgraças para pessoas que têm fé? Assim, elas podem ficar em dúvida quanto ao amor de Deus para conosco. Eu queria saber se de fato Deus deseja essas coisas ruins, ou se elas são mandadas pelo diabo.

Resposta A pergunta do missivista toca num dos mistérios mais obscuros da nossa Religião, e ao mesmo tempo mais belos e consoladores: o mistério da Divina Providência, ou seja, a verdade de fé segundo a qual “tudo o que Deus trouxe à existência, Ele protege e governa” (Concílio Vaticano I), com vistas a dirigi-lo ao seu fim último.

A Providência inclui não somente o plano divino para o mundo — a ordem dos seres criados e a finalidade de cada um deles —, mas também a realização e execução desse plano. Isso Deus pode fazer de maneira imediata, ou seja, por um ato da própria vontade; mas também, e muito frequentemente, pela cooperação das criaturas, que por bondade Ele assim faz participar na execução de seu plano.

De fato, Deus é a Causa primeira de tudo. Respeitando a natureza dos seres que Ele criou, conduz sua Criação pelas causas segundas que estão presentes nela. Assim, os seres materiais são conduzidos por leis que Deus colocou na própria natureza; e os seres livres são guiados pela força da inteligência, da vontade e da consciência que Deus lhes deu, assim como pelas decisões das autoridades às quais eles devem obedecer. Dessa forma, em grande medida cada um é a providência de si mesmo: Ajuda-te e Deus te ajudará, diz sabiamente o provérbio. Mas um homem pode também ser a providência de outro homem, e isso é particularmente verdadeiro no que concerne aos pais em relação a seus filhos.

“Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem nos celeiros, e vosso Pai celeste as alimenta. Considerai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam. Entretanto eu vos digo que o próprio Salomão, no auge de sua glória, não se vestiu como um deles” (Mat 6, 26-30).

“Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem nos celeiros, e vosso Pai celeste as alimenta. Considerai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam. Entretanto eu vos digo que o próprio Salomão, no auge de sua glória, não se vestiu como um deles” (Mat 6, 26-30).

Beleza da confiança em Deus

De qualquer maneira, e mesmo sob a influência das causas segundas, nenhuma criatura pode subtrair-se ao plano divino do mundo. Bem ou mal, consciente ou inconscientemente, todas as criaturas cumprem o plano divino, porque todas O servem. Mesmo as leis físicas estabelecidas são submissas a Deus, porque só Ele pode suspendê-las, revogá-las ou mudá-las por meio de um milagre. O resultado é que a ordem divina do mundo foi fixada desde toda a eternidade. Tanto no conjunto quanto nos detalhes, a Providência é para nós um mistério, e só nos será revelado no outro mundo.

As Sagradas Escrituras estão repletas de testemunhos dessa verdade: “Tão estável como a terra que criastes, tudo subsiste perpetuamente pelos vossos decretos, porque o universo vos é sujeito” (Sal 118, 90-91). E Isaías põe nos lábios de Deus a seguinte proclamação da onisciência e onipotência divinas: “Desde o princípio eu predisse o futuro, anuncio antecipadamente o que ainda não se cumpriu. Meu plano se realizará, executarei todas as minhas vontades” (Is 46, 10).

Nosso Senhor Jesus Cristo mostra em suas parábolas como Deus tem uma providência geral para o mundo material e os animais: “Olhai as aves do céu: não semeiam nem ceifam, nem recolhem nos celeiros, e vosso Pai celeste as alimenta. Considerai como crescem os lírios do campo: não trabalham nem fiam. Entretanto eu vos digo que o próprio Salomão, no auge de sua glória, não se vestiu como um deles” (Mat 6, 26-30).

Jesus ensina também que há uma providência especial para os homens: “Se Deus veste assim a erva dos campos, que hoje cresce e amanhã será lançada ao fogo, quanto mais a vós, homens de pouca fé? Não vos aflijais, nem digais: Que comeremos? Que beberemos? Com que nos vestiremos? São os pagãos que se preocupam com tudo isso. Ora, vosso Pai celeste sabe que necessitais de tudo isso” (Mat 6, 30-32). “Até os cabelos de vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois! Bem mais que os pássaros valeis vós” (Mat 10, 30-31).

 

São Tiago recomenda-nos em sua epístola dizer sempre aquilo que entrou nos costumes cristãos: “Se Deus quiser” (Ti 4, 15).

São Tiago recomenda-nos em sua epístola dizer sempre aquilo que entrou nos costumes cristãos: “Se Deus quiser” (Ti 4, 15).

Se Deus quiser

São Tomás de Aquino ensina: “Quanto aos homens justos, Deus exerce sobre eles a sua providência de modo mais excelente que em relação aos ímpios, no sentido de não permitir que aconteça algo contra eles que comprometa finalmente sua salvação; porque ‘todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são os eleitos’, diz o Apóstolo (Rom 8, 28)” (Summa I, q. 22, a. 2 ad 4).

Por isso São Tiago recomenda-nos em sua epístola dizer sempre aquilo que entrou nos costumes cristãos: “Se Deus quiser” (Ti 4, 15). E São Pedro acrescenta: “Confiai-lhe todas as vossas preocupações, porque ele tem cuidado de vós” (1 Ped 5, 7). Nosso Senhor vai mais longe, e nos incita até a importunar o Pai celeste nas nossas necessidades; como o amigo da parábola cujo vizinho, “certamente por causa da sua importunação, levantar-se-á e lhe dará quantos pães necessitar. E eu vos digo: pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Luc 11, 5-9).

Na realidade, as nossas orações não alteram o plano divino, pois Deus conhece desde toda a eternidade esse pedido, e pode tomá-lo em conta ao estabelecer o seu plano providencial. Mas também pode não atendê-lo. Um bom exemplo disso é o que fez com o próprio Jesus, a quem não poupou as imensas dores da Paixão, apesar de seu lancinante gemido: “Pai, se é de teu agrado, afasta de mim este cálice!”. E para agirmos de acordo com o exemplo de nosso Mestre, devemos acrescentar sempre aos nossos pedidos: “Não se faça a minha vontade, mas sim a vossa” (Luc 22, 42).

 

O mal é a subversão da ordem

Como, então, explicar os males que afligem não somente os ímpios, mas também os que têm fé? São os males obra do demônio?

Essa era a tese errada sustentada pelos promotores de uma das primeiras heresias que afligiu a Igreja no início do cristianismo: o maniqueísmo, herdeiro do dualismo corrente na maioria dos povos da Antiguidade. Ensinavam que o mundo é governado por dois princípios contrários, duas potências rivais: deuses bons e deuses maus (no Panteão grego, por exemplo), de onde resultaria a mistura de bem e mal no mundo físico e na vida humana. Para os maniqueus, só o espírito é bom, e a matéria é ruim. Deus não poderia ser o Autor da matéria, e sim Satanás, rei das trevas em eterno conflito com Deus, soberano do reino da luz.

Contra esses erros se levantaram os Padres da Igreja, sobretudo Santo Agostinho, que na sua juventude havia sido discípulo dos maniqueus. Esses grandes santos explicaram que o mal não existe por si mesmo, é apenas a privação de um bem próprio à natureza de um ser. Por exemplo, um cego está privado da vista, que é um bem próprio da natureza humana; e os doentes estão privados da saúde, um bem normal no ser humano.

No plano moral, o mal é a subversão da ordem pela preferência de um bem inferior em prejuízo de um bem superior, sobretudo de Deus, que é o Bem infinito. Santo Agostinho explica: “Quando a vontade desce de um objeto superior para um objeto inferior, ela se torna má. Não que o objeto para o qual ela se desvia seja mau em si, mas o mal é o próprio desvio. Não é o objeto inferior que tornou a vontade má, mas a própria vontade se corrompeu pela procura desregrada e culposa de um objeto inferior” (A Cidade de Deus, cap. VI).

 

Deus jamais nos enviará uma tribulação que não possamos suportar. Se ela estiver acima das nossas forças atuais, Ele nos dará as graças necessárias para carregá-la.

Deus jamais nos enviará uma tribulação que não possamos suportar. Se ela estiver acima das nossas forças atuais, Ele nos dará as graças necessárias para carregá-la.

Resignação e recompensa eterna

Devemos afirmar que Deus jamais é o autor do mal moral, ou seja, do pecado. Mas Deus permite as consequências do mal moral, assim como permite o mal físico nas criaturas e o sofrimento nos seres racionais. Portanto o mal espiritual pode gerar a privação de um bem corporal, como é o caso da doença ou perda da integridade física.

É certo que Deus poderia ter afastado essas privações da Criação, sejam as que resultam de causas segundas, como os estragos de um temporal, sejam as causadas por defeitos inerentes à matéria, como as doenças congênitas ou adquiridas. De fato Ele as afastou do Paraíso onde colocou Adão e Eva, mas não quis afastá-las deste “vale de lágrimas”, por isso devemos aceitá-las com resignação. Além disso, devemos oferecê-las em expiação pelos nossos pecados ou pelos pecados dos outros, cientes de que o sofrimento bem aceito tem a promessa de uma recompensa eterna.

De uma coisa podemos estar certos: Deus jamais nos enviará uma tribulação que não possamos suportar. Se ela estiver acima das nossas forças atuais, Ele nos dará as graças necessárias para carregá-la: “Deus é fiel. Não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, mas com a tentação ele vos dará os meios de suportá-la e sairdes dela” (1 Cor 10, 13).

Portanto o cristão atribulado por alguma desgraça deve abandonar-se à vontade de Deus, carregando com paz e espírito sobrenatural a sua cruz. Foi o exemplo que nos deu nosso Divino Salvador no Horto das Oliveiras, aceitando os sofrimentos da crucifixão. Não esqueçamos também que foi anunciado a Nossa Senhora, pouco depois das alegrias da Natividade, que “uma espada transpassará tua alma” (Luc 2, 35). Ela sempre esteve ao lado de seu Filho, particularmente aos pés da Cruz.

1 comentário para Por que Deus nos permite as enfermidades?

  1. Ely Responder

    4 de agosto de 2018 à 11:59

    Linda reflexão a qual estou de acordo. Hoje também passo por doenças mas entrego nas mãos de Deus e que faça de mim o que lhe aprouver.Ofereço pela conversão dos pecadores e digo a Jesus: “O Senhor é o Médico dos médicos-Eclesiástico 38, conduz-me aos médicos da terra para que possa tratar-me, mas não fico revoltada, triste.Às vezes fico triste e digo à ELE: Jesus, faça de mim o que quiseres mas sabe que eu fiz opção pelos necessitados aos visitar doentes nos hospitais; ao levar alimento para a casa dos aidéticos; Lar dos Idosos e estou impedida de ir como antes, mas eu faço a sua vontade e dai-me forças e coragem para continuar a usufruir da vida que Deus deu-me.Em nenhum momento indago Jesus, pois digo ELE É DONO DE TUDO E DE TODOS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *