Biden acusa Putin de assassino e atiça nova guerra fria

Na sua primeira longa conversa telefônica com Vladimir Putin, Joe Biden feriu o expansionismo do Kremlin, apoiando a Ucrânia “em face da insistente agressão da Rússia”; expressou “preocupação” pelo “envenenamento de Alexei Navalny”; deplorou a prisão deste opositor e de milhares de cidadãos russos que protestavam democraticamente, e advertiu que Putin sofrerá consequências por ter tentado influenciar nas eleições americanas a fim de favorecer Trump.

Por fim, interrogado pela imprensa, assentiu em que o líder russo é um “assassino”.

Em revide, o porta-voz da Câmara de Deputados do Parlamento russo avaliou as palavras de Biden como “ataque à Rússia” e gesto de “histeria” e o Kremlin ameaçou “intervir” na Ucrânia se esse país agir contra os separatistas sustentados pela Rússia.

Os EUA enviaram dois navios de guerra para o mar Negro, próximo da área conflituosa.