Nem paz nem honra no Afeganistão

James Bascom*

As imagens dramáticas da queda de Cabul em mãos do Talibã não podem deixar de evocar as cenas surpreendentemente semelhantes da derrota do Vietnã do Sul há 46 anos [foto acima]. Milhares de pessoas fisicamente agarradas a aviões, combatentes talibãs triunfantes posando no palácio presidencial afegão e helicópteros que arrebatam os últimos funcionários da embaixada dos telhados são estranhamente semelhantes ao que aconteceu em Saigon em abril de 1975.

Dois anos antes, o presidente Richard Nixon tentou assegurar aos americanos que os Acordos de Paz de Paris com o Vietnã do Norte comunista haviam obtido “paz com honra”. Essa afirmação soou vazia quando os americanos assistiram com horror em 30 de abril de 1975, quando tropas norte-vietnamitas invadiram o Palácio Presidencial em Saigon. O presidente Gerald Ford — ele mesmo relutante e incapaz de cumprir as promessas americanas de apoiar o Vietnã do Sul — voou para Palm Springs, Califórnia, para jogar golfe.

Se havia uma coisa que o Sudeste Asiático não conseguiu após a queda de Saigon em 1975, era a paz. Milhões morreram na unificação forçada do Vietnã do Sul, nos campos de prisioneiros comunistas vietnamitas após a guerra, ou nos campos de extermínio do Camboja (resultado direto da retirada dos EUA). Milhões mais se tornaram refugiados. A honra foi ainda mais evasiva, pois a América ainda está lidando com a vergonha e o trauma social de perder uma guerra que custou 58.000 vidas americanas.

O presidente Biden pode não ser Gerald Ford, mas ele o interpreta bem na TV. Assim como Cabul caiu para o Talibã, Biden decidiu tirar férias em Camp David. Em 16 de agosto, ele fez uma declaração preparada, dobrando sua decisão de abandonar o Afeganistão, e depois voltou para Camp David sem responder a uma única pergunta da imprensa. Até sua secretária de imprensa Jen Psaki decidiu sair de férias. Como a história se repete.

Quase tão violento quanto o Talibã são as recriminações nos Estados Unidos e em todo o Ocidente. Como no rescaldo do Vietnã, um país emocionalmente carregado e amargamente dividido está acumulando quantidades iguais de culpa na própria guerra, na maneira como foi travada, nos políticos que a lideraram e no país que a lutou. O espetáculo de um Estados Unidos praticamente sem líder vendo-se perder no Afeganistão está derramando combustível em um debate interno já quente sobre a direita da própria democracia liberal. E qualquer que seja a posição sobre a guerra, a humilhação do país mais poderoso do mundo nas mãos de bárbaros com rifles terá sérias repercussões negativas para a América em todo o mundo.

Assim como a maioria dos americanos apoiou a guerra no Vietnã por razões boas e nobres (para combater o comunismo), eles também no Afeganistão. De seu santuário afegão, a Al Qaeda assassinou 3.000 americanos, feriu outros 25.000 e causou 100 bilhões de dólares em danos em 11 de setembro de 2001. A maioria dos países ocidentais não teria se rendido ou feito nada depois de tal ataque. Foi bom termos revidado e destruído o regime talibã e matado Osama Bin Laden.

Desde os oficiais de nível médio até os alistados, a grande maioria dos soldados americanos realizou seus trabalhos brilhantemente. Mais uma vez, os Estados Unidos mostraram ao mundo que tem os militares mais bem treinados, mais bem equipados e mais poderosos que o mundo já conheceu. Nenhum outro país poderia viajar meio mundo, conquistar um país sem terra do tamanho do Texas, e matar seus inimigos tão rapidamente e eficientemente quanto os Estados Unidos fizeram em outubro de 2001. Os 2.420 americanos que morreram no Afeganistão não morreram em vão. O sacrifício deles pagou pela segurança do terrorismo islâmico que ainda desfrutamos hoje. Para que não esqueçamos, os EUA não sofreram um grande ataque terrorista desde o 11 de Setembro.

Guerrilheiros do Talibã percorrem as ruas de Cabul em 20 de agosto.

A maior parte da culpa pelo fracasso dos EUA pode ser colocada aos pés daqueles que tentaram construir o Afeganistão em uma democracia liberal de estilo ocidental. Os afegãos são um dos povos mais primitivos e incivilizados do mundo. O país está dividido em vários grupos étnicos diferentes divididos em tribos e clãs familiares. A lealdade de um afegão é com sua família e líder tribal. Como muitos soldados americanos aprenderam, os afegãos também são notoriamente não confiáveis e não confiáveis. Meritocracia é praticamente desconhecida no Afeganistão, e o apoio flui de conexões familiares, o cano de uma arma, ou a boa e velha corrupção.

Se o Oriente Médio é uma indicação, a religião islâmica torna quase impossível ter um governo de estilo ocidental. As políticas dos EUA no Afeganistão que foram contra o Islã só serviram para fortalecer a posição do Talibã. Embora oficialmente ilegal, a política militar dos EUA era fechar os olhos para a prática de bacha bazi (na qual homens adultos abusam sexualmente de meninos) e homossexualidade em geral. Os militares até puniram alguns soldados americanos por espancar afegãos que tentaram seduzi-los. “Bacha bazi” é rejeitado por muitos muçulmanos como não-islâmico. A oposição do Talibã a ele foi um fator para sua chegada ao poder na década de 1990. Essas questões só deram mais legitimidade à reivindicação do Talibã como defensores do Islã. Tentar impor o feminismo e o consumismo ao estilo ocidental só piorou as coisas.

Os líderes que ignoraram esses obstáculos e mudaram os objetivos da guerra para construir uma “democracia” afegã — ou seja, as administrações Bush e Obama — são os verdadeiros culpados da derrota. O impulso wilsoniano de tornar o mundo “seguro para a democracia” está incorporado profundamente na psique americana. O projeto do governo dos EUA para combater o terrorismo transformando o Afeganistão em uma república modelo não estava menos condenado ao fracasso do que a tentativa de Woodrow Wilson de evitar uma repetição da Primeira Guerra Mundial desmembrando e democratizando a Europa. Ainda mais irônico porque o governo dos EUA geralmente se recusava a admitir que o inimigo era um Islã radicalizado, preferindo o termo “Guerra ao Terror”.

Nenhuma solução destituída de legitimidade tem qualquer chance de sucesso no Afeganistão áspero. As administrações dos EUA deveriam ter ajudado a restaurar a monarquia constitucional que governou o Afeganistão de 1926 a 1973 e fortalecer as lideranças do clã patriarcal. O apoio leal americano a essas lideranças indígenas teria ajudado-os a se tornarem pró-americanos e pró-ocidentais.

Apesar dos erros cometidos desde 2001, o colapso do governo não era inevitável. Como o senador James Inhofe (R-OK) apontou no Wall Street Journal, o povo americano foi apresentado com um falso dilema entre a retirada total e “guerras para sempre”. Ninguém queria que os Estados Unidos ficassem no Afeganistão para sempre. Mas apenas a presença de um pequeno número de tropas em um papel não-combate teria sido suficiente para deter o Talibã. 1 Quando o presidente Obama retirou as forças americanas do Iraque em 2011, o vácuo de poder que se seguiu contribuiu para a ascensão do Estado Islâmico. No mês passado, o presidente Biden anunciou que as 2.500 tropas americanas estacionadas no Iraque terminarão sua “missão de combate” até o final de 2021, mas permanecerão no país em um papel consultivo. Ele poderia ter feito o mesmo pelo Afeganistão a um custo mínimo. Teria sido uma repetição bem sucedida da estratégia dos EUA na Alemanha após a Segunda Guerra Mundial e na Coreia do Sul.

Além disso, o termo “guerra eterna” é grosseiramente impreciso. Os Estados Unidos deixaram de desempenhar qualquer papel de combate por quase dois anos. A última morte em combate foi em fevereiro de 2020, há 18 meses. Mais soldados morreram de acidentes no ano passado do que de combate no Afeganistão.

A forma como o governo Biden se retirou foi vergonhosa. Ao que parece, o governo Biden não só virou as costas para o governo afegão, mas o minou. O governo dos EUA retirou-se das bases sem sequer dizer aos militares afegãos, forneceu pouco ou nenhum apoio aéreo, e fez declarações públicas pessimistas e hostis que mataram a moral afegã. Mesmo quando ficou claro que o Afeganistão estava prestes a sofrer um colapso semelhante ao Vietnã, Biden cinicamente dobrou e libertou o país. Se algum homem é dono do fracasso no Afeganistão, é o Presidente.

Muitos americanos estão esperançosos de que, embora feio, pelo menos a queda do Afeganistão para o Talibã trará paz. Tal posição é ingênua. A reputação da América sofrerá consequências duradouras, talvez permanentes em todo o mundo. A retirada diz que o governo dos Estados Unidos não é confiável para cumprir suas promessas. Os EUA realmente virão em auxílio da Estônia, Coreia do Sul ou Taiwan se forem atacados?

Nossos inimigos, como China, Irã e Rússia, estão felizes em ver os Estados Unidos falharem. Esses países são mais propensos do que nunca a agir em suas ameaças aos seus vizinhos. Eles também provavelmente estabelecerão uma base econômica e política no novo Afeganistão. O Talibã se tornará mais uma vez um paraíso para grupos terroristas. Em suma, a queda do Afeganistão trará mais guerra, terrorismo e mortes americanas.

Também é um golpe para a autoimagem dos americanos. Os americanos sempre se viram como um povo otimista, que faz as coisas da maneira certa. Os Estados Unidos gastaram 20 anos e 2 trilhões de dólares no Afeganistão, o que equivale a mais de US$ 250 milhões por dia. O Afeganistão pode ser o fracasso mais caro da história mundial. Os EUA gastaram mais de US$ 83 bilhões em armamentos e equipamentos apenas para o governo afegão. Grande parte desse armamento, incluindo drones e veículos avançados, foi capturado pelo Talibã. Além disso, os militares afegãos — que no papel superavam o Talibã — simplesmente se derretiam da baixa moral e da falta de apoio. É um fracasso humilhante do qual levará muitos anos para se recuperar.

Muito pior do que as perdas materiais são as humanas. As vítimas da coalizão foram 3.562 mortos e 22.773 feridos. Além disso, cerca de 50.000 civis afegãos foram mortos na guerra. Embora pequeno em comparação com outros conflitos, ainda é um número substancial. Muitas das 800.000 tropas americanas que serviram no Afeganistão estão experimentando angústia, raiva e ressentimento em relação a uma liderança política e militar que, como no Vietnã, não conseguiu concluir a guerra com honra. Amigos e familiares daqueles que perderam suas vidas estão se perguntando se seus sacrifícios foram em vão.

A esquerda global está feliz em ver os Estados Unidos humilhados mais uma vez. Eles sempre simpatizaram com o terrorismo islâmico e vêem os Estados Unidos como o maior mal do mundo. A direita na América, que sempre foi favorável a uma forte defesa nacional e apenas a guerras contra os inimigos da América, é desmoralizada, incerta ou até indiferente ao desastre que se desenrola. Muitos preferem não pensar no Afeganistão, esperando que a retirada faça tudo desaparecer. Alguns da direita isolacionista estão até felizes com o resultado, vendo o fracasso americano no Afeganistão como uma reivindicação de uma política nacionalista “America First”.

Em última análise, a consequência mais profunda do fracasso no Afeganistão é o debate sobre o próprio modelo democrático americano. O colapso da confiança nas instituições americanas, o aumento da violência política e da fraude, o crescente totalitarismo de um governo supostamente “democrático” e a hiperpolarização corroeram a confiança inatacável da América em seu modelo. O impressionante colapso da democracia representativa no Afeganistão é, muitos dizem, apenas uma confirmação de que a democracia não funciona. Novos modelos, tanto à esquerda quanto à direita, estão sendo propostos. A esquerda admira a China comunista, assim como alguns à direita, erroneamente. Muitos mais à direita olham erroneamente para Victor Orban ou Vladimir Putin como exemplos que o Ocidente deve imitar. A maioria desses novos modelos acaba com as liberdades constitucionais tradicionais e coloca a esperança de cabeça errada em um líder político que resolverá sozinho a crise da civilização ocidental.

A solução para esta crise, da qual a queda do Afeganistão é apenas um sintoma, é um retorno à sociedade cristã orgânica, como descrito no livro Return to Order de John Horvat. Este retorno requer um exame sério de consciência e um reconhecimento de que, como o Filho Pródigo, pecamos e devemos voltar para a casa do Pai. A democracia liberal nos levou ao caminho da destruição. Somente voltando à Igreja Católica no campo religioso e na sociedade cristã orgânica no campo sociopolítico podemos esperar evitar o abismo que está claramente se aproximando.

____________

1. https://www.wsj.com/articles/an-alternative-to-the-afghan-pullout-11623615905

* James Bascom é graduado pela St. Louis de Montfort Academy e membro em tempo integral da TFP americana.