Sequestros e crucifixões de cristãos: crimes que o ecumenismo finge não ver

Boko HaramQuase trezentas moças cristãs nigerianas foram sequestradas pelo movimento islâmico Boko Haram [foto], que pretende vendê-las no mercado de escravos “em nome de Alá” ou entregá-las a seus militantes para serem estupradas. Desde janeiro, o grupo causou mais de 1.500 mortes. Na Síria, combatentes islâmicos crucificaram cristãos. Esses atrozes crimes coletivos levantaram dúvidas sobre o ecumenismo com os muçulmanos, que imagina ser possível encontrar um Islã bom e pacífico numa leitura sincera do Corão. Ora, o Corão trata os cristãos de “ímpios”, “idólatras” e “blasfemos” que devem ser humilhados ou exterminados: “Combatei-os […] até que não exista outra religião senão a de Alá” (VIII, 39); “Fazei-os prisioneiros! Sitiai-os! Armai emboscadas contra eles!” (IX, 5); “Nenhum profeta pôde fazer prisioneiros sem antes ter praticado massacres na terra” (VIII, 67).

2 comentários para "Sequestros e crucifixões de cristãos: crimes que o ecumenismo finge não ver"

  1. Maria Olivia Fumis   18 de julho de 2014 at 14:11

    Eu também acho que o ecumenismo deve ter limites, mas, o que se pode fazer a respeito disso?

  2. Ivani Medina   17 de novembro de 2015 at 14:47

    O islamismo só enfeia o mundo. Um perigo ardiloso que precisa ser constantemente denunciado.

    http://cafehistoria.ning.com/profiles/blogs/combatei-os-deus-os-castigar-por-interm-dio-de-vossas-m-os