Na tragédia, o Chile voltou-se para a Religião

O dramático e feliz resgate dos 33 mineiros chilenos, soterrados durante 70 dias, inspirou um movimento de religiosidade no povo chileno. Essa religiosidade parecia soterrada pelo ambiente hodierno de laicismo, imoralidade e igualitarismo. Porém, diante da ameaça de morte, os mineiros montaram um altar no refúgio que poderia ter sido seu túmulo; e, logo que puderam, pediram imagens religiosas. O exemplo repetiu-se em todo o país, e até o presidente chileno “instalou no palácio presidencial uma imagem de São Lourenço, padroeiro dos mineiros”.